• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
https://doi.org/10.11606/T.5.2020.tde-30062021-101731
Documento
Autor
Nome completo
Ana Luiza Vieira de Araújo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2020
Orientador
Banca examinadora
Conforto, Adriana Bastos (Presidente)
Bazan, Rodrigo
Brucki, Sônia Maria Dozzi
Caldas, José Guilherme Mendes Pereira
Título em português
Aterosclerose coronária subclínica em indivíduos com Acidente Vascular Cerebral isquêmico por aterotrombose cervicocefálica e em indivíduos sem doença cerebrovascular
Palavras-chave em português
Acidente vascular cerebral (AVC)
Aterosclerose carotídea
Aterosclerose intracraniana
Doença das coronárias
Doenças cardiovasculares
Infarto do miocárdio
Resumo em português
Introdução e objetivos: O escore de cálcio coronário (CAC) é um marcador de aterosclerose coronária e está associado a uma taxa elevada de eventos cardiovasculares, porém sua relação com o acidente vascular cerebral isquêmico (AVCI) de etiologia especificamente aterotrombótica é menos estabelecida. Comparamos os CAC em pacientes com AVCI causado por aterosclerose das grandes artérias (Grupoatero) com um grupo controle (Grupocontrole), em indivíduos multiétnicos sem história de doença arterial coronária (DAC) prévia. Métodos: Neste estudo transversal, avaliamos o CAC em indivíduos com idade entre 45 e 80 anos. Pacientes do Grupoatero tinham pelo menos uma estenose sintomática >= 50% no território carotídeo e/ou no território vertebrobasilar. O Grupoatero incluiu dois subgrupos: estenose extra ou intracraniana (Grupoaterocerv_ou_intra) ou doença aterosclerótica extra e intracraniana simultaneamente (Grupoaterocerv_e_intra). Os indivíduos do Grupocontrole não tinham história de AVCI ou estenose cervicocefálica >= 50%. Indivíduos com histórico de doença cardiovascular prévia, ECG com evidência de infarto do miocárdio prévio e fontes cardio-aórticas de êmbolos foram excluídos. O risco cardiovascular foi avaliado pelas Pooled Cohort Equations (PCE). Frequências de CAC >= 100 e CAC > 0 foram comparadas entre os grupos e subgrupos com regressão logística bivariada. As comparações dos valores absolutos do CAC entre os grupos foram realizadas com o Teste de Mann-Whitney e entre os subgrupos com o teste de Kruskal-Wallis. Análises multivariadas foram realizadas para identificar fatores associados de forma independente com CAC >= 100, CAC > 0 ou valor absoluto do CAC (em escala logarítmica, Log (CAC +1). Resultados: Foram triados 386 indivíduos, sendo 80 incluídos no Grupoatero e 40, no Grupocontrole. O risco avaliado por PCE foi alto tanto no Grupoatero quanto no Grupocontrole (p = 0,794). As frequências de CAC >= 100 foram 46,3% (n = 37) no Grupoatero e 32,5% (n = 13) no Grupocontrole (OR, 1,79; 0,81-3,96; p = 0,152). CAC > 0 foi encontrado em 85% (n= 68) dos indivíduos do Grupoatero e em 57,5% (n=23) do Grupocontrole (OR, 4,19; 1,74-10,07; p = 0,001). A análise de subgrupos mostrou uma diferença estatisticamente significativa na frequência de CAC >= 100 entre o Grupoaterocerv_e_intra e o Grupocontrole (OR 4,67; 1,21-18,04; p = 0,025). Os valores absolutos de CAC foram significativamente maiores no Grupoatero (mediana, 75,4; intervalo: 0 - 2766,1), Grupoaterocerv_e_intra (mediana, 109,51; intervalo: 0 - 2766,1) e no Grupoaterocerv_ou_intra (mediana, 56,26; intervalo: 0 - 1817) em comparação com o Grupocontrole (mediana, 11,7; intervalo: 0 - 2153,7) (p = 0,028). Nas análises multivariadas, o "Grupoatero" foi significativamente associado de forma independente com o CAC > 0 e o Log (CAC +1). Em relação aos subgrupos, o Grupoaterocerv_e_intra foi significativamente associado com o Log (CAC +1). Conclusões: Pacientes com AVCI aterotrombótico, sem sintomatologia de doença coronária, apresentaram maior frequência de calcificação coronária (CAC > 0, valores absolutos de CAC) que indivíduos sem AVCI, com fatores de risco semelhantes para doença vascular. As frequências de CAC > 0, CAC >= 100 e os valores absolutos de CAC foram significativamente mais altas nos pacientes com AVCI e aterosclerose mais extensa (cervical e intracraniana) que em pacientes com lesões restritas a segmentos cervicais ou intracranianos de artérias responsáveis pela vascularização encefálica. O AVCI por aterosclerose deve ser considerado um sinal de alerta para o risco coronário
