• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tesis Doctoral
DOI
10.11606/T.47.2016.tde-15022016-112250
Documento
Autor
Nombre completo
Gabriela Gomes Costardi
Dirección Electrónica
Instituto/Escuela/Facultad
Área de Conocimiento
Fecha de Defensa
Publicación
São Paulo, 2015
Director
Tribunal
Endo, Paulo César (Presidente)
Dunker, Christian Ingo Lenz
Goncalves Filho, Jose Moura
Silva, Adriano Correia
Voltolini, Rinaldo
Título en portugués
Ato entre vários: reflexões teóricas para uma política da psicanálise de inspiração arendtiana
Palabras clave en portugués
Autoridade
Liberdade
Política
Psicanálise
Resumen en portugués
Este trabalho busca inspiração na teoria política de Hannah Arendt com vistas a formular uma noção de política da psicanálise de orientação lacaniana. Os conceitos da teoria arendtiana que servem, especialmente, a esse diálogo são: ação política, estabelecimento de compromissos e pluralidade política. Do aporte teórico de Jacques Lacan comparecem, com especial destaque: o ato psicanalítico, a transmissão e a lógica da sexuação feminina. O princípio que reuniu ambos os autores foi o de que a ação é o dispositivo máximo de superação da repetição seja no âmbito político, seja no do sujeito do inconsciente. Ao localizar a ação política no espaço público, Arendt chama a atenção para o fato de ela ser realizada pelos homens, no plural, e em condições de igualdade; e, ainda, de ser lócus da liberdade enquanto capacidade de iniciar. Em contrapartida, a autora postula que aquilo que foi fundado pela ação conjunta adquire permanência no corpo político a partir do compromisso que se estabelece entre os indivíduos políticos, o que dá origem ao mundo. Em suma, temos que a concepção arendtiana de política tem em seu centro as noções de ação e de mundo. Do lado da psicanálise, encontramos no ato um dispositivo capaz de promover um novo início na vida subjetiva. Contudo, o ato em si mesmo não é capaz de constituir uma dimensão política, já que nem implica uma coletividade, nem o engendramento do mundo. Nesse sentido, nossa tese propõe que seja preciso acrescentar a noção de transmissão à de ato para se formular uma política da psicanálise. Isso requer que, juntamente com a categoria da verdade, seja levada em conta a do saber, já que, ao contrário da primeira, é o último que carrega uma exigência de transmissibilidade. A noção de transmissão, ainda, se mostra fundamental para nosso argumento, ao colocar em jogo uma transferência de trabalho entre vários sendo esse o significante com o qual nomeamos a coletividade que é engendrada pela dimensão política da psicanálise. Assim, ato e transmissão se colocam como categorias capazes de sustentar uma noção de política da psicanálise. Além disso, aproximamos a pluralidade política arendtiana da lógica da sexuação feminina lacaniana, com vistas a situar o tipo de coletividade que decorre dessa concepção de política em relação a outras que prezam pela unificação do corpo político. Nesse debate, consideramos como mecanismos que causam a unificação do corpo político o antagonismo e a representação, tal como encontrada na soberania e no populismo. Destacamos, ainda, que esse percurso de investigação nos permitiu refletir diretamente sobre dois importantes temas da teoria política, a partir de uma perspectiva psicanalítica, nomeadamente: a liberdade e a autoridade. Por fim, demarcamos que a pesquisa toma alguns princípios da teoria psicanalítica como fundamento de sua metodologia, a saber: a leitura e a escrita enquanto atos que concernem ao real; a consideração da dimensão transferencial da investigação e a noção de inspiração enquanto guia para posicionar os parceiros nessa interlocução sendo a última uma recomendação de Lacan quando trata da política de sua Escola
Título en inglés
Acting between variants. Theoretical reflections on the politics of psychoanalysis inspired by Hannah Arendts thought
Palabras clave en inglés
Authority
Freedom
Politics
Psychoanalysis
Resumen en inglés
This work seeks inspiration in Hannah Arendts political theory in order to formulate a notion of politics of Lacanian psychoanalysis. The Arendtian concepts that are mainly used in this dialogue are: political action, compromise, and political plurality. From Lacanian theory, we especially use: psychoanalytic act, transmission, and the feminine logic of sexuation. Arendt and Lacan have a common ground on considering that action overcomes the repetition, in political or in the unconscious subject spheres, respectively. The Arendtian political action is performed by men in the plural, and it is the locus of freedom as new beginnings. Besides promoting new beginnings, the action is supposed to assure the existence of what was brought into life, being the latter the function of compromise between political individuals. Arendt calls the world a space created between men through the action of compromise. In sum, the Arendtian conception of politics is based on the notions of action and world. In its turn, psychoanalysis affirms that the act performs new beginnings in subjective life. However, the act itself is not able to constitute a political dimension since it neither implies a collectivity, nor creates a world between individuals. In this sense, we propose that it is necessary to put together the notions of act and transmission (of knowledge) in order to formulate a psychoanalysis notion of politics, since the latter brings people together, in causing the work transference. Thus, act and transmission sustain the politics of psychoanalysis. Moreover, we put together the Arendtian political plurality and the Lacanian feminine logic of sexuation for the sake of formulating a conception of politics that works against the unification of the political body. So, we contrast this conception of politics with the ones that lead to the political bodys unification. In this debate, we consider antagonism and representation, as we found in the sovereignty the populism, to be ways of political bodys unification. This investigation also addresses two major political theory topics from the psychoanalysis point of view, namely, freedom and authority. Finally, the research considers some psychoanalytical propositions as guidelines to its methodology, namely, reading and writing as operations concerning the Real, the transferential level of the research process, and the notion of inspiration as a principle to guide the dialogue between theories
 
ADVERTENCIA - La consulta de este documento queda condicionada a la aceptación de las siguientes condiciones de uso:
Este documento es únicamente para usos privados enmarcados en actividades de investigación y docencia. No se autoriza su reproducción con finalidades de lucro. Esta reserva de derechos afecta tanto los datos del documento como a sus contenidos. En la utilización o cita de partes del documento es obligado indicar el nombre de la persona autora.
Fecha de Publicación
2016-02-17
 
ADVERTENCIA: Aprenda que son los trabajos derivados haciendo clic aquí.
Todos los derechos de la tesis/disertación pertenecen a los autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Tesis y Disertaciones de la USP. Copyright © 2001-2021. Todos los derechos reservados.