• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2012.tde-25042012-091422
Documento
Autor
Nome completo
Maria Sigride Thomé de Souza
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2012
Orientador
Banca examinadora
Valente, Kette Dualibi Ramos (Presidente)
Caetano, Sheila Cavalcante
Guerreiro, Marilisa Mantovanni
Rigonatti, Sergio Paulo
Velasco, Tonicarlo Rodrigues
Título em português
Coadministração lamotrigina e valproato de sódio em crianças e adolescentes com epilepsia refratária: estudo clínico
Palavras-chave em português
Ácido valpróico
Adolescente
Criança
Divalproex
Epilepsia
Lamotrigina
Seguimentos
Resumo em português
A associação de ácido valpróico/ divalproato de sódio e lamotrigina tem se mostrado eficaz no tratamento das epilepsias refratárias, tendo como limitador ao seu uso os efeitos adversos, principalmente numa população de crianças e adolescentes, onde esses efeitos são maximizados. Este estudo clínico tem como objetivo avaliar as propriedades farmacológicas da associação valproato/divalproato de sódio e lamotrigina em uma população pediátrica refratária ao tratamento medicamentoso usando método de introdução e escalonamento mais lento do que o preconizado, com seguimento prolongado. Para tal, foi estudado um grupo de 51 crianças e adolescentes com epilepsia de difícil controle, com idades de 4 a 16 anos (mediana de 8 anos), sendo 27 (52,9%) meninas. Dezesseis (31,4%) crianças apresentavam epilepsia generalizada; 35 (68,6%), epilepsia parcial. A associação valproato/divalproato de sódio e lamotrigina foi eficaz no primeiro ano de acompanhamento para 39 (76,5 %) pacientes. No segundo ano de tratamento, esta associação foi eficaz para 36 (70,6%) pacientes. Houve melhora dos drop attacks em 22 pacientes (88,5%), mas não houve especificidade em relação à síndrome ou crise epiléptica. Efeitos adversos observados foram rash, em quatro (7,8%) pacientes, com descontinuidade do tratamento, e tremores sutis em seis (11,7%), resolvidos com a diminuição da dose da lamotrigina. A descontinuidade ocorreu em 12 (23,5%) pacientes, sendo que a maior razão foi o rash cutâneo, seguido pela perda da eficácia ao tratamento, em oito (15,7%) pacientes. Concluímos que, com a proposta de introdução mais lenta da lamotrigina, os efeitos adversos são minimizados (principalmente os referentes ao sistema nervoso central), assim como há melhora das crises debilitantes, que comprometem a qualidade de vida desses pacientes, tendo como resultado uma maior adesão ao esquema terapêutico. Além disso, pontuamos que a eficácia terapêutica se mantém com doses mais baixas de lamotrigina, mesmo após o primeiro ano de tratamento
Título em inglês
Lamotrigine and sodium valproate coadministration in children and adolescents with refractory epilepsy: clinical study
Palavras-chave em inglês
Adolescent
Child
Divalproex
Epilepsy
Follow-up studies
Lamotrigine
Sodium valproate
Resumo em inglês
The association lamotrigine and sodium valproate/divalproex sodium has been shown to be effective in the treatment of refractory epilepsy, having as a limiting factor for its use, adverse effects, especially in a population of children and adolescents where these effects are maximized. This clinical study aims to evaluate the pharmacological properties of this association in a pediatric population refractory to medical treatment using a method of introduction and titration slower than the usually recommended, with extended follow-up. For this purpose, we studied a group of 51 children and adolescents, with refractory epilepsy, ranging from 4 to 16 years old (median 8 years), with 27 (52.9%) girls. Sixteen (31.4%) children presented generalized and 35 (69.6%) focal epilepsy. The association sodium valproate/ divalproex sodium and lamotrigine was effective in the first year of followup in 39 (76.5%) patients. In the second year of treatment this combination was effective in 36 (70.6%) patients. An improvement of drop attacks was observed in 22 (88.5%) patients, but there was no specificity as to the epileptic syndrome or seizure type. Adverse effects were rash, leading to discontinuation in four (7.8%), and subtle tremors, that resolved with reduction of the dose of lamotrigine in six (11.7%) patients. In twelve (23.5%) patients treatment was withdrawn, because of rash (7.8%) and loss of efficacy, in eight (15.7%) patients. We concluded that with the proposed slower introduction of lamotrigine, adverse effects are minimized, especially in the central nervous system, as well as better obtained control of debilitating seizures, affecting quality of life, and resulting in better adherence to the therapeutic scheme. Furthermore, we point out that the therapeutic efficacy is maintained with lower doses of lamotrigine, even after the first year of treatment
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2012-05-02
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2022. Todos os direitos reservados.