• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2013.tde-01112013-143010
Documento
Autor
Nome completo
Helena Borges Martins da Silva Paro
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2013
Orientador
Banca examinadora
Fiedler, Patricia Tempski (Presidente)
Baldassin, Sergio Pedro
Benseñor, Isabela Judith Martins
Bonito, Rosuita Fratari
Martins, Luiz Antonio Nogueira
Título em português
Empatia em estudantes de medicina no Brasil: um estudo multicênico
Palavras-chave em português
Distúrbios do sono por sonolência excessiva
Empatia
Esgotamento profissional
Estudantes de Medicina
Qualidade de vida
Resumo em português
INTRODUÇÃO: A empatia representa um dos domínios centrais das habilidades sociais e de comunicação e é frequentemente associada a melhores resultados diagnósticos e terapêuticos. Por esse motivo, as habilidades empáticas dos profissionais da área da saúde têm sido amplamente investigadas no contexto da educação médica. Nosso objetivo foi avaliar a empatia do estudante de medicina e sua associação com qualidade de vida, esgotamento profissional e sonolência diurna. MÉTODOS: Estudo transversal randomizado de abrangência nacional, com a utilização de questionários de autorrelato validados para a avaliação de empatia (Escala Multidimensional de Reatividade Interpessoal de Davis - EMRI), qualidade de vida (The Whoqol Quality of Life Assessment - WHOQOL-BREF e Questionário para avaliar a qualidade de vida do estudante e residente da área da saúde - Veras-q), esgotamento profissional (Maslach Burnout Inventory - MBI) e sonolência diurna excessiva (Escala de Sonolência Diurna de Epworth - ESS) em uma plataforma eletrônica desenvolvida para o estudo - a plataforma VERAS. RESULTADOS: Dos 1.650 estudantes randomizados, 1.350 (81,8%) completaram todos os questionários da plataforma VERAS. Observamos importantes diferenças de gênero nos domínios consideração empática e angústia pessoal da EMRI, com maiores escores para o grupo do sexo feminino (p<0,05; d>0,5). Estudantes dos diversos ciclos do curso de medicina apresentaram diferenças pouco expressivas das disposições empáticas (p<0,05; f<0,25). A percepção de qualidade de vida no curso foi muito menor do que a percepção de qualidade de vida em geral entre os estudantes de medicina (p<0,001; d>0,8). Estudantes do sexo feminino apresentaram menores escores de qualidade de vida nos domínios físico, psicológico e uso do tempo (p<0,05; d<0,5). A percepção de qualidade de vida relacionada ao ambiente de ensino também foi discretamente menor entre estudantes dos últimos anos do curso (p<0,001; f<0,25). Em relação aos escores de esgotamento profissional, estudantes do sexo feminino apresentaram maior exaustão emocional e menor despersonalização do que estudantes do sexo masculino (p<0,001; d<0,5). Estudantes dos últimos anos do curso apresentaram escores discretamente maiores de exaustão emocional, despersonalização e realização pessoal (p<0,05; f<0,25). Os escores de sonolência diurna foram discretamente maiores entre estudantes do sexo feminino (p<0,001; d<0,5) e não diferiram entre os ciclos do curso. Aproximadamente 56% dos estudantes apresentaram sonolência diurna excessiva. Os escores de sonolência diurna apresentaram correlações fracas com os domínios da EMRI. Entre os estudantes do sexo masculino, realização pessoal (beta= -0,22; p<0,001) e qualidade de vida no domínio psicológico (beta= -0,19; p<0,001) contribuíram para menor angústia pessoal. Entre o grupo do sexo feminino, realização pessoal contribuiu significativamente para maior consideração empática (beta= 0,23; p<0,001) e tomada de perspectiva (beta= 0,30; p<0,001). Escores de despersonalização contribuíram para menor disposição empática nesses domínios (beta= -0,29; p<0,001 para consideração empática e beta= -0,17; p<0,001 para tomada de perspectiva). CONCLUSÕES: Estudantes do sexo feminino apresentaram maior disposição para consideração empática e para angústia pessoal do que estudantes do sexo masculino. As diferenças das disposições empáticas dos estudantes de diferentes ciclos do curso de medicina foram inexpressivas. Dentre as variáveis estudadas, realização pessoal apresentou a maior contribuição para menor angústia pessoal entre estudantes do sexo masculino. Maior realização pessoal e menor despersonalização também contribuíram para maior disposição empática entre estudantes do sexo feminino
Título em inglês
Empathy among medical students in Brazil: a multi-centric study
Palavras-chave em inglês
Burnout professional
Disorders of excessive somnolence
Empathy
Quality of life
Students Medical
Resumo em inglês
INTRODUCTION: Empathy is one of the main domains of social and communication skills. It is often associated to better diagnostic and therapeutic outcomes. For this reason, it has been extensively investigated among health professionals. We aimed to assess medical students' empathic disposition and its association with quality of life, burnout and daytime sleepiness. METHODS: Cross-sectional multi-centric randomized study with the use of validated self-report questionnaires of empathy (the Interpersonal Reactivity Index - IRI), quality of life (The Whoqol Quality of Life Assessment - WHOQOL-BREF and the Health Professionals and Students' Life Questionnaire - Veras-q), burnout (the Maslach Burnout Inventory - MBI) and daytime sleepiness (the Epworth Excessive Sleepiness Scale - ESS). Questionnaires were available to students on an electronic platform designed for the study - the VERAS platform. RESULTS: From the total of 1,650 randomized students, 1,350 (81.8%) completed all questionnaires. We observed important gender differences on students' dispositional empathic concern and personal distress. Female students had higher scores on these domains than their male counterparts (p<0.05; d>0.5). Students from different phases of medical training had minor differences on empathic dispositions (p<0.05; f<0.25). Students' perception of quality of life related to medical school was quite lower than their perception of quality of life in general (p<0.001; d>0.8). Female students had slightly lower scores on physical, psychological and time management domains of quality of life compared to male students (p<0.05; d<0.5). Perceptions of quality of life on the learning environment were also slightly lower among students in the final years of medical school (p<0.001; f<0.25). Female students had higher scores on emotional exhaustion and lower scores on depersonalization than their male counterparts (p<0.001; d<0.5). Students at the final years of medical school had slightly higher scores on emotional exhaustion, depersonalization and personal accomplishment (p<0.05; f<0.25). Daytime sleepiness scores were slightly higher among female students (p<0.001; d<0.5). Sleepiness scores did not differ according to phases of medical school. Approximately 56% of students had suggestive scores of excessive daytime sleepiness. Daytime sleepiness scores yielded weak correlations with empathy domains. Among male students, personal accomplishment (beta= -0.22; p<0.001) and psychological quality of life (beta= -0.19; p<0.001) contributed to lower personal distress. Among female students, personal accomplishment had a significant contribution to higher empathic concern (beta= 0.23: p<0.001) and perspective taking (beta= 0.30; p<0.001). Depersonalization scores contributed to lower empathic disposition on these domains (beta= -0.29: p<0.001 for empathic concern domain and beta= -0.17; p<0.001 for perspective taking domain). CONCLUSIONS: Female students had higher disposition on empathic concern and personal distress than their male counterparts. Differences on students' empathic dispositions across phases of medical school were quite small. Among all study variables, personal accomplishment had higher contributions to lower personal distress among male students. Higher personal accomplishment and lower depersonalization also contributed to higher empathic disposition among female students
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2013-11-04
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2022. Todos os direitos reservados.