• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
https://doi.org/10.11606/T.85.2020.tde-05022020-100006
Documento
Autor
Nome completo
Raquel da Silva Aires
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Andrade, Delvonei Alves de (Presidente)
Affonso, Regina
Galisteo Junior, Andrés Jimenez
Sciani, Juliana Mozer
Spencer, Patrick Jack
Título em português
Caracterização bioquímica preliminar de toxinas do muco de raia de água doce Paratrygon aiereba
Palavras-chave em português
Paratrygon aiereba
caracterização bioquímica
raias
toxinas
Resumo em português
As raias de água doce são peixes peçonhentos que vivem no fundo dos rios, podendo esconder-se em covas rasas que são escavadas em locais arenosos ou lodosos. Estes animais não são agressivos, porém devido a estes hábitos, é grande a possibilidade de acidentes, ocorrendo quando os humanos casualmente pisam na parte dorsal destes animais, os quais utilizam a cauda para se defenderem e desferem ferroadas resultando na penetração do aguilhão no corpo da vítima. Esses acidentes ocorrem principalmente no período de estiagem na região norte do país quando os rios estão mais rasos. São descritos vários casos de acidentes por raias na literatura e os ferimentos provocados pelos ferrões destes animais são dolorosos, de difícil cicatrização, causando necroses extensas e, por vezes, fenômenos sistêmicos. Essas manifestações clínicas estão desencadeadas pela ação das proteínas bioativas presentes na peçonha e no muco. Dentre os três gêneros de raias fluviais, a Paratrygon, mesmo apresentando ampla distribuição geográfica e abundância no rio Tocantins, não tem registro de estudos bioquímicos do material secretado do ferrão do dorso do animal. O presente trabalho tem por objetivo fazer uma caracterização bioquímica de forma preliminar do muco da raia Paratrygon aiereba. Ao comparar as amostras de muco epidérmico e da peçonha da P. aiereba verificaram-se perfis proteicos muito parecidos. Através de eletroforese em gel SDS-PAGE 12% foram identificados no muco, vários componentes com massa molecular variando de 8 a 100 KDa. Através da zimografia, foram visualizadas pelo menos três proteínas com atividades gelatinolítica, e pela primeira vez, atividade caseinolítica foi observada no muco. Os dados mostram atividade importante sobre os fosfolipídios. Um peptídeo com 4.907,8 Da, elevada condutividade e discreta atividade antimicrobiana para a bactéria Gram negativa Micrococus luteus foi isolada com características similares a um peptídeo - β-defensina.Os resultados deste trabalho apontam o potencial tóxico do muco epidérmico de P. aiereba podendo agravar as lesões provocadas pela peçonha do animal.
Título em inglês
Preliminary biochemical characterization of toxins from the mucus of the freshwater stingray Paratrygon aiereba
Palavras-chave em inglês
Paratrygon aiereba
biochemical characterization
stingray
toxin
Resumo em inglês
Freshwater stingrays are venomous fish and live at the bottom of rivers and can be hidden in shallow pits that are excavated in sandy or muddy places. These animals are not aggressive, but because of these habits, the possibility of accidents is great, occurring when humans accidentally step on the dorsal part of these animals, who use the tail to defend themselves and deliver stings resulting in penetration of the sting in the body of the victim. These accidents occur mainly in the dry season in the northern region of the country when the rivers are shallower. Several cases of stinging accidents are described in the literature, and injuries caused by the stings of these animals are painful, difficult to heal, cause extensive necrosis, and sometimes systemic phenomena. These clinical manifestations are triggered by the action of the bioactive proteins present in the venom and mucus. Among the three riverine genera, Paratrygon, although presenting a wide geographic distribution and abundance in the Tocantins river, has no record of biochemical studies of the material secreted from the sting of the animal's back. The present work aims to make a preliminary biochemical characterization of the mucus of the Paratrygon aiereba streak. When comparing the epidermal mucus and P. aiereba venom samples, very similar protein profiles were observed. Through 12% SDS-PAGE gel electrophoresis, several components with molecular mass ranging from 8 to 100 KDa were identified in the mucus. Through the zymography, at least three proteins with gelatinolytic activities were visualized, and for the first time, caseinolytic activity was observed in the mucus. The data show important activity on phospholipids. A peptide with 4.907,8 Da, high conductivity and discrete antimicrobial activity for Gram negative bacteria Micrococus luteus was isolated with characteristics similar to a peptide - β- defensin. The results of this work point out the toxic potential of P. aiereba's epidermal mucus, which can aggravate the lesions caused by the venom of the animal.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2020-02-07
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.