• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.8.2013.tde-13092013-121329
Documento
Autor
Nome completo
Gustavo Massami Nomura
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2013
Orientador
Banca examinadora
Amado, Rosane de Sa (Presidente)
Ferreira, Rogerio Vicente
Svartman, Flaviane Romani Fernandes
Título em português
Análise da pronúncia de aprendizes japoneses no Brasil: produção das estruturas silábicas CVC e CCV
Palavras-chave em português
Análise de erros
Aquisição/aprendizagem de segunda língua (L2)
Fonologia
Língua japonesa
Português como segunda língua (PL2)
Resumo em português
Apesar de o Brasil ser o país com a maior comunidade japonesa fora do Japão, ainda há poucos estudos sobre a aquisição e aprendizagem do português por falantes japoneses. Partindo da descrição do sistema silábico da língua portuguesa (CÂMARA JR., 1970; FERREIRA NETTO, 2001; CRISTÓFARO SILVA, 2009; CAGLIARI, 2007; CAVALIERE, 2005) e da língua japonesa (SHIBATANI, 1987; ITÔ, 1986; McCAWLEY, 1968; HINDS, 1986), pretende-se observar por meio da Análise de Erros (CORDER, 1967) quais as estratégias utilizadas por falantes japoneses em processo de aprendizagem da língua portuguesa para pronunciar duas estruturas silábicas que não existem em sua língua materna: sílabas CVC terminadas em /r/ ou /s/, e sílabas com mais de uma consoante pré-vocálica do tipo CCV, com /r/ ou /l/ ocupando a segunda posição de ataque. A partir dessa observação, busca-se determinar quais dessas estruturas representam maior dificuldade para o aprendiz japonês. Para a composição do corpus, foram criados dezenove nomes fictícios com as estruturas silábicas em questão e sete informantes foram gravados. Ainda que não tenha sido uma pesquisa quantitativa, por meio da comparação dos resultados foi possível verificar a maior facilidade de produzir sílabas CVC em relação às CCV e, para a maioria, o número de acertos foi maior com a consoante /s/ em posição de coda e /r/ na segunda posição de ataque complexo. Quanto à estratégia utilizada, o uso de inserção vocálica foi maior que o de apagamento, exceto quando /r/ ocupa a posição de coda. A pesquisa mostrou que a dificuldade maior ou menor do aprendiz pode ser entendida a partir de processos fonológicos que acontecem na L1, no caso a língua japonesa.
Título em inglês
Analysis of the pronunciation of Japanese learners in Brazil: production of syllable structures CVC and CCV
Palavras-chave em inglês
Error analysis
Japanese language
Phonology
Portuguese as a second language (PSL)
Second language acquisition (SLA)
Resumo em inglês
Although Brazil is the country with the largest Japanese community outside Japan, there are few studies about Portuguese acquisition and learning by Japanese speakers. Based on the description of the syllabic system of the Portuguese language (CÂMARA JR., 1970; FERREIRA NETTO, 2001; CRISTÓFARO SILVA, 2009; CAGLIARI, 2007; CAVALIERE, 2005) and of the Japanese language (SHIBATANI, 1987; ITÔ, 1986; McCAWLEY, 1968; HINDS, 1986), we intend to observe through Error Analysis (CORDER, 1967) the strategies used by Japanese learners of Portuguese to pronounce two syllable structures that do not exist in their native language: CVC syllables closed by /r/ or /s/ and CCV syllables with /r/ or /l/ in the second onset position. From this observation, we seek to determine which of these structures represents more difficulty for Japanese learners. To compose the corpus, nineteen fictitious names with the syllabic structure in question were created and seven informants were recorded. Although it has not been a quantitative research, by comparing the results we could verify that it was easier to produce CVC syllables than CCV ones. In addition, for most of the informants, the number of correct production was higher with the consonant /s/ in coda position and /r/ in the second onset position. For the strategy used, the use of vowel insertion was higher than deletion, except when /r/ occupies the coda position. Research has shown that the greater or lesser difficulty of the learner can be understood from phonological processes that occur in L1, in this case the Japanese language.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2013-09-13
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.