• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.7.2011.tde-01062011-104341
Documento
Autor
Nome completo
Carla Maria Maluf Ferrari
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2011
Orientador
Banca examinadora
Sousa, Regina Marcia Cardoso de (Presidente)
Castro, Luiz Henrique Martins
Jorge, Carmen Lisa
Pierin, Angela Maria Geraldo
Valerio, Rosa Maria Figueiredo
Título em português
Adesão ao tratamento e qualidade de vida de indivíduos com epilepsia em tratamento ambulatorial
Palavras-chave em português
adesão ao tratamento medicamentoso
assistência ambulatorial
complexidade
epilepsia
qualidade de vida
terapêutica
Resumo em português
Os objetivos deste estudo foram explicitar a complexidade do tratamento medicamentoso, a adesão ao tratamento e a qualidade de vida de indivíduos com epilepsia, além de evidenciar as associações da adesão e qualidade de vida com as características do paciente, doença, terapêutica e suporte social. Foi realizado estudo prospectivo, transversal, com indivíduos com epilepsia em assistência ambulatórial. A casuística foi de 385 pacientes, idade de 18 anos ou mais, alfabetizados, independentes nas atividades da vida diária, sem deficiência mental ou alteração psíquica ativa diagnosticada. A adesão ao tratamento foi avaliada com o teste de Morisky e a qualidade de vida pelo Quality of Life in Epilepsy Inventory-31 (QOLIE-31). Em uma primeira etapa foram realizados testes de associação entre as variáveis dependentes e cada variável independente isoladamente. Após, a análise conjunta das variáveis foi feita por meio de regressão logística quando a variável resposta foi adesão e por meio de regressão linear múltipla para qualidade de vida. A idade média dos participantes foi de 39,7 anos (dp=12,6), a maioria do sexo feminino (53,5%), com diagnóstico de epilepsia focal sintomática (79,5%), em uso de politerapia (71,1%), apresentando crises nos últimos seis meses que precederam a investigação (79%) e tempo médio de tratamento de 21,5 anos (dp= 13,2). A complexidade terapêutica do tratamento medicamentoso para epilepsia mensurada pelo Índice de Complexidade do Tratamento Medicamentoso em Epilepsia (ICTME) variou de 2,0 a 44 pontos e a média foi de 14,7 (dp=8,0). A adesão ao tratamento foi alta para 33,8% dos participantes deste estudo, média para 60,5% e baixa para 5,7%. O escore total do QOLIE-31 foi de 64,2 (dp=18,19) e entre os domínios do QOLIE-31 os valores médios mais baixos foram 53,2 (dp= 31,38) no domínio preocupação com as crises, seguido de 61,3 (dp=32,61) no domínio efeito da medicação. O mais alto valor médio foi 69,8 (dp=25,74) no domínio aspecto social. O resultado da regressão logística multivariada para não adesão ao tratamento medicamentoso evidenciou que indivíduos do sexo feminino e que apresentavam controle das crises tiveram menor probabilidade de não adesão terapêutica perante aos do sexo masculino e sem controle das crises. A não adesão foi menos freqüente nos mais velhos e o aumento de um ano na idade diminui a probabilidade de não adesão em 3%. A probabilidade de não adesão ocorrer foi 6% maior a cada aumento de um ponto no ICTME. Para qualidade de vida, a análise conjunta das diversas características evidenciou que indivíduos da raça branca e amarela, inseridos no mercado de trabalho e que tinham percepção que suas crises estavam controladas tiveram pontuações mais elevadas em relação aos que não apresentavam essas características. Por outro lado, aqueles que recebiam apoio de familiares ou amigos apresentaram menores escores nesse questionário em relação aos demais. Os resultados deste estudo destacaram principalmente as características sócio-demográficas e referentes ao controle da crise com fatores associados à adesão e qualidade de vida do paciente epiléptico. Vale também destacar que o aumento da complexidade terapêutica confirmou seu impacto negativo na adesão ao tratamento
Título em inglês
Treatment adherence and Quality of Life of individuals with epilepsy in an outpatient treatment program
Palavras-chave em inglês
ambulatory care.
complexity
Epilepsy
medication adherence
quality of life
treatment
Resumo em inglês
The study aimed to clarify the complexity of drug treatment, treatment adherence and quality of life of individuals with epilepsy, and also highlights the associations of adherence and quality of life with patient characteristics, disease, therapeutic and social support. This was a prospective, transversal study of individuals with inpilepsy in outpatient care. The sample consisted of 385 patients, aged 18 years or older, literate, independent in their daily living activities, without mental or active psychological changes diagnosed. Adherence to treatment was assessed by using the Morisky test and quality of life by the Quality of Life in Epilepsy Inventory-31 (QOLIE-31). In the first step, association tests were performed between dependent variables and each independent variable alone. After, an analysis of the variables was performed by logistic regression when the dependent variable was in adherence and through multiple linear regression for quality of life. The average age of participants was 39.7 years (SD = 12.6), mostly females (53.5%) with symptomatic focal epilepsy (79.5%), and on multiple AEDs (71.1%), with crises in the last six months preceding the research (79%) and mean treatment of 21.5 years (SD = 13.2). The complexity of therapeutic drug treatment for epilepsy measured by the Epilepsy Medication Treatment Complexity Index (EMTCI) ranged from 2.0 to 44 points and averaged 14.7 (SD = 8.0). Treatment compliance was high for 33.8% of this studys participants, 60.5% for medium and low was 5.7%. The total score of QOLIE-31 was 64.2 (SD = 18.19) and between the domains of QOLIE-31, the lowest average values were 53.2 (sd = 31.38) in the domain concerned with the crises, followed by 61.3 (SD = 32.61) in the domain effect of the medication. The highest average value was 69.8 (SD = 25.74) in the domain social aspect. The result of multivariate logistic regression for non-adherence to drug treatment showed that female subjects who had control of the seizures, were less likely to face Non-adherence than the male and with uncontrolled seizures. Non-adherence was less frequent in older and one-year increase in age decreases the probability of non-adherence by 3%. The probability of non-compliance occurrence was 6% higher for each increase of one point in EMTCI. For quality of life, joint analysis showed that several characteristics among whites and asian, entered the labor market and had the perception that their seizures were controlled had the highest scores compared to those without these characteristics. On the other hand, those who received support from family or friends had lower scores on this questionnaire in relation to others. The results of this study highlighted mainly the socio-demographic characteristics and for control of the crisis, factors associated with adherence and quality of life of epileptic patients. Note also that the increasing complexity of therapy confirmed its negative impact on treatment adherence.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Tese_Carla.pdf (1.02 Mbytes)
Data de Publicação
2011-06-03
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.