• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.8.2014.tde-01102014-150424
Documento
Autor
Nome completo
Moizeis Sobreira de Sousa
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2014
Orientador
Banca examinadora
Oliveira, Paulo Fernando da Motta de (Presidente)
Abreu, Márcia Azevedo de
Cruz, Carlos Eduardo Soares da
Silva, Fabio Mario da
Silva, Rejane Vecchia da Rocha e
Título em português
As fontes setecentistas do romance português
Palavras-chave em português
Camilo Castelo Branco
Romance
Século XIX
Século XVIII
Resumo em português
O romance tem sido perpassado e indelevelmente marcado pelo signo da instabilidade, traço que se estende do arcabouço teórico ao engendramento e manifestação dessa forma. Não obstante essa compleição móvel, a crítica e historiografia literárias têm sedimentado o equívoco de totalizar o romance realista, mais especificamente aquele fixado na França e Inglaterra entre os séculos XVIII e XIX, como modelo acabado. No âmbito do espaço cultural português, essa abordagem tem gerado inúmeros equívocos, já que a história do romance não se processa no lado oeste da Península Ibérica como na Inglaterra, onde o surgimento de estruturas sociais tributárias do individualismo, o capitalismo industrial e a ética protestante repercutem na forma como os suportes ficcionais são forjados. Também não se desenrola tal como na França, onde os processos históricos resultantes da Revolução Francesa consolidam o estiolamento do Ancien Régime e fomentam as bases de uma matriz cultural calcada na mundividência burguês-liberal. A aplicação dessa abordagem impossibilita considerar as questões específicas e os caracteres que o romance adquire no processo de elaboração estética das contingências inerentes ao espaço cultural lusitano. Além disso, traz como consequência ignorar a produção romancística portuguesa do século XVIII, tida como inexistente, uma vez que não corresponde ao modelo referido. Essa ideia, no entanto, revela-se sem fundamento. Não só existem romancistas portugueses nesse período, como eles exercem influências sobre os escritores conterrâneos que se ocupam dessa forma no século XIX, como comprovam diversos romances de Camilo Castelo Branco, responsáveis pela recuperação de diversas narrativas pátrias setecentistas
Título em inglês
The eighteenth-century Portuguese novel foundations
Palavras-chave em inglês
Camilo Castelo Branco
Novel
XIX Century
XVIII Century
Resumo em inglês
The novel has been passed by and indelibly marked by the sign of instability, which is an aspect that extends from its theoretical frame to the begetting and manifestation of this aesthetic form. Despite this moving complexion, literary and historiographic criticisms have established the misconception of totalizing the realist novel as a finished model, more specifically the production set in France and England between the eighteenth and nineteenth centuries. Taking into account the Portuguese cultural scenery, this generalist approach has generated numerous biases, since the story of the novel does not take place on the west side of the Iberian Peninsula as in England, where the rise of social structures based on individualism, industrial capitalism and the Protestant ethic resonate in how fictional forms are forged. Nor unfolds as seen in France, where historical processes resulting from the French Revolution consolidate the shading of the Ancien Régime and underpin the foundations of a cultural matrix grounded in the bourgeois-liberal worldview. The use of this generalist approach makes it impossible to consider the specific issues and elements the novel acquires during the elaboration of its aesthetic contingencies which were inherent in the Lusitanian cultural process space. Moreover, as a result it ignores the Portuguese romancistic production of the eighteenth century, presupposed as non-existent, since the model does not match the generalist model. This idea, however, proves to be unfounded. Not only are there Portuguese novelists in this period, as they exert influences on fellow writers who deal in this way in the nineteenth century. This is evidenced in several novels written by Camilo Castelo Branco, who is responsible for the recovery of several eighteenth-century homeland narratives
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2014-10-01
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.