• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2012.tde-27112012-083016
Documento
Autor
Nome completo
Erika Urbano de Lima
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2012
Orientador
Banca examinadora
Marui, Suemi (Presidente)
Camargo, Rosalinda Yossie Asato de
Cerutti, Janete Maria
Título em português
Detecção da mutação T1799A do gene BRAF em células de carcinoma papilífero obtidas por punção aspirativa com agulha fina
Palavras-chave em português
Biópsia por agulha
Mutação
Neoplasias da glândula tireoide
Ultrassonografia
Resumo em português
O câncer da tireoide é a neoplasia endócrina mais comum, sendo responsável por cerca de 1 a 2% das neoplasias malignas da tireoide. Atualmente, a patogênese molecular do carcinoma papilífero da tireoide (CPT) tem sido relacionada à ativação aberrante da via de sinalização MAPK, desencadeada por mutações em diversos oncogenes. Destas, a mutação p.V600E do gene BRAF é a mais freqüente, sendo observada em 30%-80% dos casos. Numerosos estudos têm demonstrado que a presença dessa mutação está relacionada a uma maior agressividade do tumor e, conseqüentemente, a um prognóstico menos favorável, tornando-a um marcado importante no CPT. Contudo, poucos métodos utilizados na análise do gene BRAF em amostras de punção de nódulos tireoidianos foram satisfatórios em relação ao custo-tempo e sensibilidade do teste. Os objetivos deste estudo foram padronizar a extração de DNA a partir de amostras obtidas de PAAF guiada por ultrassom de nódulos tireoidianos; validar e determinar a eficiência e a relação custo-tempo da técnica de genotipagem por PCR em tempo real na detecção da mutação p.V600E do gene BRAF em amostras de PAAF de nódulos tireoidianos; analisar a prevalência da mutação p.V600E em pacientes com CPT; correlacionar à presença da mutação p.V600E com características clínicas e histopatológicas de maior agressividade e por fim analisar a sensibilidade, especificidade e acurácia do diagnóstico citológico em conjunto com a análise molecular da mutação p.V600E em material de PAAF. Nossa casuística foi composta por 224 pacientes, todos submetidos à tireoidectomia, cuja citologia pré-operatória foi indeterminada (Bethesda classes III a V) ou Bethesda VI (carcinoma papilífero). Foram avaliados dados clínicos e hormonais (TSH) e autoimunidade (anti-TPO e anti-TG), além das características ultrassonográficas (tamanho, estrutura, ecogenicidade, presença de microcalcificação e halo e vascularização). Os dados histológicos avaliados foram tamanho do tumor, variante histológica, invasão de cápsula, invasão vascular e linfática, extensão extratireoidiana, multicentricidade e presença de acometimento ganglionar à cirurgia. Os pacientes foram divididos em grupo benigno (n:122) e maligno (n:102), de acordo com o diagnóstico histológico final. O grupo maligno apresentou uma média de idade menor que o grupo benigno (48,9 vs 54,2 anos; p=0,008). Não observamos diferença entre os grupos com relação à dosagem sérica de TSH (p=0,467), anti-TPO (p=0,535) e anti-TG (p=0,730). Analisando as características ultrassonográficas, o tamanho e o volume dos nódulos foram maiores no grupo benigno (3,0 vs 2,6 cm e 12,38 vs 14,5 cm3; p=0,008 e p<0,001, respectivamente). Os nódulos que apresentaram hipoecogenicidade, assim como os nódulos de composição sólida, a presença de microcalcificações, ausência de halo hipoecogênico e presença de vascularização central apresentaram estatisticamente maior freqüência de malignidade. Em modelo de regressão logística, maior idade, nódulo sólido, sem halo hipoecogênico e com microcalcificações foram variáveis que influenciaram conjuntamente na presença de malignidade. No diagnóstico citológico 78,6% (176/224) dos nódulos avaliados foram classe III, IV e V, sendo que destes 35,8% (63/176) apresentaram diagnóstico histológico final maligno. Identificamos a mutação p.V600E no material de PAAF em 67,7% (69/102) dos pacientes do grupo maligno, estando presente em 70,3% (45/64) dos carcinomas papiliferos variante clássica e em 69,7% (23/33) dos carcinomas papilíferos variante folicular, sendo todos os achados confirmados em 100% das amostras através seqüenciamento automático do material obtido do tecido nodular a fresco ou parafinado dos pacientes. Nos pacientes com diagnóstico histológico de CPT (n:98), comparamos os pacientes com e sem a mutação p.V600E com relação aos dados clínicos, histológicos de pior prognóstico, presença de metástase linfonodal, classificação TNM e estádio de acordo com AJCC. Apenas a presença de idade mais avançada apresentou associação estatisticamente significativa com a presença da mutação p.V600E (p=0,041). Comparamos o diagnóstico citológico baseado na classificação de Bethesda e a análise da mutação p.V600E com o diagnóstico histológico considerado o padrão ouro para o diagnóstico de CPT. A sensibilidade, especificidade, acurácia, valor preditivo positivo e negativo do diagnóstico citológico foi de 67,4%, 94,4%, 79,8%, 93,3% e 71,2% respectivamente. Análise da mutação p.V600E isoladamente apresentou resultados similares ao do diagnóstico citológico, porém observamos que a combinação do diagnóstico citológico com análise da mutação melhorou significativamente todos os parâmetros analisados. A presença da mutação p.V600E em nossa casuística, não mostrou ser um fator isolado associado à pior prognóstico de CPT. Um maior número de pacientes e acompanhamento a longo prazo, somando-se cuidadosa avaliação clínica-morfológica com a detecção de mutação p.V600E e utilizando análises multivariadas, são necessários para esclarecer o significado prognóstico independente desta mutação. Estudos semelhantes também são necessários para encontrar uma maneira de combinar as características clínicas e ultrassonográficas, com a detecção da mutação p.V600E no material da PAAF para decidir a melhor abordagem cirúrgica
