• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.47.2013.tde-12072013-113747
Documento
Autor
Nome completo
Luiz Fernando Lopes do Espírito Santo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2013
Orientador
Banca examinadora
Ribeiro, Ronilda (Presidente)
Ribeiro, Mônica Cintrão França
Souza, Marilene Proenca Rebello de
Título em português
Medicalização de crianças com queixa escolar e o núcleo de apoio à saúde da família (NASF): uma análise crítica
Palavras-chave em português
Fracasso Escolar
Medicalização
Programa de Saúde da Família
Psicologia Educacional
Psicologia Escolar
Resumo em português
Esta dissertação teve por objetivo realizar uma análise crítica da medicalização no atendimento das queixas escolares que têm lugar na Estratégia Saúde da Família (ESF). A medicalização da sociedade é um processo que instala a partir de um saber científico comprometido com a visão utilitária da civilização industrial-capitalista, que pretende manter as classes subalternas engajadas na produção de riqueza material em benefício das classes dominantes. Esse controle é operacionalizado através do biopoder e da biopolítica, que deslocam as discussões político-sociais para o território médico, silenciando os tensionamentos provocados pelo embate de classes. Como a medicalização constitui uma invasão não autorizada do saber médico em todos os quadrantes sociais, essa infiltração lesiva também ocorre no campo educacional com a pretensão de eleger supostas patologias individuais como explicações para os denominados problemas de aprendizagem, menosprezando uma gama de fatores de ordem político-pedagógica que são mais frequentes e mais significativos nas vicissitudes da escolarização. Os profissionais comprometidos com uma educação libertadora, lastreada em uma abordagem emancipadora do sujeito, devem estar atentos aos processos de humilhação e exclusão social catalizados pela medicalização da educação. O serviço de saúde da família tem um papel preponderante no manejo dos casos de queixa escolar. Após a implantação do NASF esses casos parecem aumentar de forma exponencial nas Unidades Básicas de Saúde, segundo constatação do autor com base em sua própria experiência de trabalho. A partir do estreitamento das relações UBS-Escola tanto os profissionais de saúde quanto os educadores parecem não estar cientes das implicações da medicalização da queixa escolar, conforme se depreende da análise descritivo-reflexiva de três casos atendidos pela equipe NASF em que o autor trabalhou. Nesse contexto os psicofármacos surgem como elementos de grande poder simbólico-resolutivo no imaginário dos educadores e da população usuária dos serviços de saúde. A Psicologia Escolar e Educacional, articulada com os princípios de Humanização da Saúde, torna-se fundamental para que a interface Saúde-Educação seja orientada por uma práxis interdisciplinar destinada ao enfrentamento dos danos produzidos pela educação medicalizada, garantindo que o sistema educacional brasileiro e o SUS se mantenham radicalmente compromissados com a inclusão social
Palavras-chave em inglês
Educational Psychology
Family Health Strategy
Medicalization
School Failure
School Psychology
Resumo em inglês
This research aimed at conducting a critical analysis of medicalization in attendance of school complaints that take place in the Family Health Strategy (ESF). The medicalization of society is a process that originates from a scientific knowledge committed to the utilitarian view of the industrial-capitalist civilization. This view aims at keeping the subaltern social classes engaged in the production of material wealth for the benefit of the ruling social classes. This control is operationalized through biopower and biopolitics, shifting the political and social discussions for medical territory, silencing the tensions caused by the clash of social classes. Since medicalization is an unauthorized intrusion of medical knowledge in all walks of society, this harmful infiltration also occurs in the educational field with the intention of electing individual disorders alleged as explanations for the so-called learning problems, disregarding a range of political & pedagogical factors that are more frequent and more significant in the vicissitudes of schooling. Professionals committed to a liberating education, based on the emancipatory approach of the individuals, should be alert to the processes of social exclusion and humiliation catalyzed by the medicalization of education. The health family service has an important role in the handling of cases of school complaints. After the implementation of the NASF these cases seem to have increased exponentially in Basic Health Units, according to the author's conclusion based on his own work experience. With the close relationship between UBS and the School neither health professionals nor educators seem to be aware of the implications of the medicalization of school complaints, as evident from the descriptive and reflective analysis of three cases treated by the team members at NASF, where the author worked. In this context, the psychotropics emerge as elements of great symbolic-resolutive power in the imaginary of educators and of the users of health services. The Educational and School Psychology, combined with the principles of Humanization of Health, are essential in order for the Health-Education interface be guided by an interdisciplinary praxis which aims at addressing the damage caused by the medicalized education, ensuring that the Brazilian educational system and SUS remain radically committed to social inclusion
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
lopes_me.pdf (595.23 Kbytes)
Data de Publicação
2013-07-17
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.