• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
https://doi.org/10.11606/T.8.2020.tde-17072020-120538
Documento
Autor
Nome completo
Lucas Takeo Shimoda
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2020
Orientador
Banca examinadora
Tatit, Luiz Augusto de Moraes (Presidente)
Coelho, Márcio Luíz Gusmão
Lemos, Carolina Lindenberg
Lopes, Ivã Carlos
Título em português
Por um estudo semiótico do timbre na fala, na canção e na música
Palavras-chave em português
Canção
Enunciação
Semiótica
Timbre
Voz
Resumo em português
O presente trabalho tem por objetivo primário compreender os mecanismos de significação e as estratégias discursivas subjacentes à seleção e à combinação de timbres em discursos verbais, musicais e cancionais. Para dar conta da diversidade de manifestações do timbre, foi empregado o aparato teórico da semiótica discursiva conforme desenvolvido por Greimas (1976 [1966], 1975b, 1983b); Greimas & Courtés (1986, 2012 [1979]), expandido por Zilberberg (1991, 2004, 2006a, 2011a,b); Fontanille & Zilberberg (2001), bem como seus desenvolvimentos aplicados à canção popular por Tatit (1986, 1997, 2004b, 2014, 2016). Uma revisão crítica da literatura da área revelou que a seleção de timbres em textos cancionais está estreitamente relacionada à sua função de remissão à fonte sonora, notadamente o intérprete no caso da canção popular e o instrumento no caso do arranjo e da música instrumental. Para descrever esse fenômeno, o conceito semiótico de figuratividade e de densidade sêmica foi empregado na elaboração de uma escala contínua de especificidade partindo do mais genérico ao mais específico. Essa escala gradual pode ser segmentada em três grandes regiões, a saber, um grau mínimo, um grau intermediário e um grau máximo de especificação. No nível mínimo de densidade figurativa, o timbre é inespecífico e só permite o reconhecimento de qualidades abstratas, manifestas na forma de adjetivos sinestésicos que traduzem verbalmente a morfologia temporal do envelope sonoro. No grau intermediário, encontram-se as descrições e categorizações de timbres em famílias. As fronteiras entre essas famílias podem ser melhor delineadas verificando sua (in)compatibilidade intertimbrística mútua, semioticamente traduzíveis em termos de triagens e misturas (Zilberberg, 2004), conforme manifestadas pelas técnicas de orquestração e arranjo. No último grau de densidade semântica, encontram-se os timbres atribuídos a entidades únicas e exclusivas no mundo natural. Frequentemente, esses timbres são designados por antropônimos. O exame de objetos empíricos revelou que timbres com alta densidade figurativa assumem a propriedade de ativar operações enunciativas concorrentes e paralelas àquelas desencadeadas pelo aparelho formal da enunciação (Benveniste, 2006 [1974]). Nesse cenário, o timbre impõe coerções combinatórias fortes a seu respectivo substrato linguístico-musical, dado que a troca de revestimento timbrístico pode neutralizar ou contradizer o efeito de autenticidade gerado pela ilusão enunciativa (Tatit, 2016). Os resultados das análises evidenciam que, apesar do amplo espectro de variabilidade, as possibilidades de seleção e combinação de timbres não são irrestritas. Os dados permitem concluir que timbres genéricos (i.e. figurativamente rarefeitos) se comportam como variantes e podem ser livremente substituídos, ao passo que timbres específicos tendem a se comportar como invariantes e efetuar comutação, na acepção glossemática destes termos (Hjelmslev, 2006 [1943]). Esses achados relativizam a premissa, detectada no levantamento bibliográfico, de que o timbre é uma variável livremente substituível em textos verbais orais, musicais e cancionais.
Título em inglês
Towards a semiotic study of timbre in speech, song and music
Palavras-chave em inglês
Enonciation
Semiotics
Song
Tone-colour
Voice
Resumo em inglês
This work aims to describe the meaning mechanisms and discursive strategies underlying the selection and combination of timbres in speech, music and song. In order to take account of this variety of manifestations of timbre, the theoretical framework of semiotics was employed as developed by Greimas (1976 [1966], 1975b, 1983b); Greimas & Courtés (1986, 2012 [1979]), expanded by Zilberberg (1991, 2004, 2006a, 2011a,b); Fontanille & Zilberberg (2001), as well as its applications to the Brazilian popular song as proposed by Tatit (1986, 1997, 2004b, 2014, 2016). A critical literature review has disclosed that timbre selection in songs is closely related to its function of indexing the sound source, namely the singer in the popular song and the musical instrument in arrangements and instrumental music. In order to describe this phenomenon, the semiotic concepts of figurativity and semic density were applied in the construction of a scale of specicity spanning the whole timbre continuum from the most generic to the unique ones. This gradual scale can be divided into three great zones corresponding to a minimum, an intermediate and a maximal degree of specication. At the minimal level of density, timbre is unspecific and only allows the recognition of abstract qualities, manifested as synesthetic adjectives which translate verbally the temporal morphology of sound envelope. At the intermediate level, there are timbre categorizations into classes and/or families. The boundaries of such groupings can be better described by testing its mutual compabilities, which can be rendered in terms of the semiotic operations of blending (mélange) and sorting out (tri ) (Zilberberg, 2004), as manifested by arrangement and orchestration techniques. At the maximal level of density, there are timbres related to unique and exclusive entities. These timbres are often labeled with anthroponyms. The analysis of empirical objects has shown that highly dense timbres trigger enunciative operations similar to those triggered by the formal apparatus of enunciation (Benveniste, 2006 [1974]). In this scenario, timbre does impose strong selection constraints onto its linguistic-melodic substrate, given that a swap of the timbre overlay can neutralize or even make null the authenticity eect generated by the enunciative illusion (Tatit, 2016). The results of the analyses show that, despite its wide variability range, the possible selection and combination of timbres are not unrestricted. The analysed data allow us to conclude that generic timbres (i.e. with low figurative density) behave as variants and can be freely swapped, while specic timbres (i.e. with high figurative density) behave as invariants and trigger an operation of commutation, in the glossematic meaning of these terms (Hjelmslev, 2006 [1943]). These findings relativize the assumption, detected in the literature review, that timbre is a variable freely chosen and combined in speech, popular song and music.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2020-07-17
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.