Título em inglês
Subclinical coronary atherosclerosis in subjects with ischemic stroke caused by cervicocephalic atherothrombosis
Palavras-chave em inglês
Cardiovascular diseases
Carotid artery diseases
Coronary disease
Intracranial arteriosclerosis
Myocardial infarction
Stroke
Resumo em inglês
Background: Coronary calcium score (CAC) is a marker of coronary atherosclerosis. We compared CAC scores in patients with ischemic stroke (IS) caused by large-artery atherosclerosis (Groupathero) and in a control group (Groupcontrol), in multiethnic subjects without history of symptomatic coronary artery disease (CAD). Methods: In this cross-sectional study, we evaluated CAC in subjects aged 45-80 years. Subjects in Groupathero had at least one symptomatic stenosis >= 50% in the carotid or vertebrobasilar territories. Groupathero included two subgroups: stenosis in either cervical or intracranial arteries (GroupExtraorIntra), and in at least one cervical and one intracranial artery (GroupExtra&Intra). Subjects in Groupcontrol had no history of stroke or stenosis >= 50% in cervical or intracranial arteries. Subjects with history of CHD, EKG abnormalities consistent with previous myocardial infarct or cardioaortic sources of emboli were excluded. Cardiovascular risk was assessed with pooled cohort equations (PCE) scores. Frequencies of CAC >= 100 and CAC > 0 were compared between the groups and subgroups by bivariate logistic regressions. Comparisons of absolute CAC values between groups were performed using the Mann-Whitney test and between subgroups with the Kruskal-Wallis test. Multivariate analyses were performed to identify factors associated with CAC >= 100, CAC > 0 or absolute value of CAC (in logarithmic scale, Log (CAC +1). Results: A total of 386 subjects were screened; 80 were included in the Groupathero and 40, in the Groupcontrol. PCE scores were high and similar in Groupathero and Groupcontrol (p=0.794). CAC >= 100 was found in 46.3% (n=37) of subjects with Groupathero and 32.5% (n=13) in Groupcontrol (OR, 1.79; 0.81-3.96; p= 0.152). CAC > 0 was found in 85% (n= 68) of Groupathero and 57.5% (n=23) in Groupcontrol (OR, 4.19; 1.74-10.07; p = 0,001). Subgroup analysis showed a significant difference in the proportion of CAC >= 100 between GroupExtra&Intra and Groupcontrol (OR 4.67; 1.21-18.04; p = 0.025). The absolute CAC values were significantly higher in Groupathero (median, 75.4; range: 0 - 2766.1), GroupExtra&Intra (median, 109.51; range: 0 - 2766.1) and in GroupExtraorIntra (median, 56, 26; range: 0 - 1817) compared to the Groupcontrol (median, 11.7; range: 0 - 2153.7) (p = 0.028). In multivariate analyses, "Groupathero" was significantly and independently associated with CAC > 0 and Log (CAC +1). In subgroup analyses, GroupExtra&Intra was significantly associated with Log (CAC +1). Conclusions: Patients with atherothrombotic stroke without symptoms of coronary disease had a higher frequency of coronary calcification (CAC > 0, absolute values of CAC) than individuals without stroke, with similar risk factors for vascular disease. The frequencies of CAC > 0, CAC >= 100 and the absolute values of CAC were significantly higher in patients with stroke and more extensive atherosclerosis (cervical and intracranial) than in patients with lesions restricted to cervical or intracranial segments of arteries responsible for brain vascularization. Atherothrombotic stroke should be considered a warning sign for coronary risk
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2021-06-30
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.