• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.8.2015.tde-17112015-122106
Documento
Autor
Nome completo
Rodrigo da Cunha Pacheco
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Abreu, Adilson Avansi de (Presidente)
Conti, Jose Bueno
Luvizotto, Rodrigo
Martins, Elvio Rodrigues
Vitte, Antonio Carlos
Título em português
Kant e os fundamentos epistemológicos da teoria geográfica da paisagem: possibilidades e limitações
Palavras-chave em português
Epistemologia
Geografia física
Kant
Teoria geográfica da paisagem
Resumo em português
Esta pesquisa busca analisar a filosofia crítica kantiana com dois objetivos básicos: identificar sua articulação com a visão de geografia promovida por Kant através do seu curso de geografia física e determinar os aspectos positivos e negativos que ela oferece para a fundamentação epistemológica do atual paradigma geográfico da paisagem. A hipótese inicial foi que a filosofia crítica poderia embasar a discussão a respeito da fundamentação epistemológica de uma teoria geográfica da paisagem. Ela encontrou que o filósofo teve um intenso relacionamento com o conhecimento geográfico do seu tempo, o qual contribuiu para a formulação de sua filosofia crítica, já que forneceu a fundamentação empírica para suas reflexões. O debate filosófico intenso que Kant provocou, todavia, não se repetiu no campo geográfico. Sua leitura geográfica da paisagem procurava relacionar os elementos no espaço, como as características dos habitantes e seus climas. Não obstante, ela era cheia de limitações devido a sua preferência por uma abordagem universalista e normativa das sociedades, como os pesquisadores fazem no campo das ciências naturais. Sua concepção histórica da sociedade não era suficiente. Esta pesquisa defende que o resultado do método de abordagem geográfica de Kant era falho em alguns aspectos. Ele ignorava o contexto histórico no qual as pessoas viviam e fornecia uma educação geográfica falha, a qual promovia certo determinismo e intolerância racial, como seu curso de geografia física e outros trabalhos indicam. O filósofo reservou um lugar para a geografia em sua arquitetônica do conhecimento, mas não procurou desenvolvê-la ao nível científico. Apesar disso, sua filosofia influenciou outros personagens que viriam a contribuir ativamente para o desenvolvimento da geografia científica e a formação do paradigma geográfico da paisagem. É importante perceber que sua filosofia crítica tem importantes reflexões sobre as características do conhecimento científico e a posição do homem na natureza. Essas questões são relevantes para auxiliar na análise epistemológica da geografia. Este trabalho demonstra ainda que a filosofia crítica kantiana pode contribuir mesmo atualmente para o desenvolvimento do paradigma geográfico da paisagem em seu campo epistemológico, não obstante as limitações do filósofo como um geógrafo (ou mesmo como um cientista social). Esta contribuição pode ser positiva (pela apropriação de alguns raciocínios por ela oferecidos) e negativa (encontrando seus erros e buscando superá-los).
Título em inglês
Kant and the epistemological foundations of the geographical landscape theory: possibilities and limitations
Palavras-chave em inglês
Epistemology
Geographical landscape theory
Kant
Physical geography
Resumo em inglês
This research seeks to analyze the Kantian critical philosophy with two basic aims: to identify its articulation with the view of geography Kant promoted through his course of physical geography and to determine the positive and negative aspects it offers to the epistemological foundation of the current geographical landscape paradigm. The initial hypothesis was that the critical philosophy could base the discussion about the epistemological foundation of a geographical landscape theory. It found that the philosopher had an intense relationship with the geographical knowledge of his time, which contributed to the formulation of his critical philosophy, since it provided empirical foundation for his reflections. The intense philosophical debate Kant provoked, however, did not repeat in the geographical realm. His geographical reading of landscape sought to relate elements on the space like the characteristics of the inhabitants and their climates. Nevertheless, it was also full of limitations due to his preference for a Universalist and normative approach of societies, as researchers do in the field of natural sciences. His historical conception of society was not enough. This research defends that the result of Kant´s geographical method of approach was defective in some aspects. It ignored the historical context that people lived and provided a flawed geographical education, which promoted even certain determinism and racial intolerance, as his course of physical geography and other work sindicate. The philosopher reserved a place for geography in his architectonic of knowledge, but did not seek to develop it to the scientific level. Nonetheless, his philosophy influenced other characters that would actively contribute to the development of scientific geography and with the formation of the geographical landscape paradigm. It is important to realize that his critical philosophy has important reflections about the characteristics of the scientific knowledge and the position of man in nature. These issues are relevant to assist in the epistemological analysis of geography. This work still demonstrates that the Kantian critical philosophy can contribute even today to the development of the geographical landscape paradigm in its epistemological field, despite the limitations of the philosopher as a geographer (or even as a social scientist). This contribution can be positive (by the appropriation of some reasoningsit offers), and negative (finding its mistakes and searching to overcomethem).
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-11-17
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.