• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2017.tde-31072017-132901
Documento
Autor
Nome completo
Mirella Alves da Cunha
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Lindoso, José Angelo Lauletta (Presidente)
França, Francisco Oscar de Siqueira
Sanchez, Maria Carmen Arroyo
Silva, Igor Thiago Borges de Queiroz e
Título em português
Frequência da infecção por Leishmania spp. em pacientes com HIV/aids vivendo em área urbana
Palavras-chave em português
Coinfecção
Diagnóstico
HIV
Leishmaniose
Leishmaniose visceral
Síndrome da imunodeficiência adquirida
Resumo em português
Introdução: coinfecção Leishmania/HIV representa um grande problema de saúde visto que há maior recidiva e letalidade por leishmaniose visceral na população de pacientes vivendo com HIV/aids. No entanto, pouco se sabe a respeito da frequência da infecção por Leishmania em pacientes assintomáticos com HIV, que podem futuramente desenvolver doença plenamente manifesta. Ademais poucas informações sobre o desempenho dos métodos de diagnóstico laboratorial de leishmaniose em pacientes coinfectados estão disponíveis no Brasil e na América Latina. Objetivos: avaliar a frequência da infecção por Leishmania spp. em pacientes com HIV/aids em uma coorte de São Paulo/SP, a positividade dos métodos sorológicos e moleculares em pacientes com HIV/aids e as possíveis associações da positividade dos diferentes métodos laboratoriais com variáveis clínicas, laboratoriais e epidemiológicas. Material e métodos: estudo transversal, realizado com pacientes atendidos no Instituto de Infectologia Emílio Ribas com diagnóstico de infecção pelo HIV. A amostra foi calculada com base na prevalência da infecção por Leishmania spp. em pacientes com HIV/aids, estimada em estudos prévios. Foram incluídos 240 pacientes nesta amostragem, os quais foram submetidos à coleta de sangue periférico em dois tubos: um tubo seco para análise sorológica; um tubo contendo EDTA, para o diagnóstico molecular. As amostras foram submetidas aos seguintes testes diagnósticos: ELISA usando antígenos de L. major-like (ELISA L. major-like); ELISA usando antígenos de Leptomonas seymouri (ELISA Leptomonas); ELISA usando antígenos rk39 (ELISA rK39); ELISA usando antígenos rK28 (ELISA rK28); Reação de imunofluorescência indireta (RIFI); Teste de Aglutinação Direta (DAT); Reação em cadeia da polimerase (PCR) com os seguintes genes alvos: kDNA (PCR kDNA) e ITS-1 (PCR ITS-1). Resultados: a frequência, levando-se em consideração a positividade em pelo menos um dos métodos empregados, foi de 34,6%. Sessenta pacientes (25%) foram positivos para ELISA L. major-like; nove (3,8%) para ELISA Leptomonas; três (1,3%) para ELISA rK39; seis (2,5%) para ELISA rK28; onze (4,6%) para RIFI; quatro (1,7%) para PCR kDNA; 10 (4,2%) para PCR ITS-1. Nenhuma amostra foi positiva para DAT. Não houve associação da positividade dos testes com contato com área endêmica para LV ou presença de sintomas sugestivos de LV. Para ELISA L.major-like, ELISA Leptomonas e RIFI, houve associação entre valores de contagem de linfócitos T CD4+ e positividade dos testes. Conclusões: Houve uma alta prevalência da infecção por Leishmania spp. em pacientes infectados pelo HIV na amostra estudada, principalmente utilizando-se ELISA com antígeno total de L. major-like. Apesar de existir a possibilidade de reação cruzada com outros antígenos que possam ter influenciado na positividade de alguns testes, especialmente ELISA L. major-like, outros testes considerados altamente específicos para o diagnóstico de infecção por Leishmania também se apresentaram positivos, o que pode demonstra a magnitude da coinfecção Leishmania/HIV na amostra estudada. Houve associação entre positividade de alguns testes estudados e os valores de linfócitos T CD4+, com maior positividade destes testes em pacientes mais imunodeprimidos. Presença de sintomatologia ou epidemiologia para LV não tiveram influência na positividade dos testes diagnósticos
Título em inglês
Frequency of Leishmania ssp. infection among HIV-infected patients living in an urban area
Palavras-chave em inglês
Acquired immunodeficiency syndrome
Coinfection
Diagnosis
HIV
Leishmaniasis
Leishmaniasis visceral
Resumo em inglês
Introduction: Leishmania/HIV coinfection represents a major health problem since there is greater relapse and lethality due to visceral leishmaniasis in HIV infected population. However, there are few information about the frequency of Leishmania infection in asymptomatic HIV infected individuals, who may develop full-blown symptomatic disease in the future. In addition, few information about the performance of laboratory diagnostic methods for leishmaniasis in coinfected patients are available in Brazil and Latin America. Objectives: The main objective is evaluate the frequency of Leishmania spp. infection in HIV infected patients in a patient cohort from São Paulo/SP. This study also aims to evaluate the positivity of the serological and molecular methods in HIV/AIDS patients and the possible associations of the positivity of the different laboratory methods regarding to clinical, laboratory and epidemiological variables. Material and methods: a cross-sectional study including HIV infected patients treated at Institute of Infectious Diseases Emilio Ribas. The sample was calculated considering the frequency of Leishmania spp. infection in HIV infected patients estimated in previous studies. Two hundred and forty patients were included, whose were submitted to peripheral blood collection in two tubes: a dry tube for serological analysis; a tube containing EDTA, for molecular diagnosis. The samples were submitted to the following diagnostic tests: ELISA using L. major-like antigens (ELISA L. major-like); ELISA using Leptomonas seymouri antigens (ELISA Leptomonas); ELISA using rk39 antigens (ELISA rK39); ELISA using rK28 antigens (ELISA rK28); indirect fluorescent-antibody test (IFAT); direct agglutination test (DAT); polymerase chain reaction (PCR) with the following target genes: kDNA (kDNA PCR) and ITS-1 (ITS-1 PCR). Results: the frequency considering at least one test positive was 34.6%. Sixty patients (25%) were positive by ELISA L. major-like; nine (3.8%) by ELISA Leptomonas; three (1.3%) by ELISA rK39; six (2.5%) by ELISA rK28; eleven (4.6%) by IFAT; four (1.7%) by kDNA PCR; 10 (4.2%) by ITS-1 PCR. No sample was positive by DAT. There was no association between the positivity of the tests and history of having lived in a VL transmission area or presence of symptoms suggestive of VL. For ELISA L.major-like, ELISA Leptomonas and IFAT, there was an association between CD4+ T-lymphocyte counts and test positivity. Conclusions: there was a high prevalence of Leishmania spp. in HIV-infected patients included, mainly using ELISA with total L. major-like antigen. Although there is a possibility of cross-reaction with other antigens that can influence the positivity of some tests, especially ELISA L. major-like, other tests considered to be highly specific for the diagnosis of Leishmania infection were also positive, which may demonstrate the magnitude of Leishmania/HIV coinfection in the sample studied. There was an association between the positivity of some tests studied and the values of T CD4+ lymphocytes, with a higher positivity of these tests in more immunosuppressed patients. Presence of symptoms or epidemiology for VL had no influence on the positivity of the diagnostic tests
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2017-08-02
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.