• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
Documento
Autor
Nome completo
Regina Maria Rodrigues
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2019
Orientador
Banca examinadora
Schvartsman, Claudio (Presidente)
Delgado, Artur Figueiredo
Lewi, David Salomão
Pereira, Maria Fernanda Bádue
Título em português
Acidente vascular encefálico isquêmico pós-varicela em crianças: série de sete casos com evolução de sequelas após quatro anos e revisão sistemática de literatura
Palavras-chave em português
Acidente vascular cerebral isquêmico
Arteriopatia
Criança
Doença cerebrovascular dos gânglios da base
Varicela
Resumo em português
Introdução: Existem poucos dados a respeito do diagnóstico e prognóstico de crianças com acidente vascular encefálico isquêmico (AVE-i) devido a arteriopatia/vasculopatia pós-varicela e nenhuma revisão sistemática em crianças com arteriopatia/vasculopatia transitória. Objetivos: Relatar série de casos de sete crianças com AVE-i pós-varicela focando nos aspectos clínico/laboratoriais e no desempenho neuro-cognitivo 4 anos após e realizar revisão sistemática da literatura sobre a associação entre VZV e arteriopatia/vasculopatia transitória. Métodos: Revisão sistemática-Estudos relevantes foram buscados utilizando os seguintes bancos de dados: EMBASES; Pubmed; Bireme; LILACS e Web of Science. As buscas utilizaram as seguintes palavras-chave: arteriopatia transitória / vasculopatia ou pós-varicela ou arteriopatia focal e VZV. Os descritores usados para revisão sistemática foram: Arteriopatia transitória or vasculopatia transitória or arteriopatia pós-varicela or arteriopatia focal e VZV or varicela e aplicada a estratégia de PICO; População: crianças de 1 mês a 17 anos e 11 meses, com vasculopatia/arteriopatia em sistema nervoso central; Fenômeno de Interesse: VZV até 12 meses anterior; Comparação: Vasculopatia/Arteriopatia transitória sem associação com VZV; Outcome: VZV associado a vasculopatia. Os artigos selecionados foram analisados por 2 examinadores que validaram os artigos de acordo com a escala New Castle Otawa. Um terceiro examinador resolveu discrepâncias. Série de relato de casos: envolveu 7 crianças (5 meninos e 2 meninas) de 5 serviços de emergências pediátricas na cidade de São Paulo, Brasil, que apresentaram acidente vascular encefálico isquêmico pós-varicela confirmada com ressonância magnética de encéfalo e angioressonância magnética cerebral. Foi realizado coleta de líquido cefalorraquidiano para detecção do envolvimento do VZ: dosagem de anticorpos IgG e IgM anti-VZV; reação em cadeia de polimerase para DNA viral e detecção do envolvimento do vírus herpes simples tipo 1 e tipo 2 (anticorpos IgG e IgM anti-VHS 1 e 2). Foi aplicado o PSOM-Score na admissão e 4 anos após o AVE-i. Resultados: Na revisão sistemática foram selecionados 1003 artigos sendo que no final das avaliações apenas 11 artigos com moderado nível de evidência para associação entre arteriopatia transitória e VZV foram incluídos na nossa revisão. Em relação à série de casos, os 7 pacientes, com idades variando de 1,3 anos a 4 anos, apresentaram hemiparesia ao exame físico inicial e imagem de isquemia em região submetida à irrigação da artéria cerebral média ou interna após um tempo médio de 5,1 (± 3,5) meses do quadro clínico de varicela. Em 4 pacientes (57%) foram encontradas lesões vasculares e a detecção de IgG anti VZV no liquor ocorreu em 3 pacientes (42%). Nenhum paciente apresentou exantema, febre ou presença de anticorpos anti-herpes vírus tipo 1 e 2. Somente 1 paciente apresentou alteração nos exames de trombofilia (mutação em heterozigose da protombina). Todos apresentaram melhora nos índices de escore para sequelas. Nenhum apresentou novo episódio de AVE-i. Limitacão do nosso estudo: Limitado número de casos e pequeno número de estudos caso-controle ou estudos randomizados para realização de revisão sistemática. Conclusão: Encontramos moderado nível de evidência para associação entre arteriopatia transitória e VZV na revisão sistemática. Nessa série de casos foi observado o caráter não progressivo do AVE-i pós-varicela após 4 anos de seguimento através da avaliação de sequelas motoras, de linguagem e cognitivas. Observamos que a identificação do DNA viral e/ou presença intratecal de IgG anti-VZV não foram determinantes para o diagnóstico. Dessa forma existe necessidade de se buscar melhores marcadores diagnósticos de acidente vascular isquêmico pós-varicela em crianças
