• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.7.2000.tde-09042013-152100
Documento
Autor
Nome completo
Iveth Yamaguchi Whitaker
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2000
Orientador
Banca examinadora
Koizumi, Maria Sumie (Presidente)
Gutierrez, Maria Gaby Rivero de
Jorge, Maria Helena Prado de Mello
Poggetti, Renato Sergio
Sousa, Regina Marcia Cardoso de
Título em português
Gravidade do trauma e probabilidade de sobrevida em pacientes internados
Palavras-chave em português
Índices de gravidade do trauma
morbidade
mortalidade hospitalar
pesquisa em enfermagem.
Resumo em português
Estudos de morbidade por causas externas são escassos em virtude da dificuldade de obtenção de dados para sua realização. Ainda mais escassos são aqueles que examinam a gravidade do trauma com vistas a determinar sua magnitude e repercussão na assistência aos que sofreram os agravos. O estudo apresenta a análise descritiva retrospectiva sobre a morbi-mortalidade hospitalar por causas externas com o uso de medidas objetivas para avaliação da gravidade do trauma e probabilidade de sobrevida. Os índices utilizados para mensurar a gravidade do trauma foram o sistema Abbreviated Injury Scale (AIS) /Injury Severity Score (ISS) e o Revised Trauma Score(RTS). Para calcular a probabilidade de sobrevida (Ps), usou-se o TRauma and Injury Severity Score (TRISS). A população do estudo foi constituída por 1.781 pacientes de causas externas internados no Instituto Central do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo no ano de 1998. Do total de pacientes, 30,15% foram internados em decorrência de acidente de transporte, 24,32% por agressões e 17,24% por quedas. A população foi constituída, predominantemente, por pacientes do sexo masculino e jovens entre 15 e 39 anos. Entre os pacientes, 43,34% foram provenientes da cena do evento e 39,08% transferidos de outros hospitais. O atendimento pré-hospitalar foi realizado em tempo médio de 49 minutos à maioria daqueles que vieram diretos da cena do evento. A mortalidade hospitalar foi 12,63%, e nas primeiras 24 horas morreram 64,01%. A maioria das causas externas foi classificada em trauma contuso (61,42%), seguido de penetrante (23,24%). A mensuração da gravidade da lesão foi possível para 1.542 (86,58%) pacientes de acordo com o Manual AIS e resultou em 4.918 lesões decorrentes, predominantemente, de trauma contuso (75,79%), mais freqüentes na região da cabeça (28,12%) seguida da face (22,00%). A média de lesões por paciente foi 3,19. Em relação à gravidade, verificou-se que lesões leves (AIS 1) foram freqüentes na face (45,03%) e as lesões sérias (AIS 3), graves (AIS 4) e críticas (AIS 5) foram mais freqüentes na região da cabeça, 43,21%, 75,00% e 69,82%, respectivamente. A gravidade do trauma (ISS) com base na gravidade das lesões (AIS), foi calculada para 1.527 (99,02%) pacientes. A maioria (65,75%) foi classificada com escores ISS <16. No grupo de sobreviventes, predominaram os escores ISS <16 (76,32%) e, no grupo de óbitos, os escores ISS >16 (96,40%), indicativos de trauma importante. A média do ISS em trauma contuso foi 13,08 e em penetrante, 11,97. A gravidade do trauma na fase pré-hospitalar verificada por meio do RTStriagem foi possível para 228 (49,14%) pacientes. Entre os sobreviventes, 94,93% obtiveram escore 12, indicativo de condição fisiológica inalterada e 93,75% dos óbitos obtiveram escore zero, ausência de resposta fisiológica. O TRISS calculado para uma amostra de 241 pacientes, revelou dez casos de morte inesperada ou evitável pela metodologia PREliminary outcome-based evaluation(PRE). Além disso, os valores da estatística Z e W tanto para trauma contuso quanto penetrante, indicaram que os resultados da amostra foram estatisticamente diferentes em relação à população do Major Trauma Outcome Study. Ajustados os coeficientes do TRISS para a amostra deste estudo, observou-se por meio do método PRE que em trauma contuso, ocorreram cinco mortes inesperadas ou evitáveis e uma sobrevida inesperada. Em trauma penetrante, ocorreu uma morte inesperada ou evitável e não houve casos de sobrevida inesperada. Espera-se que este estudo ofereça subsídios para ações preventivas e melhoria da qualidade da assistência aos pacientes hospitalizados em decorrência das causas externas.
Título em inglês
Injury Severity and Survival Probability in Inpatients
Palavras-chave em inglês
hospital mortality
Injury severity score
morbidity
nursing research
Resumo em inglês
Studies on morbidity resulting from external causes are scarce, due to the difficulty of gathering data for this purpose. Even scarcer are those studies analysing injury severity´s magnitude and consequences in relation to the care of trauma patients. This study presents a retrospective descriptive analysis of hospital morbidity and mortality due to external causes by applying objective measurements of injury severity and survival probability. The indexes used to measure injury severity consisted of the "Abbreviated Injury Scale" (AIS), the "Injury Severity Score" (ISS), and the " Revised Trauma Score" (RTS). So as to calculate probability of survival (Ps), the "Trauma and Injury Severity Score" (TRISS) was applied. The target population in this study consisted of 1,781 external-cause inpatients at the Instituto Central do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo in 1998. Out of those patients, 30.15% were hospitalized as a result of transportation accidents, 24.32% of aggression and 17.24% of falls. This population mainly included young male-sex patients aged 15-39. Among these, 43.34% came from the injury scene and 39.08% were transfered from other hospitals. Prehospital time took 49 minutes in average for the majority of field patients. Hospital mortality reached 12.63%, out of which cases 64.01% died within the first 24 hours. Most external-cause types were classified as blunt trauma (61.42%), followed by penetrating trauma (23.24%). According to the AIS Manual, injury severity was possible for 1,542 (86.58%) patients; data showed 4,918 injuries of predominant blunt trauma ( 75.79%), being it most frequent in the head (28.12%), and followed by that on the face (22.00%). Average injury per patient was of 3.19. In relation to severity it was verified that minor injuries (AIS 1) were frequent on the face (45.03%) and the serious ones (AIS 3), the severe ones (AIS 4) and the critical ones (AIS 5) were more frequent in the head: 43.21%, 75.00% and 69.82%, respectively. Injury Severity Score was calculated for 1,527 (99.02%) patients. The majority (65.75%) was classified with scores ISS <16. For the survival group scores ISS <16 predominated (76.32%) and in the death group scores reached ISS >16 (96.40%), indicating major trauma. Average ISS in blunt trauma was 13.08 and 11.97 in penetrating trauma. Injury severity in prehospital care, verified through RTS - in a triage of 228 (49.14%) patients - showed that 94.93% of survivors obtained score 12, indicating unaltered physiological condition, and that 93.75% of deaths obtained score zero, lack of physiological response. TRISS, calculated for 241 patients, indicated 10 unexpected deaths through PREliminary outcome-base evaluation (PRE) methodology. Furthermore, "Z" and "W" statistics, for both blunt and penetrating trauma, pointed out that sample results differed in relation to the "Major Trauma Outcome Study" ´s population. Once TRISS coefficients were adjusted to the sample in this study, it was observed, through the PRE method, that in blunt trauma five unexpected deaths and one unexpected survival occurred. There was one unexpected death in penetrating trauma. It is hoped that this study may offer means for preventive actions and assurance of the quality of care for inpatients due to external causes.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2013-05-07
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.