• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
https://doi.org/10.11606/T.47.2021.tde-12082021-220350
Documento
Autor
Nome completo
Rafael Alves Lima
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2021
Orientador
Banca examinadora
Dunker, Christian Ingo Lenz (Presidente)
Endo, Paulo César
Facchinetti, Cristiana
Oliveira, Carmen Lúcia Montechi Valladares de
Safatle, Vladimir Pinheiro
Título em português
A Psicanálise na ditadura civil-militar brasileira (1964-1985): história, clínica e política
Palavras-chave em português
Brasil
Clínica
Ditadura civil-militar
História
Política
Psicanálise
Resumo em português
O objetivo do presente trabalho é reconstituir a história da psicanálise no Brasil durante o período ditatorial entre 1964 e 1985. Para tal, foram construídos expedientes metodológicos inspirados na obra de Bourdieu, Wright Mills e na abordagem prosopográfica. A partir deles são organizados dois pares de eixos, as rotas filiatórias e as rotas migratórias, que por sua vez sistematizaram a diferenciação entre iniciativas pontuais de psicanalistas e movimentos psicanalíticos, visando compreender como se portaram os movimentos psicanalíticos nacionais em termos de autonomia relativa em relação às injunções do Estado ditatorial. A grande maioria das fontes primárias consultadas é oriunda de três plataformas de arquivos distintas, o portal Memórias Reveladas, o Arquivo Público do Estado de São Paulo e o portal Hemeroteca. Pela qualidade dos arquivos, foi proposto ainda um entendimento geral acerca da política do segredo em história da psicanálise. Parte-se do pressuposto do autoritarismo de crise no golpe militar de 1964, configurando a aliança de ocasião com setores liberais da sociedade civil. Os movimentos oficiais respondem pela via da criação do que foi denominado de mito nacional do pedigree, presente enquanto modalidade historiográfica singular e enquanto fundação de recursos editoriais de estabilização de conceitos e práticas. Com o endurecimento do regime militar nos últimos anos da década de 1960, há uma redistribuição do jogo de forças, cuja resposta intelectual das resistências à ditadura ligadas à psicanálise se assentam no freudo-marxismo de um lado e, de outro, o alinhamento oficialista das práticas e conceitos sob a égide da ética da maturidade. Devido à infiltração do argumento ideológico da guerra psicológica, o campo se descaracteriza em chave heterônoma, sob o paradoxo do processo de grande popularização do freudismo a que se denomina boom da psicanálise. Da segunda metade dos anos 1970 em diante, quando o regime ensaia a distensão e inclui o horizonte da transição democrática, consolida-se tanto o milagre da multiplicação legítima dos processos instituintes dos movimentos psicanalíticos quanto uma biblioteca crítica psicanalítica, responsáveis clínica e intelectualmente pela quebra da hegemonia ipeísta no Brasil. Por fim, conclui-se que a ditadura civil-militar brasileira impôs aos movimentos psicanalíticos um processamento heterônomo de consolidação e expansão no país, cuja história de distorções de fronteiras entre espaços civis e militares gerou colaborações e resistências. Essa história, portanto, reafirma o compromisso irrestrito da psicanálise com o horizonte político da democracia para que se possa falar em agendas clínicas e intelectuais em termos de autonomia relativa
Título em inglês
Psychoanalysis in the brazilian civil-military dictatorship (1964-1985): history, clinic and politics
Palavras-chave em inglês
Brazil
civil-military Dictatorship
Clinic
History
Policy
Psychoanalysis
Resumo em inglês
The aim of the present work is to reconstruct the history of psychoanalysis in Brazil during the dictatorial period between 1964 and 1985. To this end, methodological expedients were built, inspired by the work of Bourdieu, Wright Mills and the prosopographic approach. From them two pairs of axes are organized, the affiliate routes and the migratory routes, which in turn systematized the differentiation between specific initiatives of psychoanalysts and psychoanalytic movements, aiming to understand how the national psychoanalytic movements behaved in terms of relative autonomy in relation to to the injunctions of the dictatorial state. The vast majority of the primary sources consulted come from three different file platforms, the Memórias Reveladas portal, the São Paulo State Public Archive and the Hemeroteca portal. Due to the quality of the archives, a general understanding of the policy of secrecy in the history of psychoanalysis was also proposed. It is based on the assumption of crisis authoritarianism in the 1964 military coup, configuring the occasion alliance with liberal sectors of civil society. Official movements respond by creating what has been called the national myth of the pedigree, present as a unique historiographical modality and as a foundation of editorial resources for the stabilization of concepts and practices. With the hardening of the military regime in the last years of the 1960s, there is a redistribution of the play of the forces, whose intellectual response to the resistance to the dictatorship linked to psychoanalysis is based on Freudo-Marxism on the one hand and, on the other, the official alignment of practices and concepts under the aegis of the ethics of maturity. Due to the infiltration of the ideological argument of psychological warfare, the field is mischaracterized in a heteronomous way, under the paradox of the process of great popularization of Freudism, which is called the psychoanalysis boom. From the second half of the 1970s onwards, when the regime rehearses the distension and includes the horizon of the democratic transition, both the miracle of the legitimate multiplication of the instituting processes of psychoanalytic movements and a critical psychoanalytic library, both clinically and intellectually responsible for the breakdown, are consolidated. ipeist hegemony in Brazil. Finally, it is concluded that the Brazilian civil-military dictatorship imposed on the psychoanalytic movements a heteronomous process of consolidation and expansion in the country, whose history of border distortions between civil and military spaces generated collaborations and resistance. This history, therefore, reaffirms the unrestricted commitment of psychoanalysis to the political horizon of democracy so that one can speak of clinical and intellectual agendas in terms of relative autonomy
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
lima_do.pdf (18.36 Mbytes)
Data de Publicação
2021-08-13
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.