• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Disertación de Maestría
DOI
https://doi.org/10.11606/D.47.2020.tde-05112020-194001
Documento
Autor
Nombre completo
Natália Machado Anchieta
Dirección Electrónica
Instituto/Escuela/Facultad
Área de Conocimiento
Fecha de Defensa
Publicación
São Paulo, 2020
Director
Tribunal
Valentova, Jaroslava Varella (Presidente)
Castro, Felipe Nalon
Garcia, Maria Carolina
Mafra, Anthonieta Looman
Título en portugués
A modificação de aparências em mulheres: aspectos psicológicos, autopercepção e placebo
Palabras clave en portugués
Autoavaliação
Maquiagem
Modificação de aparência
Placebo
Uso de cosméticos
Resumen en portugués
O comportamento de aplicar maquiagem e alterar a aparência é um modelo ideal para testar a interação entre as concepções culturais com os componentes biológicos subjacentes à atratividade física. Estudos anteriores relacionaram o uso de maquiagem com a autoestima geral em mulheres, assim como, com uma mudança de comportamento em homens. Além disso, pesquisas sugerem que a modificação de aparência influencia o comportamento das mulheres e suas autopercepções, porém, isso nunca foi estudado de forma experimental. O objetivo deste trabalho é analisar se alguns aspectos psicológicos influenciam ou podem ser influenciados pelo uso de maquiagem, e se a autopercepção das mulheres é alterada durante o uso de maquiagem em diversas intensidades. Para isso, realizamos dois estudos a partir da perspectiva etológica. O primeiro consiste na variação interindividual no uso de maquiagem (ver Capítulo 1), verificada através da resposta de questionários aplicados online sobre frequência de aplicação e gastos com cosméticos, autoestima pessoal e social, dados sociodemográficos, desejabilidade como parceira, competição intrassexual, sociossexualidade e Dark Triad (N = 1887; Midade = 31,08 anos). No segundo estudo, experimental, 50 mulheres compareceram ao laboratório (Midade = 24,26 anos) para terem a aparência de seus rostos alterada, em diversas condições experimentais (sem maquiagem, placebo, e níveis baixo, médio, alto I e alto II de maquiagem), por uma maquiadora profissional (ver Capítulo 2). Em cada nível de maquiagem, as participantes preenchiam autoavaliações sobre como se sentiam (sendo: autoestima, atratividade, saúde, idade, competência, confiança, dominância, feminilidade e satisfação com a aparência). Como resultado do Estudo I, encontramos uma correlação positiva entre o narcisismo e o uso de cosméticos, e uma correlação da frequência de uso com a autoestima social. No Estudo II, não houve correlação dos níveis mais altos de maquiagem com o Dark Triad, mas percebemos um aumento linear da autoestima entre as condições experimentais. A satisfação com a aparência não apresentou diferença entre as fases placebo e as fases com maquiagem, mas ambas foram maiores que a fase sem maquiagem. A partir dos demais resultados encontrados, elaboramos dois manuscritos de artigos científicos, sobre cada um dos estudos (Capítulos 3 e 4, respectivamente), que foram submetidos em revistas internacionais de psicologia. Nossos resultados sugerem que tanto a visualização do rosto maquiado quanto a expectativa de estar maquiada alteram positivamente (em sua maioria) como as mulheres se percebem pessoal e socialmente
Título en inglés
Not informed by the author
Palabras clave en inglés
Appearance modification
Cosmetics use
Makeup
Placebo
Self-evaluation
Resumen en inglés
The behavior of applying makeup and changing the appearance is an ideal model to test the interaction between cultural concepts and the biological components underlying physical attractiveness. Previous studies showed a relation between the use of makeup and general selfesteem in women, and a change in male behavior. These studies suggest that appearance modifications influence womens behavior and self-perceptions. However, this has never been tested experimentally. The aim of this work is to analyze if selected psychological features are associated with makeup usage, and if women change their self-perception when using different intensities of makeup. Therefore, we conducted two studies. The first focused on interindividual variation in the use of makeup (see Chapter 1), using online questionnaires asking about frequency of application of makeup and monthly spending on cosmetics, personal and social self-esteem, sociodemographic data, mate value, intrasexual competition, sociosexuality and Dark Triad of Personality (N = 1887; Mage = 31.08 years). In the second experimental study, 50 women came to the laboratory (M age = 24.26 years) to have their facial appearance changed in several experimental conditions (without makeup, placebo, and low, medium, high I and high II makeup levels) by a professional makeup artist (see Chapter 2). During each makeup level, they filled in self-assessments about self-esteem, attractiveness, health, age, competence, confidence, dominance, femininity and satisfaction with appearance. In Study I, we found a correlation between narcissism and the use of cosmetics, and a correlation between the frequency of makeup usage and social self-esteem. In Study II, there was no correlation between the highest makeup levels and the Dark Triad, but we noticed a linear increase in selfesteem among the experimental conditions. Appearance satisfaction did not show any difference between the placebo and the makeup phases, but both were higher than the phase without makeup. Using other data from these studies, we prepared two manuscripts, about each one of the studies (see Chapters 3 and 4, respectively), that were submitted to international psychology journals. Our results suggest that both the made-up face and the expectation of having makeup applied positively alter (in most cases) the way women perceive themselves personally and socially
 
ADVERTENCIA - La consulta de este documento queda condicionada a la aceptación de las siguientes condiciones de uso:
Este documento es únicamente para usos privados enmarcados en actividades de investigación y docencia. No se autoriza su reproducción con finalidades de lucro. Esta reserva de derechos afecta tanto los datos del documento como a sus contenidos. En la utilización o cita de partes del documento es obligado indicar el nombre de la persona autora.
anchieta_original.pdf (2.95 Mbytes)
Fecha de Publicación
2020-11-09
 
ADVERTENCIA: Aprenda que son los trabajos derivados haciendo clic aquí.
Todos los derechos de la tesis/disertación pertenecen a los autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Tesis y Disertaciones de la USP. Copyright © 2001-2022. Todos los derechos reservados.