Título em inglês
Detection of BRAF gene mutation T1799A in papillary carcinoma cells obtained by fine needle aspiration
Palavras-chave em inglês
Biopsy needle
Mutation
Thyroid neoplasms
Ultrasonography
Resumo em inglês
Thyroid cancer is the most common endocrine malignancy, accounting for 1- 2% of thyroid malignancies. Currently, the molecular pathogenesis of papillary thyroid carcinoma (PTC) has been linked to aberrant activation of the MAPK signaling pathway, triggered by mutations in several oncogenes. Of these, the p.V600E mutation of BRAF gene is the most frequent, being observed in 30%-80% of cases. Several studies have shown that the presence of this mutation is associated with an increased aggressiveness of the tumor and, consequently, a less favorable prognosis, making it an important set PTC. However, few methods used for analyzing samples from fine needle aspiration (FNA) of thyroid nodules were satisfactory regarding cost, time and sensitivity. The objectives of this study were to standardize the DNA extraction from samples obtained from ultrasound (US)-guided FNA of thyroid nodules; validate and determine the efficiency and cost-time of real-time PCR genotyping technique to detect p.V600E mutation from samples of FNA of thyroid nodules, to assess the prevalence of the mutation p.V600E mutation in patients with PTC, correlate the presence of the p.V600E mutation with clinical and histopathological features of higher aggressiveness and finally analyze the sensitivity, specificity and accuracy of cytological diagnosis in conjunction with molecular analysis of the p.V600E mutation in FNA material. Our series consisted of 224 patients, all underwent thyroidectomy, whose preoperative cytology was indeterminate (Bethesda classes III to V) or Bethesda VI (papillary carcinoma). We evaluated clinical data and hormone (TSH) and autoimmunity (anti-TPO and anti-TG), and the sonographic features (size, structure, echogenicity, presence of microcalcifications and halo and vasculature). The histological data were tumor size, histological variant, capsule invasion, lymphatic and vascular invasion, extrathyroidal extension, multicentricity and presence of malignant lymph nodes at surgery. Results: The patients were divided into benign (n:122) and malignant group (n:102), according to the final histological diagnosis. Malignant group had a mean age lower than the benign group (48.9 vs 54.2 years, p=0.008). There were no differences between groups regarding serum TSH (p=0.467), anti-TPO (p=0.535) and anti-TG (p=0.730). According to US characteristics, size and volume of the nodules were higher in the benign group (3.0 vs 2.6 cm and 12.38 cm 3 vs 14.5, p=0.008 and p<0.001, respectively). The nodules that showed hypoechogenicity, as well as the composition of solid nodules, the presence of microcalcifications, absence of hypoechoic halo and presence of central vascularization showed statistically higher frequency of malignancy. In the logistic regression model, older age, solid nodule without hypoechoic halo and microcalcifications were variables that influenced jointly in the presence of malignancy. In cytological diagnosis 78.6% (176/224) of nodules were evaluated as class III, IV and V, and of these 35.8% (63/176) had final histological diagnosis of malignant. The p.V600E mutation were identified in FNA material in 67.7% (69/102) of patients in malignant group, present in 70.3% (45/64) of papillary carcinoma classic variant and 69.7% (23/33) of follicular variant of papillary carcinoma, and all findings are confirmed in 100% of the samples through sequencing of the material obtained from the surgical tumor (fresh or paraffin). In patients with confirmed PTC (n:98), we compared patients with and without the mutation p.V600E according to clinical, histological poor prognosis, lymph node metastasis, and TNM stage according to AJCC. Only the presence of older age were significantly associated with the presence of the mutation p.V600E (p=0.041). We compared the cytological diagnosis based on the Bethesda classification and mutation analysis with the histological diagnosis p.V600E, the "gold standard" for diagnosis of PTC. Sensitivity, specificity, accuracy, positive and negative predictive value of cytological diagnosis was 67.4%, 94.4%, 79.8%, 93.3% and 71.2% respectively. Analysis of p.V600E mutation alone showed similar results to the cytological diagnosis, but we observed that the combination of cytological diagnosis with mutation analysis significantly improved all parameters analyzed. The presence of the mutation p.V600E in our series was not a single factor associated with worse prognosis of PTC. A larger number of patients and long term follow-up, adding to careful clinicalmorphological with p.V600E and mutation detection using multivariate analyzes are needed to clarify the independent prognostic significance of this mutation. Similar studies are also needed to find a combination among clinical and US, with p.V600E mutation detection in FNA material to decide the best surgical approach
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
ErikaUrbanodeLima.pdf (1.41 Mbytes)
Data de Publicação
2012-11-27
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.