• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2010.tde-12032010-145542
Documento
Autor
Nome completo
Rodrigo Schuler Honorio
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2010
Orientador
Banca examinadora
Alves, Venancio Avancini Ferreira (Presidente)
Abdala, Edson
Duarte, Maria Irma Seixas
Mello, Evandro Sobroza de
Patzina, Rosely Antunes
Título em português
Avaliação de variáveis potencialmente preditivas de má evolução da recidiva da hepatite C em pacientes submetidos a transplante de fígado, com ênfase nos achados anátomo-patológicos
Palavras-chave em português
Fibrose
Fígado/anatomia & histologia
Hepatite C crônica
Recidiva
Transplante de fígado
Resumo em português
Introdução: Hepatite crônica recidivada (HCR) é a regra após o transplante hepático (TH) em pacientes infectados pelo vírus da hepatite C (VHC), provocando progressão de fibrose mais acelerada no órgão transplantado do que no fígado nativo. Vários estudos têm apontado que, dentre os pacientes transplantados por doença terminal relacionada ao VHC, há padrões distintos de evolução pós-transplante, influenciados por diversos aspectos clínicos, demográficos, laboratoriais e histopatológicos. Objetivos: Identificar alterações precoces associadas à gravidade da doença recidivada, com ênfase nos achados histopatológicos no TH e nas biópsias de seguimento. Métodos: Foi avaliada uma coorte retrospectiva de 41 pacientes que se submeteram a TH entre 1992 e 2004. Dados clínicos foram recuperados dos prontuários médicos e todas as biópsias de fígado foram reavaliadas. Foram estudadas em especial a primeira biópsia após o primeiro mês (PAT) e a primeira biópsia com diagnóstico de hepatite crônica (PHC) de cada paciente. Estas duas biópsias foram também submetidas ao estudo das células estreladas hepáticas através da marcação por -actina de músculo liso. A presença de esteatose e dos parâmetros de hepatite crônica foi quantificada em todas as biópsias dentro dos diferentes períodos do pós-transplante. Resultados: A idade média no transplante foi de 51 anos, com 72% dos pacientes do sexo masculino. O tempo médio de seguimento histopatológico (tempo entre o transplante e a última biópsia hepática realizada) foi de 2234 dias (785-4640). A taxa global anual de progressão de fibrose (TPF) foi de 0,62 (escore de Ishak), a partir da qual os pacientes foram classificados no grupo de fibrosadores rápidos (FR),quando TPF > 0,62, e no grupo de fibrosadores lentos (FL),quando TPF <0,62.O tempo para o diagnóstico histopatológico de HCR, os fatores ligados ao doador e os achados histopatológicos precoces associados ao diagnóstico de hepatite crônica não se apresentaram diferentes de forma significante entre os dois grupos. Rejeição celular aguda foi mais prevalente nos FL (p=0,043), embora o grupo dos FR tenha apresentado em média maior número de episódios de rejeição (p=0,036). Observou-se um aumento do índice de massa corporal (IMC) nos FL e um decréscimo do IMC nos FR entre o transplante e a última biópsia realizada (0,049). O grupo dos FR apresentou maior quantidade de esteatose no fígado nativo explantado (p=0,026) e mostrou uma tendência a ter uma menor quantidade de esteatose nas biópsias entre um mês e um ano após o transplante (p=0,079), comparado ao grupo dos FL. Os FR também apresentaram maior deposição de lipofuscina na PAT (p=0,024) e na PHC (p=0,048). FR e FL exibiram padrões distintos de infiltrado inflamatório lobular na PHC, com um infiltrado predominantemente linfocitário nos FR e misto nos FL (p=0,043). Foram também observados padrões distintos de siderose na PAT, que era em células de Kupffer nos FR e concomitante em células de Kupffer e hepatócitos nos FL. Maior quantidade de células estreladas, avaliadas na PHC por exame imuno-histoquímico, foi encontrada na região portal/septal nos FR (p=0,057). As demais alterações histopatológicas não alcançaram significância estatística como preditoras de progressão da doença. Conclusão: Algumas alterações histopatológicas que não estão diretamente associadas ao diagnóstico de hepatite crônica podem contribuir para a compreensão da patogênese da HCR e, adicionalmente, auxiliar na identificação precoce dos pacientes com má evolução após o TH. Se fatores relacionados ao metabolismo lipídico (esteatose hepática e variação de IMC) têm função protetora contra progressão da fibrose ou se resultam diretamente do estado clínico dos pacientes é uma questão que merece estudos adicionais
