• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
https://doi.org/10.11606/T.47.2020.tde-21082020-144036
Documento
Autor
Nome completo
Adilson Paes de Souza
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2020
Orientador
Banca examinadora
Sekkel, Marie Claire (Presidente)
Barros, Carlos César
Durão, Susana Soares Branco
Schmidt, Maria Luisa Sandoval
Silva, Luis Guilherme Galeão da
Silva, Roberto Romano da
Título em português
O policial que mata: um estudo sobre a letalidade praticada por policiais militares do Estado de São Paulo
Palavras-chave em português
Letalidade policial
Polícia militar
Subjetividade policial
Teoria crítica da sociedade
Violência policial
Resumo em português
A Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP) é uma das polícias militares do Brasil que apresenta um dos mais elevados índices de letalidade decorrente de suas ações e é também uma das polícias que mais mata pessoas no mundo. Esta tese tem como objetivo refletir sobre as determinantes presentes no fenômeno da letalidade policial na PMESP, nos âmbitos social, institucional e subjetivo e suas consequências na vida social e no adoecimento do policial militar. Como fontes de pesquisa há duas entrevistas semi estruturadas, realizadas com policiais militares da PMESP; nove relatos de policiais, publicados em outros trabalhos de pesquisa; além do relato autobiográfico do autor, enquanto oficial da PMESP. A análise foi fundamentada na teoria crítica da sociedade e na teoria da psicodinâmica do trabalho. Como resultado, verificou-se que o processo de militarização da polícia militar, a educação policial, o discurso de guerra e de eliminação do inimigo, e a organização de trabalho na PMESP, geram fortes tensões, ansiedade e sofrimento aos policiais militares, levando à necessidade de produção de mecanismos de defesa, o que se relaciona com a alta incidência da letalidade e os altos índices de suicídio entre os policiais. Na conclusão deste trabalho ganha relevo a ideia de que o enfrentamento da letalidade policial não se reduz ao problema da impunidade. É necessário impedir que as condições que geram esta letalidade continuem existindo. Algumas ações para o enfrentamento da letalidade são sugeridas, tais como: a revogação de dispositivos legais que permitem a existência e a atuação da polícia militar de forma letal e sem o efetivo controle da sociedade; a reforma do sistema educacional da PMESP; a realização de mais pesquisas que auxiliem no entendimento do problema da letalidade policial e que possam apontar caminhos para a sua superação
Título em inglês
The police officer who kills: a study on the lethality practiced by military police officers of the Sao Paulo State Military Police
Palavras-chave em inglês
Critical theory of society
Military police
Police lethality
Police subjectivity
Police violence
Resumo em inglês
The Sao Paulo State Military Police (SPSMP) are among the military police in Brazil that have one of the highest lethality rates resulting from their actions and are also among the police that kill the most around the world. This thesis aims to reflect on the determinants present in the phenomenon of police lethality at SPSMP in the social, institutional and subjective spheres and its consequences on social life and the illness of the military police officers. Research sources include two semi-structured interviews, conducted with military police officers from SPSMP, nine police reports published in other research papers in addition to my autobiographical account as a police officer. The analysis was based on the critical theory of society and the psychodynamics theory of work. As a result, it was found that the militarization process of the military police, the police education, the discourse of war and the elimination of the enemy as well as the organization of work at SPSMP generate strong tensions, anxiety and suffering for the military police officers, leading to the production of defense mechanisms, which is related to the high incidence of lethality and high rates of police officers suicide. As a conclusion, the idea that coping with police lethality is not reduced to the problem of impunity is emphasized. It is, rather, necessary to prevent the conditions that generate this lethality from continuing to exist. And some actions are suggested, such as: the repeal of legal provisions that allow the existence and operation of the military police in a lethal manner and without effective control by society, the reform of the SPSMP educational system as well as further research that helps to understand the problem of the police lethality and that can point out ways to overcome it
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Souza_corrigida.pdf (1.69 Mbytes)
Data de Publicação
2020-08-21
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.