• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.7.2013.tde-11092013-140356
Documento
Autor
Nome completo
Francine Fernandes Pires Mekitarian
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2013
Orientador
Banca examinadora
Angelo, Margareth (Presidente)
Gomes, Alda Valeria Neves Soares
Mandetta, Myriam Aparecida
Título em português
A presença da família em sala de emergência pediátrica: crenças dos pais e dos profissionais de saúde
Palavras-chave em português
Enfermagem
Enfermagem da família
Enfermagem Pediátrica
Relações profissional-paciente
Serviços médicos de emergência
Resumo em português
A presença da família durante a realização de procedimentos invasivos e/ou da reanimação cardiopulmonar em pediatria é um tema presente nos debates desencadeados pela literatura nos últimos anos. Atualmente essa é uma prática determinada pelas atitudes dos profissionais em permitir que a família esteja presente nesses momentos. É fundamental conhecer o significado que a própria família atribui ao fato de permanecer ou não no atendimento de emergência. Os objetivos deste estudo foram: conhecer a experiência e as crenças das famílias a respeito de sua permanência na sala durante o atendimento de emergência à criança e identificar as percepções e as crenças de profissionais de saúde em relação a presença da família durante o atendimento de emergência. Método: Trata-se de estudo exploratório, com abordagens quantitativa e qualitativa. A amostra foi constituída por 46 profissionais de saúde de um serviço de emergência pediátrica de um Hospital Universitário de São Paulo e 6 famílias de crianças atendidas na sala de emergência do mesmo serviço. Para a identificação da percepção e crenças dos profissionais foi utilizado um questionário semi-estruturado de auto-preenchimento e a análise foi realizada segundo os parâmetros da estatística descritiva. Com as famílias foi utilizada a investigação narrativa e os dados obtidos foram analisados buscando identificar temas principais. Resultados: Os profissionais de saúde possuem dois tipos de crenças relacionadas à experiência: (1) crenças que apoiam a presença da família a família observa os esforços realizados para salvar a vida da criança; a família fornece informações importantes; a família possibilita que a criança fique mais colaborativa; a família não interfere no atendimento; dar tranquilidade à família; é um direito da família; o lugar dos pais é do lado do filho; e a família dá conforto à criança e (2) crenças que restringem a presença da família a família interfere na atuação dos profissionais; não ter tempo para dar atenção à família; a família restringe o ensino aos estudantes; um profissional deve ficar junto com a família; gera memórias negativas do atendimento; e a família interfere no atendimento. A experiência das famílias foi organizada em cinco temas: a iminência de morte do filho; meu lugar é do lado do meu filho; ser reconhecido como importante; eu sei o que é melhor para mim; se eu tiver que passar por isso que seja assim. Os temas revelam a vulnerabilidade da família e a necessidade de estar presente e fazer escolhas na situação de atendimento de emergência do filho. Conclusões: O estudo revelou que tanto as famílias quanto os profissionais de saúde tem a necessidade de dar um sentido às experiências que vivem frente ao atendimento de emergência da criança. Para que se possa prestar uma assistência pautada no modelo do Cuidado Centrado na Família, é necessário que os profissionais de saúde compreendam as crenças de cada membro da família e possam reconhecer as suas próprias crenças, modificando-as quando não cooperam para as necessidades das famílias e para um relacionamento entre a família e os profissionais baseado no respeito, parceira e colaboração.
Título em inglês
Family presence in emergency room pediatric beliefs of parents and health professionals.
Palavras-chave em inglês
Emergency Medical Services
Family Nursing
Nursing
Pediatric Nursing
Professional-Family Relations
Resumo em inglês
Family presence during invasive procedures and/or cardiopulmonary resuscitation in children is a recent and increasingly important issue in health practice. Currently it is determined by the attitudes of professionals to allow or not the family to be present in those moments. It is essential to understand the meaning of staying or not in emergency care for the family. The objectives of this study were to understand the experience and beliefs of families regarding their stay in the emergency room during care to children and to identify the perceptions and beliefs of health professionals regarding this family presence. Methods: This is an exploratory study with quantitative and qualitative approaches. Sample size was 46 health professionals from a pediatric emergency department of a university hospital in Sao Paulo and 6 families of children treated in the emergency room of the same service. To identify the perception of professionals was used a semi-structured self-completion questionnaire and analysis was performed according to the parameters of descriptive statistics. Narrative inquiry was used with families, the data obtained from interviews were analyzed in order to identify key themes in the narratives constructed. Results: Health professionals have two types of beliefs related to the experience: (1) beliefs that support family presence - efforts to save the child's life, provide important information, child becomes more collaborative, family does not interfere in attendance, allows tranquility to the family, is a family right, the place of a parent is the child's hand and comfort for the child and (2) beliefs that restrict the presence of the family - family interferes with the performance of professional; there is no time to give attention to the family; restricts students knowledge, a professional should be together with family, negative memories of care and family interferes in attendance. The experience of families was organized into five themes: the imminent death of his son, and my place is beside my son, be recognized as important, I know what's best for me if I have to go through it to be so . The themes reveal the vulnerability of the family and the need to be present and make choices in situations of emergency care of the child. Conclusions: The study revealed that both families and health professionals have the need to give meaning to experiences that live across the emergency care of the child. This sense can come to the fore through the stories told about these experiences: narratives of illness. To be able to provide assistance based on the model of the Family Centered Care, it is necessary that health professionals understand the beliefs of each family member and can recognize their own beliefs, modifying them when they do not cooperate in the choice of the family and a relationship between the family and professionals based on respect, partnership and collaboration.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2013-10-08
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.