Título em inglês
Evaluation of potentially predictive findings of poor outcome in recurrent chronic hepatitis C after liver transplantation, with emphasis on histopathological parameters
Palavras-chave em inglês
Chronic hepatitis C
Fibrosis
Liver transplantation
Liver/anatomy & histology
Recurrence
Resumo em inglês
Background: Recurrent chronic hepatitis (RCH) is the rule after liver transplantation (LT) in hepatitis C virus (HCV) infected patients, with a faster fibrosis progression in allograft than in native liver. Many studies have pointed out that, even in the group of patients transplanted for HCV end-stage disease, there are distinct outcomes due to the influence of several clinical, demographic, laboratorial and histopathological factors. Objectives: Evaluate earlier changes that could be associated to severity of disease recurrence, with emphasis on histopathological findings at LT and follow up biopsies. Method: A retrospective cohort of forty one HCV infected patients who underwent LT between 1992 and 2004 was studied. Clinical data were recovered from hospital files and all liver tissue specimens were reviewed. The first liver biopsy after first month post-LT (FAF) and the first biopsy with chronic hepatitis (FCH) were considered to each patient. Expression of -smooth muscle actin in hepatic stellate cells by immunohistochemistry was also examined in these biopsies. Additionally, steatosis and chronic hepatitis parameters were quantified in all biopsies in each period after LT. Results: The mean age at LT was 51 yr; 72% were male; the median histological follow-up (time between LT and last liver biopsy) was 2234 days (785-4640) and the overall annual rate of fibrosis progression (RFP)was 0.62 (Ishak s score). Patients were classified in fast fibrosers (FF)when RFP>0.62,and when RFP<0.62.Time to histopathological diagnosis of RCH, early histopathological changes related to chronic hepatitis diagnosis and donor factors were not significantly different between both groups. Acute cellular rejection was more prevalent in SF (p=0.043), although FF presented significantly higher number of episodes than SF (p=0.036). It was observed an increase in BMI on FF and an decrease in BMI on SF between transplantation and the time of last liver biopsy (p=0.049). FF showed higher steatosis degree in native explanted liver (p=0.026) and showed a trend toward a lower steatosis degree between one month and one year post-LT (p=0.079). FF also presented higher lipofuscin deposition at FAF (p=0.024) and at FCH (p=0.048). FF and SF showed distinct patterns of lobular inflammatory infiltrate in FHC, with a predominantly lymphocytic type in FF and a mixed one in SF (p=0.043). A distinct pattern of iron deposition in FAF, predominantly in Kupffer cells in FF and in both Kupffer cell and hepatocyte in SF was also detected. Hepatic stellate cells were more prevalent in FF when examined in portal/septal area by immunohistochemical expression of -smooth muscle actin in FHC (p=0.057). All other histological findings did not reach statistical significance as predictors of faster disease progression. Conclusion: Some minor histopathological changes not usually associated to chronic hepatitis diagnosis might contribute to our understanding of the RCH pathogenesis and could be useful in identifying potentially worse outcome patients after LT. If factors related to lipid metabolism (liver steatosis and BMI variation) could protect against fibrosis progression or are direct consequences of the patient´s clinical status deserves further evaluation
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Rodrigohonoria.pdf (473.79 Kbytes)
Rodrigohonorio1.pdf (7.63 Mbytes)
Data de Publicação
2010-03-16
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.