• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
https://doi.org/10.11606/T.47.2020.tde-28052020-185500
Documento
Autor
Nome completo
Paulo Antonio de Campos Beer
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2020
Orientador
Banca examinadora
Silva Junior, Nelson da (Presidente)
Dunker, Christian Ingo Lenz
Ferretti, Marcelo Galletti
Iannini, Gilson de Paulo Moreira
Silveira, Léa Carneiro
Zagury, Ilana Katz
Título em português
A questão da verdade na produção de conhecimento sobre sofrimento psíquico: considerações a partir de Ian Hacking e Jacques Lacan
Palavras-chave em português
Filosofia da ciência
Psicanálise
Sofrimento psíquico
Verdade
Resumo em português
O objetivo desta tese é reafirmar a necessidade de debate sobre a questão da verdade na produção de conhecimento sobre sofrimento psíquico. Parte-se da acepção de que a questão da verdade carrega duas formas principais: por um lado, ela é o termo empregado na legitimação de conhecimentos produzidos, instaurando padrões normativos; por outro, apresenta-se enquanto elemento disruptivo, sendo uma forma crítica ao saber estabelecido. Trata-se de uma discussão que engloba tanto a afirmação do caráter necessário quanto a variabilidade do conhecimento, de forma que será argumentado que o termo verdade deve ser tomado enquanto a reunião recíproca de elementos epistemológicos, ontológicos, éticos e políticos. A compreensão historicizada da ciência, formulada por Ian Hacking, permite pensar que as bases da prática científica são contingentes, mas ainda assim produzir um conhecimento necessário. Desse modo, é possível estabelecer um campo em que compreensões normativas sobre o fazer científico podem ser criticadas sem resultar num tipo de desqualificação do conhecimento produzido. Junto a isso, a proposição do filósofo de uma ontologia histórica e seu nominalismo dinâmico apresentam uma importante contribuição para o debate acerca da produção de conhecimento sobre sofrimento psíquico, ao introduzir a consideração dos efeitos ontológicos do conhecimento. Com isso, apresentamos o modo como a questão da verdade é mobilizada dentro da psicanálise lacaniana, a partir de três elementos centrais: a autonomia da verdade em relação ao sujeito (a verdade fala), o caráter opositor e temporário de uma verdade positivada em relação ao saber estabelecido (a verdade enquanto crítica) e a dimensão negativa da verdade que responde à inesgotabilidade desse processo dialético de negações (a verdade como diferença radical). Argumentamos que é possível pensar em um estilo de raciocínio (nos termos de Hacking) próprio à psicanálise, baseado numa noção de negatividade forte. Além disso, ambas as racionalidades trabalham com uma concepção de conhecimento historicizada e que não responde a nenhum critério externo (ou interno) que garanta sua verdade. Entretanto, a psicanálise leva a questão da negatividade mais longe do que a filosofia da ciência de Hacking, oferecendo possibilidades mais amplas de pensar a causalidade do sofrimento psíquico. Os dois caminhos levam, mesmo que com diferentes intensidades, à necessidade de implicação ética e política na produção e no uso do conhecimento. Uma vez que não há uma instância que garanta epistemologicamente o saber, a pertinência de sua produção é tributária de acordos sociais e posicionamentos éticos. Há, portanto, a necessidade de consideração de relações de poder. Por fim, argumentamos que a negatividade forte que sustentamos a partir da psicanálise localiza o político enquanto o campo de negociação por excelência, inescapável pelo próprio fato de que não é possível cristalizar uma forma da verdade que não seja a afirmação da diferença. Sustentamos, desse modo, que a introdução da questão da verdade tem como horizonte a produção de um conhecimento sobre sofrimento psíquico que coloque em xeque, a todo momento, seus pressupostos epistemológicos, ontológicos, éticos e políticos
Título em inglês
The question of truth in the production of knowledge about psychic suffering: considerations inspired by a critical reading of Ian Hacking and Jacques Lacan
Palavras-chave em inglês
Philosophy of Science
Psychic Suffering
Psychoanalysis
Truth
Resumo em inglês
This thesis aims to reaffirm the necessity of the debate about the status of truth in the context of knowledge production about psychic suffering. It states, first and foremost, that truth is employed in two different outlines: on one hand, it is employed to legitimize produced knowledge, thus establishing normative patterns; while on the other hand it is presented as a disruptive element, working as a critical instance to established knowledge. Considering truth in such terms locates knowledge in terms both of its necessary as its variable character, and the term truth itself stand dependent on epistemological, ontological, ethical and political elements. This standpoint articulates with Ian Hackings historicized understanding of science, which enables the consideration of contingent bases to scientific practice but still producing knowledge that must be considered as necessary. In this sense, it is possible to establish a field in which normative understandings about scientific praxis might be criticized without resulting in any kind of refusal or disqualification of the produced knowledge. In addition, his proposition of a historical ontology and of a dynamic nominalism presents an important contribution to understand the workings of knowledge production in the context of psychical suffering, by introducing into the debate the consideration of the ontological effects of produced knowledge. Taking these issues into account the thesis moves on to the matter of the way in which the concept of truth is construed within Lacanian psychoanalysis, focusing on three main elements: 1. truths autonomy toward the subject (truth speaks), 2. the opposing and temporary character of a positivized truth facing established knowledge (truth as critique), and 3. the negative dimension of truth, which relates to the inexhaustibility of this dialectical process of negations (truth as radical difference). It is argued that it is possible to sustain a particular reasoning style (in Hackings terms) for psychoanalysis, based on a radical conception of negativity. Also, both rationalities (Lacans and Hackings) work with a historicized understanding of knowledge that does not have any external (nor internal) criteria to warrant its truth. However, psychoanalysis takes negativity beyond Hackings philosophy of science, offering a wider range of possibilities when thinking about causality for psychic suffering. Both ways (albeit with different intensities) lead to a consideration of the necessary ethical and political implication in knowledge production and deployment once there is no epistemological warranty to knowledge, its production value is tied to social agreements and ethical positionings. There is, therefore, the necessity of considering power relations
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
beer_do.pdf (10.72 Mbytes)
Data de Publicação
2020-05-29
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.