• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2010.tde-26052010-112933
Documento
Autor
Nome completo
Carina Andréa Costa Bezerra Rocha
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2010
Orientador
Banca examinadora
Sanchez, Tanit Ganz (Presidente)
Marques, Amelia Pasqual
Kii, Márcia Akemi
Medeiros, Ítalo Roberto Tôrres de
Simoceli, Lucinda
Título em português
Eficácia da desativação dos pontos-gatilho miofasciais para o tratamento do zumbido em pacientes com síndrome dolorosa miofascial
Palavras-chave em português
Ensaio clínico
Músculo esquelético
Síndromes da dor miofascial
Zumbido
Resumo em português
Introdução: a relação entre zumbido e pontos-gatilho miofasciais têm sido debatida, mas poucas são as condutas terapêuticas propostas. Este estudo teve os objetivos de verificar: (1) a eficácia da desativação dos pontos-gatilho miofasciais para o alívio do zumbido em pacientes com síndrome dolorosa miofascial, (2) a correlação de lateralidade entre zumbido e dor e a associação entre a melhora de ambos e (3) se o fenômeno da modulação do zumbido durante a palpação dos pontos-gatilho apresenta bom prognóstico para este tratamento. Métodos: um ensaio clínico randomizado duplo-cego e placebo controlado foi desenvolvido para verificar a eficácia de 10 sessões de desativação dos pontos-gatilho em uma população com zumbido e síndrome dolorosa miofascial. Os critérios de inclusão eram: presença de zumbido e pelo menos um ponto-gatilho ativo em oito possíveis músculos da região da cabeça, pescoço ou cintura escapular, excluindo-se aqueles com dor generalizada ou tratamento recente para ambos os sintomas. Depois de triados por um otorrinolaringologista e avaliados por uma "pesquisadora cega" no início e após a quinta e décima sessões de tratamento, os indivíduos foram encaminhados para uma fisioterapeuta, que realizou a randomização em dois grupos e o tratamento de ambos. O grupo experimental foi submetido à desativação dos pontos-gatilho por digito-pressão e a orientações de condutas domiciliares e o grupo controle, a uma leve pressão em pontos adjacentes aos pontos-gatilho existentes. Resultados: o tratamento do grupo experimental foi mais eficaz em relação à intensidade do zumbido, número de sons, valor total do questionário de gravidade do zumbido e intensidade da modulação (p< 0,001). Houve associação entre a melhora da dor e a melhora do zumbido (p= 0,013; correlação de Spearman= 0,426) e o tratamento foi eficaz em todas as variáveis relacionadas à dor (p< 0,001) como: a intensidade da dor, valor do algômetro e número de pontos-gatilho ativos e latentes totais. Houve correlação de lateralidade entre os lados de pior zumbido e de dor em 54,4% dos casos (Kappa= 0,32; p< 0,001). A modulação do zumbido foi bastante freqüente no grupo experimental e controle (75,7% e 83,3% respectivamente), porém este fenômeno não influencia o prognóstico deste tratamento. No entanto, diminuir a intensidade do zumbido na modulação foi uma condição importante para um bom resultado de alívio do zumbido (p= 0,002). Conclusões: o grupo experimental foi mais eficaz em todas as variáveis analisadas após o tratamento de desativação dos pontos-gatilho miofasciais. Também foi observada uma correlação de lateralidade de ambos os sintomas e a existência de uma relação direta entre a melhora da dor e a melhora do zumbido. Modular o zumbido na avaliação dos pontos-gatilho não influencia o prognóstico do tratamento, porém, diminuir a intensidade durante a modulação promove uma resposta maior de alívio do zumbido do que aqueles que aumentam a intensidade ou modificam o tipo de som.
Título em inglês
Efficacy of myofascial trigger point deactivation for tinnitus treatment in patients with myofascial pain syndrome
Palavras-chave em inglês
Clinical trial
Muscle skeletal
Myofascial pain syndromes
Tinnitus
Resumo em inglês
Introduction: the relationship between tinnitus and myofascial trigger points has been subject to debate but few therapeutic guidelines have been proposed. This study aims at analyzing (1) efficacy of myofascial trigger point deactivation for the relief of tinnitus in patients with myofascial pain syndrome; (2) correlation of laterality between tinnitus and pain - and the relief of both of them - as well as (3) whether the presence of tinnitus modulation upon trigger point palpation represents good prognosis for the treatment. Methods: a double-blind randomized placebo controlled clinical trial was developed in order to ascertain efficacy of 10 sessions of myofascial trigger point deactivation in a population suffering from both tinnitus and myofascial pain syndrome. Inclusion criteria were: presence of tinnitus and at least one active trigger point in eight possible muscles of the head, neck or shoulder girdle, excluding patients with generalized pain or undergoing recent treatment for both symptoms. After having been selected by an otologist and evaluated by a "blind researcher" in the beginning and after the fifth and tenth session, subjects were directed to a physiotherapist, who randomized them in two groups and treated both. The experimental group was subject to myofascial trigger point deactivation by means of digital pressure and guidance related to procedures to be followed at home, whereas the control group was subject to light pressure in spots adjacent to the existing trigger points. Results: treatment of the experimental group was more effective in relation to tinnitus loudness, number of sounds, total value of the Tinnitus Handicap Inventory as well as modulation intensity (p< 0,001). There was an association between pain relief and tinnitus relief (p= 0,013; Spearman correlation = 0,426) and treatment was effective in all pain-related variables (p< 0,001) such as: pain intensity, algometer value and amount of active and latent trigger points. Laterality correlation was also observed between the side with the worst tinnitus and the side with pain in 54.4% of the cases (Kappa= 0,32; p< 0,001). Tinnitus modulation was frequent in both experimental and control groups (75.7% e 83.3% respectively), even though such phenomenon does not influence the prognosis of the treatment. Nevertheless, diminishing tinnitus intensity was an important condition for tinnitus relief (p= 0,002). Conclusions: the experimental group was more effective in all variables subject to evaluation after treatment with myofascial trigger point deactivation. Laterality correlation of both symptoms was also observed as well as the existence of a direct link between pain relief and tinnitus relief. Modulation of tinnitus during trigger point evaluation does not influence the treatment prognosis, even though diminishing intensity during modulation allows more tinnitus relief than raising intensity or modifying the type of sound.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2010-05-26
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2022. Todos os direitos reservados.