• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Thèse de Doctorat
DOI
Document
Auteur
Nom complet
Karen Roberta Steagall Bigatto
Adresse Mail
Unité de l'USP
Domain de Connaissance
Date de Soutenance
Editeur
São Paulo, 2018
Directeur
Jury
Machado, Ana Lucia (Président)
Campos, Edemilson Antunes de
Colvero, Luciana de Almeida
Feuerwerker, Laura Camargo Macruz
Martines, Wania Regina Veiga
Titre en portugais
Música no cotidiano de cuidados em saúde mental: uma cartografia
Mots-clés en portugais
Cartografia
Cuidado
Música
Saúde Mental
Subjetividade
Resumé en portugais
O objeto desta pesquisa é o cuidado em saúde mental e a produção de subjetividade a partir da utilização da música como dispositivo. O objetivo foi cartografar a presença da música no contexto de cuidados em saúde mental em um Centro de Atenção Psicossocial (Caps). O campo de produção de dados foi o Caps Perdizes e os sujeitos foram os participantes do grupo Música-Laboratório, que acontece nesse serviço. O cuidado é entendido como real e significativo quando o sujeito é o foco, e não a doença. Ressalta-se a importância em ressignificar conceitos e entendimentos acerca da loucura, do louco, da doença e do cuidado, a partir dos pressupostos da Reforma Psiquiátrica e a consequente transição de paradigmas de cuidado do biomédico para o psicossocial. O cuidado em saúde mental pede ferramentas e dispositivos que produzam deslocamento no sentido da criação de territórios existenciais de vida e trocas. A música apresenta-se como possibilidade de atuar nesse sentido. Nota-se a música como elemento presente no contexto da saúde mental. Questiona-se acerca de sua potência como produtora de cuidado e subjetividade, e de permear e facilitar esses processos. As discussões e a sustentação teórica desta pesquisa partem do referencial teórico da Esquizoanálise. Metodologicamente, esta pesquisa foi desenvolvida a partir da cartografia. A cartografia pressupõe a construção de mapas decorrentes da imersão do pesquisador na realidade estudada, do contato direto com o objeto, em conjunto com os sujeitos. Optou-se pelos dispositivos de observação-participante com diário de campo e entrevistas semiabertas para a produção dos dados. A observaçãoparticipante deu-se pela inserção da pesquisadora no grupo Música-Laboratório. O diário de campo configurou-se como dispositivo de suporte à observaçãoparticipante. Nele, foram registradas sensações, inspirações e pistas sobre o cuidado e a subjetividade que ocorreram à pesquisadora. As entrevistas foram realizadas com seis membros do grupo que aceitaram participar, e proporcionaram o acesso a outros planos da experiência; provocaram o deslocamento de sentidos e a produção de conhecimento novo. A partir dos dados produzidos, foram construídos sete mapas: imersão, ensaio, arranjos possíveis, lá fora é sério!, linhas de musicalidade, música na composição de linhas de fuga e sonoridades e dissonâncias. Os resultados desta pesquisa apontam para a música como potente dispositivo para produção de cuidado e subjetividade, através da produção de afeto, aumento da potência, da possibilidade de produção do novo e da geração de linhas de fuga. Além disso, aposta-se na música como ferramenta para o estabelecimento de um diálogo permanente entre o campo da saúde mental e a sociedade.
Titre en anglais
Music in mental health care: a cartography
Mots-clés en anglais
Care
Cartography
Mental Health
Music
Subjectivity
Resumé en anglais
The object of this research is the mental health care and the production of subjectivity through the use of music as a device. The objective was to map the presence of music in the context of mental health care in a Psychosocial Attention Center (Caps), in Sao Paulo, Brazil. The field of data production was Caps Perdizes. The subjects were the participants of the Music-Laboratory group, which happens in this service. Care is understood as being real and meaningful when its focus is the subject, not the disease. It is important to re-signify concepts and understandings about madness, insanity, disease and care, based on the presuppositions of the Psychiatric Reform and the consequent transition from care paradigms, from biomedical to psychosocial. Mental health care calls for tools and devices that produce displacement, in the sense of the creation of existential territories of life and exchanges. Music presents itself as a possibility to act in this direction. Music is seen as an element present in the context of mental health. The question is asked whether its power is as a producer of care and subjectivity, or as permeating and facilitating these processes. The discussions and theoretical support of this research depart from the theoretical framework of Schizoanalysis. Methodologically, this research was developed as a cartography. The cartography presupposes the construction of "maps", from the immersion of the researcher in the studied reality, from the direct contact with the object, together with the subjects. For data production, we chose the observation-participation strategy, with field diary, and semi-opened interviews. The observation-participation was due to the insertion of the researcher in the group Music-Laboratory. The field diary was configured as a support device. In it, were registered the sensations, inspirations and clues about care and subjectivity, which occurred to the researcher. The interviews were conducted with six members of the group, who agreed to participate. They provided access to other planes of the experiences, causing the displacement of senses and the production of new knowledge. From the data produced, seven maps were constructed: "immersion", "rehearsal", "possible arrangements", "out there it is serious!, "musicality lines, music producing escaping lines and "sonorities and dissonances". The results of this research point out to music as a powerful device for the production of care and subjectivity, through the production of affection, increase of power, possibility of production of the new and generation of escape lines. In addition, music is used as a tool to establish a permanent dialogue between the field of mental health and society.
 
AVERTISSEMENT - Regarde ce document est soumise à votre acceptation des conditions d'utilisation suivantes:
Ce document est uniquement à des fins privées pour la recherche et l'enseignement. Reproduction à des fins commerciales est interdite. Cette droits couvrent l'ensemble des données sur ce document ainsi que son contenu. Toute utilisation ou de copie de ce document, en totalité ou en partie, doit inclure le nom de l'auteur.
Karen_Bigatto.pdf (2.55 Mbytes)
Date de Publication
2019-12-02
 
AVERTISSEMENT: Apprenez ce que sont des œvres dérivées cliquant ici.
Tous droits de la thèse/dissertation appartiennent aux auteurs
CeTI-SC/STI
Bibliothèque Numérique de Thèses et Mémoires de l'USP. Copyright © 2001-2021. Tous droits réservés.