• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Mémoire de Maîtrise
DOI
10.11606/D.48.2015.tde-18122015-093137
Document
Auteur
Nom complet
Vanessa Cardoso Cezário
Adresse Mail
Unité de l'USP
Domain de Connaissance
Date de Soutenance
Editeur
São Paulo, 2015
Directeur
Jury
Voltolini, Rinaldo (Président)
Bernardino, Leda Mariza Fischer
Lajonquière, Leandro de
Titre en portugais
A autoridade na família democrática: crianças, "sujeitos políticos"?
Mots-clés en portugais
Autoridade
Contemporaneidade
Democracia
Educação
Família
Psicanálise
Resumé en portugais
Este trabalho trata das transformações que permitiram a família assumir uma configuração democrática e as consequências para a autoridade dos pais com os filhos. O conceito de social arendtiano define, em vários níveis, os fundamentos dessas mudanças, assim como a época que chamamos de contemporaneidade para fazer referência, principalmente, à segunda metade do século XX. Essa família, mais privada na conjugalidade e mais pública na parentalidade, embora de certa forma desvinculada das instituições que antes a definia, pretende funcionar como uma pequena democracia e a autoridade dos pais não é mais um aspecto evidente da educação. A partir desse contexto lançamos as seguintes questões: Quais podem ser as consequências para a educação quando um conceito do âmbito político e público é transportado para o privado? O que muda no laço de filiação quando a autoridade é preterida em favor de uma suposta igualdade ou democracia? As crianças podem sustentar uma posição política, ainda que no privado? A nossa hipótese é que a ideia de igualdade, presente sob várias formas entre os adultos, estendeu-se para as relações de filiação, e, em seu viés mais radical, desconsiderou a especificidade da educação causando dificuldades nessa área. Nosso objetivo foi verificar como as transformações das esferas pública e privada interferiram na dinâmica familiar, caracterizar a família democrática e demonstrar que a autoridade não tem somente o viés negativo que se quer combater na educação atual. Concluímos que, embora atualmente as crianças sejam sujeitos de direitos e a família funcione como uma pequena democracia, elas não são sujeitos políticos. Em sua perspectiva infantil, as crianças não têm condições de sustentar a ação e o discurso em seu nome como membro da polis. Diante delas, ainda é preciso que o adulto tenha a posição de autoridade que não cabe à política.
Titre en anglais
Authority in the democratic family: children, political subjects?
Mots-clés en anglais
Authority
Contemporaneity
Democracy
Education
Family
Psychoanalysis
Resumé en anglais
This article discusses the transformations that allowed the modern family to assume a democratic setting and the consequences for the parental authority from parents to the children. The arendtian concept of social defines, in several levels, the foundations of these changes, as well as the time we call contemporaneity, to refer, mainly, to the second half of the 20th century. This kind of family, private in conjugality and public in parenting, although detached from institutions that defined it before, intends to function like a small democracy and the parental authority is no longer more an evident aspect in education. Based on this context we asked the following questions: which may be the consequences for education when a concept of the political and public scope is transported to a private scope? What changes in the affiliation bond when authority is deprecated in favor of a supposed equality or democracy? Can children support a political view, even in private life? Our hypothesis is that the idea of equality is extended to the filiation bonds, and in its most radical side, disregards the specificity of the education causing difficulties in this area. Our objective was to verify how transformations in the public and private spheres interfere at the familiar dynamics, characterize the democratic family and demonstrate that authority doesnt have only the negative bias that many people want to fight against. Wed concluded that, although in nowadays kids are holders of rights and that family works as a small democracy, they are not political subject. Under their infant perspective, children are unable to sustain the action and the speech on their behalf as a member of the polis. Before them, it is still necessary that an adult person has the authority position that does not belongs to politics.
 
AVERTISSEMENT - Regarde ce document est soumise à votre acceptation des conditions d'utilisation suivantes:
Ce document est uniquement à des fins privées pour la recherche et l'enseignement. Reproduction à des fins commerciales est interdite. Cette droits couvrent l'ensemble des données sur ce document ainsi que son contenu. Toute utilisation ou de copie de ce document, en totalité ou en partie, doit inclure le nom de l'auteur.
Date de Publication
2015-12-22
 
AVERTISSEMENT: Apprenez ce que sont des œvres dérivées cliquant ici.
Tous droits de la thèse/dissertation appartiennent aux auteurs
Centro de Informática de São Carlos
Bibliothèque Numérique de Thèses et Mémoires de l'USP. Copyright © 2001-2021. Tous droits réservés.