• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.6.2010.tde-11052010-161032
Documento
Autor
Nome completo
Carolina Terra de Moraes Luizaga
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2010
Orientador
Banca examinadora
Gotlieb, Sabina Lea Davidson (Presidente)
Fonseca, Luiz Augusto Marcondes
Jorge, Maria Helena Prado de Mello
Título em português
Mortalidade masculina no tempo e no espaço
Palavras-chave em português
Estatísticas de Saúde
Gênero
Mortalidade
Saúde do Homem
Resumo em português
Introdução: No Brasil, verifica-se maior mortalidade masculina em, praticamente, todas as idades e para quase a totalidade das causas. Objetivo: Estimar e descrever a tendência da mortalidade masculina, entre 1979 e 2007, em três capitais de estados brasileiros, São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Porto Alegre (RS), segundo faixa etária, local de residência e causa básica de morte. Material e método: As populações de estudo referem-se aos contingentes de residentes em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre, nos triênios, 1979/1981, 1990/1992, 1999/2001 e 2005/2007 e aos respectivos óbitos. As fontes de dados foram IBGE e Sistemas de Informações em Saúde do Ministério da Saúde. As localidades foram selecionadas por, reconhecidamente, apresentarem adequada qualidade das informações necessárias. Calcularam-se coeficientes de mortalidade gerais (brutos e padronizados) e específicos, médios para os triênios. Foram feitas comparações entre os indicadores, no tempo e no espaço. Resultados: Verificou-se, no período e nas três capitais, declínio da proporção de crianças e de jovens e tendência crescente da proporção de pessoas de 60 anos e mais de idade. Até os 24 anos, homens predominaram na população; a partir daí, já se observaram maiores participações femininas e razões de sexos cada vez mais baixas, evidenciando, entre idosos, alta presença de mulheres, fato associado à elevada mortalidade masculina (coeficientes padronizados, respectivamente, no início e fim da série temporal, de 11,9 e 9,4 óbitos por mil homens, em São Paulo; de 12,7 e 9,8 óbitos por mil homens, no Rio de Janeiro e de 12,1 e 9,5 mortes por mil homens, em Porto Alegre). Notou-se acometimento intenso de homens jovens pelas causas externas, cujos coeficientes específicos, para homens de 20 a 24 anos, foram, em 1979/1981 e 2005/2007, respectivamente, de 163,8 e 165,8 por cem mil homens paulistas; de 241 e 336,2 por cem mil, no Rio de Janeiro, e de 144,1 e 236,1 por cem mil, em Porto Alegre. Ao longo da série, as causas externas apresentaram grande estimativa de risco de morte masculina, sendo que, em 2005/2007, foram a primeira causa de morte em homens até a idade de 40 a 44 anos, em São Paulo e Rio de Janeiro; em Porto Alegre, manteve a primeira posição até a faixa de 30 a 34 anos. Após, em quase todos os grupos etários seguintes, as doenças do aparelho circulatório aparecem como a principal causa de morte e, as neoplasias passam à segunda posição entre as mais importantes causas de morte masculina. Considerações finais: As localidades evidenciam características de cidades em vias de desenvolvimento, com redução da fecundidade, aumento da longevidade e conseqüente envelhecimento populacional. As estimativas do elevado risco de morrer de homens tornam clara sua vulnerabilidade em adultos jovens, acometimento intenso das mortes violentas; a partir dos 35 anos, as doenças crônicas e degenerativas se destacam. A intensidade com que estes eventos ocorrem, entre homens, demanda ações que possibilitem redução dos índices de mortalidade por causas preveníveis e evitáveis, eliminando comportamentos de risco e adoção de hábitos de vida saudáveis. Diante disso, haverá aumento da sua esperança de vida e redução das diferenças entre mortalidade feminina e masculina
Título em inglês
Temporal and space male mortality
Palavras-chave em inglês
Gender
Health Statistics
Men' s Health
Mortality
Resumo em inglês
Introduction: In Brazil, there is a higher male mortality in almost all ages and causes. Objective: To estimate and describe the trend in male mortality, between 1979 and 2007, in three State Capitals, São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) and Porto Alegre (RS), according to age, place of residence and underlying cause of death. Methods: The study populations refer to the residents in Sao Paulo, Rio de Janeiro and Porto Alegre, in the periods, 1979/1981, 1990/1992, 1999/2001 and 2005/2007, and their deaths. The data sources were Brazilian Institute of Geography and Statistics and Information System in Health of the Brazilian Ministry of Health. These cities were selected because, admittedly, they have an appropriate quality of death information. Overall (crude and standardized) and specific mortality coefficients were calculated (average for the triennium). Comparisons were done in time and space. Results: There was, in the period, reduction in the proportion of children and youth, and growing trend in the proportion of older people (60 years and above). Up to 24 years, men predominate in the population; it has been observed higher female participation and gender ratios ever lower, showing among the elderly, high presence of women. This fact is associated with high male mortality (standardized coefficients, respectively, at the beginning and end of the series, from 11.9 to 9.4 deaths per thousand men in São Paulo, from 12.7 to 9.8 deaths per thousand men in Rio de Janeiro and 12.1 to 9, 5 deaths per thousand men in Porto Alegre). It was noted, specifically, intense involvement of young men and external causes, whose specific rates for ages 20 to 24, were in 1979/191 and 2005/2007, respectively, 163.8 and 165.8 deaths per hundred thousand men from São Paulo, 241 and 336.2 per hundred thousand in Rio de Janeiro, and 144.1 and 236.1 per hundred thousand men in Porto Alegre. Throughout the series, these causes were responsible for large risk estimates of male death, and in 2005/2007, this group was the leading cause of death in men until the age group 40 to 44 years in Sao Paulo and Rio Janeiro. In Porto Alegre, it maintained the first position until ages 30 to 34 years. After that, almost in all age groups, deaths by circulatory system diseases appear as the main cause; cancer came in the second position among the most important causes of male deaths. Conclusion: These capitals show features of a developing city, with reduced fertility, increased longevity and consequent trending to an aging population. Estimates of the men high risk of dying make clear their vulnerability as young adults, in intense involvement in violent deaths; after 35 years, chronic and degenerative diseases stand out. The intensity with which these events occur demand actions that should reduces the mortality rates of preventable diseases, reduce the mens risky behaviors. It is necessary that men try to adopt healthier lifestyles habits, thus increasing life expectancy and reducing the differences between female and male mortalities
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
COMPLETO.pdf (1.97 Mbytes)
Data de Publicação
2010-06-14
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2022. Todos os direitos reservados.