• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
https://doi.org/10.11606/T.8.2020.tde-08062020-205446
Documento
Autor
Nome completo
Wendel Silva dos Santos
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2020
Orientador
Banca examinadora
Mendes, Ronald Beline (Presidente)
Berlinck, Rosane de Andrade
Negrão, Esmeralda Vailati
Oushiro, Livia
Título em português
Percepções sociolinguísticas acerca da variação  subjuntivo/indicativo em São Luís e São Paulo
Palavras-chave em português
Indicativo
Percepção sociolinguística
São Luís
São Paulo
Subjuntivo
Resumo em português
Esta tese investiga os efeitos da morfologia do subjuntivo e do indicativo na percepção de quão competentes, sérios, formais e antipáticos soam ludovicenses e paulistanos. Para esses últimos, interessa também verificar se o modo verbal tem efeito em quão paulistanos eles soam, de acordo com ouvintes tanto de São Luís quanto de São Paulo. Considerando-se que, comparativamente a variáveis fonéticas, variáveis gramaticais (i) têm recebido menos atenção nos estudos de percepção e (ii) estariam menos disponíveis para avaliação social, (Labov, 1993; Labov et al, 2011), o interesse central desta tese é acessar os significados sociais (Eckert, 2012) que se associam aos modos subjuntivo e indicativo. Para tanto, lança mão dos pressupostos teóricos da Sociolinguística Variacionista (Labov, 2006[1966]; 2001; 2008[1972]; Eckert, 2008; 2012). Empiricamente, justifica-se com base em afirmações populares: "paulistanos não usam o subjuntivo" e "a variedade ludovicense é a melhor do português brasileiro". Os estímulos (enunciados por 4 falantes dois ludovicenses e dois paulistanos) foram organizados de acordo com a técnica dos estímulos pareados (Lambert et al, 1960; Campbell-Kibler, 2006; 2009) e constituem- se de orações subordinadas no modo indicativo ou subjuntivo: adverbiais com embora ou talvez (como em "embora estivesse/estava aqui, a oportunidade foi dada a outro candidato" e "talvez estivesse/estava no tempo de perguntar aos funcionários sobre sua satisfação no trabalho") e substantivas introduzidas por querer ou acreditar (a exemplo de "o chefe quer que a secretária permaneça/permanece na reunião" e "ele acredita que todos façam/fazem a sua parte"). Embora e talvez foram os subordinadores mais recorrentes na amostra de fala paulistana e ludovicense analisada por Santos (2015). Além disso, sentenças com o verbo querer são as que mais aparecem nos metacomentários de que paulistanos estariam deixando de empregar o subjuntivo. O uso de acreditar nos estímulos se justifica pelo fato de que não há consenso sobre se esse verbo se complementa com a morfologia do subjuntivo ou do indicativo. Os resultados das análises de regressão linear (R Core Team, 2019) mostram que os falantes foram percebidos como mais competentes quando ouvidos nos seus disfarces com formas subjuntivas, tanto por ouvintes paulistanos quanto ludovicenses. Os falantes ludovicenses foram percebidos como mais sérios e formais do que os paulistanos. Os falantes também foram, no geral, percebidos como mais antipáticos no subjuntivo. No que toca a paulistanidade, Os falantes paulistanos foram ouvidos como mais paulistanos, no subjuntivo, pelos ouvintes ludovicenses o que se pode explicar pela percepção de que paulistanos têm mais acesso a bens de cultura que pessoas de outras regiões do país; porém, esses mesmos falantes foram avaliados, pelos ouvintes paulistanos, como pessoas que soam mais paulistanas no indicativo, o que sugere que esses ouvintes se reconhecem no uso desse modo verbal, embora não apresentem comentários metalinguísticos nesse sentido. Por fim, os falantes foram avaliados pelos paulistanos como pessoas que têm nível superior, independentemente do disfarce (subjuntivo ou indicativo); por outro lado, pelos ouvintes ludovicenses eles foram avaliados (i) como pessoas de escolaridade mediana, quando ouvidos em seus disfarces com o indicativo. Esses resultados sugerem que a percepção dessas formas é socialmente estratificada em São Luís, mas não em São Paulo. Ao mostrar que formas subjuntivas e indicativas têm efeito em como são percebidos falantes de São Luís e de São Paulo (ou seja, ao mostrar que há diferenças na significação social dessas formas nessas duas comunidades), essa tese amplia o ainda restrito conjunto de pesquisas que busca acessar os significados sociais de variáveis gramaticais.