Título em inglês
Post-varicella arterial ischemic stroke in children: a series of 7 patients with neuro-cognitive performance after four years and systematic review
Palavras-chave em inglês
Arterial ischemic stroke
Artheriopaty
Basal ganglia cerebrovascular disease
Chickenpox
Child
Resumo em inglês
Introduction: Few data exist about the diagnosis and prognosis of children who were victims of an arterial ischemic stroke (AIS) caused by post-varicella vasculopathy/artheriopathy and there is no systematic review about children with transitory artheriopathy/vasculopathy. Objetives: To report seven cases of children who suffered post-varicella AIS, with special focus to the clinical/laboratory aspects, in addition to their neuro-cognitive performance after four years. We also perform a systematic review about the association between VZV and transitory artheriopathy/vasculopathy. Methods: Systematic review. Relevant studies were sought using the following data-bases: EMBASES; Pubmed; Bireme; LILACS and Web of Science. Searches used the following keywords: transitory artheriopathy/ vasculopathy or post varicella artheriopathy or focal artheriopathy and VZV. The PICO method was used for the selection of studies. Population: 1 month to 17 years-old, with vasculopathy/ artheriopaty in central nervous system; end-point: VZV up to 12 months before; Comparation: Transitory Vasculopathy/Artheriopaty without VZV; Outcome: VZV associated with vasculopaty/artheriopaty. One examiner performed study selection. The selected articles were analyzed by two examiners who validated the articles according to Newcastle Otawa scale. A third examiner resolved discrepancies. Series of cases: seven children were evaluated (5 boys and 2 girls) from five different pediatric emergency services within the city of Sao Paulo, Brazil, all presenting with arterial ischemic stroke (AIS) caused by post-varicella vasculopathy. Diagnosis was confirmed by Magnetic Resonance Imaging and Nuclear Magnetic Resonance Angiography. Virological diagnosis was determined using cerebrospinal fluid to detect: a) the presence of VZV DNA by polymerase chain reaction and VZV IgG and IgM antibodies and b) the involvement of the Herpes Simplex Virus type 1 and 2 (HSV 1 and 2 IgG and IgM Antibodies). The PSOM-score was applied at admission and four years after the AIS. Results: A total of 1003 publications was selected and at final evaluation only 11 articles were included with a moderate evidence level. Regarding the series of cases, seven patients, ages varying from 1.3 and 4 years, presented with hemiparesis at first physical examination and ischemic zones on imaging tests in areas irrigated by the middle cerebral artery or the internal carotid artery about 5.1 (± 3,5) months after varicella infection. Four patients (57%) had vascular lesions and three patients (42%) tested positive for VZV IgG antibodies in their CSF. No patient showed signs of exanthema, fever or IgG and IgM antibodies for Herpes Simplex Virus type 1 and 2. Thrombophilia testing came back altered for only one patient (heterozygous prothrombin gene mutation). All patients showed improvement on their sequelae scores. None recurred. Limits of this study: limited number of cases and small number of case- control studies or randomized studies for systematic review. Conclusions: We found moderate evidence level of association between transitory artheriopathy and VZV. In the series of cases, we observed the non-progressive aspect of the post-varicella AIS after four years, determined by the evaluation of motor, language and cognitive sequelae. We also observed that anti-viral DNA and/or the presence of intrathecal anti- VZV IgG antibodies were not determinants for the diagnosis. Therefore, we believe better diagnostic markers for post-varicella arterial ischemic stroke are necessary
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2019-10-07
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.