Título em inglês
Sociolinguistic perceptions about the subjunctive/indicative variation in São Luís and São Paulo
Palavras-chave em inglês
Indicative
São Luís
São Paulo
Sociolinguistic perception
Subjunctive
Resumo em inglês
This Ph.D. dissertation investigates the effects of subjunctive and indicative verbal forms in the perception of how competent, serious, formal and stand-offish speakers from São Luís (Ludovicenses) and São Paulo (Paulistanos) sound. For the latter, this study also explores whether verbal mood has an effect on how Paulistano they sound, according to listeners both from São Luís and São Paulo. Considering that, in comparison to phonetic variables, grammatical variables (i) have received less attention in perception studies, and (ii) are less available for social evaluation (Labov, 1993; Labov et al, 2011), the main interest of this dissertation is to access the social meanings (Eckert, 2012) linked to subjunctive and indicative forms. The theoretical framework is defined by variationist sociolinguistics (Labov, 2006[1966]; 2001; 2008[1972]; Eckert, 2008; 2012). Empirically, this study is based on the popular notions that "Paulistanos do not use subjunctive" and that "the Ludovicense variety of Portuguese is the best in Brazil". The audio stimuli, enunciated by 4 speakers two from São Luís (SL) and two from São Paulo (SP) were organized according to the matched-guise technique (Lambert et al, 1960; Campbell-Kibler, 2006; 2009) and are constituted of subordinate clauses in the indicative or subjunctive: adverbial clauses with embora 'although' ou talvez 'maybe', and noun clauses introduced by querer 'want' or acreditar 'believe'. Embora 'although' and talvez 'maybe' are the most productive adverbial subordinators in the Paulistano production sample analyzed by Santos (2015). In addition, noun clauses that complement querer 'want' are the most frequently mentioned in metacommentary about how Paulistanos have stopped using subjunctive forms. As for acreditar 'believe', its use in the stimuli is of interest because there is no consensus about whether this verb should be complemented with clauses in the subjunctive or the indicative mood. Results from linear regressions (R Core Team, 2019) show that the speakers were all perceived as more competent-sounding when listened to in their subjunctive guises both by SL- and SP-listeners. SL-speakers were perceived as more serious and formal than SP-speakers in their subjunctive-guises. In general, speakers were also perceived as more stand-offish in their subjunctive guises. As for Paulistanity (the quality of sounding Paulistano), SP-speaker were perceived as more Paulistano- sounding in their subjunctive guises by SL-listeners which can be explained by a general view that Paulistanos have ready access to cultural goods, more so than people in other regions of Brazil. However, for SP- listeners, SP-speakers sound more Paulistano in their indicative guises, a finding that suggests that these listeners recognize themselves in the use of such verbal mood (even though they do not develop metacommentary about that). Finally, SP-listeners evaluated all four speakers as college-level (regardless of the guises), while SL-listeners rated the speakers as (i) high-school-level in their indicative guises and (ii) college-level in their subjunctive guises. These results suggest that the perception associated to these verb forms are socially stratified in SL, but not in SP. In showing that subjunctive and indicative forms have an effect in how speakers from both SL and SP are perceived (that is, in showing that there are differences in the social meanings linked to these forms in these communities), this Ph.D. dissertation broadens the still small set of research initiatives dedicated to the social meanings of grammatical variables).
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2020-06-11
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.