• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Doctoral Thesis
DOI
10.11606/T.44.2016.tde-27072016-163300
Document
Author
Full name
William Gerson Rolim de Camargo
Institute/School/College
Knowledge Area
Date of Defense
Published
São Paulo, 1944
Supervisor
Title in Portuguese
Sobre a gênese de uma jazida de molibdenita do Rio Grande do Sul.
Keywords in Portuguese
Depósito minerais
Rio Grande do Sul
Abstract in Portuguese
É necessário salientar a importância e a necessidade do estudo da gênese dos depósito minerais, antes de qualquer tentativa de exploração de lavra racional. Esse estudo prévio da gênese é tão importante e indispensável na prospecção de uma jazida, como a genealogia pormenorizada, pois dando à prospecção um cunho mais racional e científico, facilita e resume sobremaneira os trabalhos da mesma. Com a finalidade de ser estudada a gênese da jazida de molibdenita de Vacacaí e dar alguma contribuição à resolução deste problema, foi que se elaborou o presente trabalho, após dois anos de pesquisas. Em uma restrita área do Estado do Rio Grande do Sul, município de São Gabriel, foi verificada a presença de molibdenita, em coexistência paragenética com outros minerais, quase todos sulfetos, formando filões de pequena extensão e possança, mas bem ramificados e intrometidos nas fendas dos xistos da séria Porongos. A prospecção dessa jazida foi iniciada em 1939, pela Diretoria de Produção Mineral do Rio Grande do Sul, não chegando, entretanto, por motivos vários, a um resultado satisfatório no sentido de ser organizada, na ocasião, a lavra. A molibdenita foi descoberta ocasionalmente, pois a prospecção visava minerais de cobre, visto terem sido encontrados nas proximidades indícios destes últimos minerais. Essa prospecção foi dirigida pelos engenheiros de minas Mariano Sena Sobrinho e J. Pinagel daquela Diretoria. Foram realizadas duas escavações, distantes de 20 m, com o intuito de localizar o minério de cobre e molibdenita. Tais escavações evidenciaram calcopirita e molibdenita, além de outros minerais que serão ainda citados, em filões quartzíferos que seguiam, com pequenas variações, a direção N 45° e a inclinação 60° N. Com o fito de se verificar o comprimento desses filões foi aberta uma trincheira em L, cujos dois ramos faziam 45° com a direção dos filões. Tais filões mostraram-se estéreis, estando constituídos principalmente de quartzo, pequenos nódulos de calcopirita e ausência de molibdenita. Como teremos ocasião de verificar mais adiante, a mineralização do depósito por nós estudado foi de pequena escala. À vista os resultados não satisfatórios na época, ou talvez por carência de técnicos que pudessem continuar os trabalhos, foi suspensa a prospecção. Em fins de 1942, por sugestão do professor Reynaldo Saldanha da Gama, Diretor do Departamento de Mineralogia e Petrologia e do professor Viktor Leinz, da Diretoria da Produção Mineral do Rio Grande do Sul, teve início, por intermédio do autor, nova prospecção da jazida, cuja concessão de pesquisa pertence atualmente a Cia. Brasileira do Cobre. Apesar de ser a jazida considerada presumivelmente de pequena capacidade, tal fato não constituía séria objeção à prospecção no momento, pois que, qualquer quantidade de minério de molibdênio produzida seria últio, data a escassez deste material de guerra no Brasil (de conformidade com a classificação de materiais de guerra, fornecida pelo Governo dos Estados Unidos da América do Norte, o molibdênio e seus minérios são considerados materiais "mais escassos", apesar mesmo, deste país, possuir grandes depósitos de tais minérios (34). Ocorrências de molibdenita de origens diversas: pegmatítica, hidrotermal e pneumatolítica, têm sido encontrados no Brasil, nos seguintes Estados: Ceará (em pegmatito encaixado em gneis), Espírito Santo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul (veios quartzíferos), São Paulo e Rio de Janeiro (33). No Rio Grande do Sul, a molibdenita tem sido observada não somente em Vacacaí, mas também em Porto Alegre (lâminas finíssimas no granito), em Lavras (no granito) e em Encruzilhada (em veios quartzíferos do origem hidrotermal) (9). Outros minerais de molibdênio têm sido observados no Brasil além de molibdenita, principalmente wulfenita, PbMoO4, segundo minério em importância econômica daquele elemento. Assim, no Estado de São Paulo (Itapirapuan) (16) e em Minas Gerais, foram observadas ocorrências deste mineral, porém de escassa ou nula importância econômica, constituindo mineral secundário em veios de galena argentífera. A wulfenita, que teria sua gênese por alteração, originariamente contém pequeno teor de molibdênio em mistura, sob forma ainda não bem conhecida (8).
Title in English
Not available
Keywords in English
Not available
Abstract in English
In Rio Grande do Sul, Brazil, in the place named Vacacaí, (São Gabriel district), occurs a mineral deposit of molybdenite. The occurrence of this mineral and others of paragenetic origin is located somewhat in the contact area between the Algonquian granite and the schists of the same period, (Porongos series). The main purpose of this paper was the study og the history of the region, the genesis and the paragenesis of the minerals and some correlated phenomena. Special attention was given to the geological and petrographical features of the region, whose rocks consist predominantly of epi-meso-metamorphic schists, granite, andesite and relies of Devonian (?) arkoses (Camaquan series). The alkaline granite wich is intruded in the schists was responsible for the effects of contact and "lit-part-lit" metamorphism wich follows the structure of the schists. Feldspathization and sericitization are common in the contact zone. The molybdenite masses are related to few deep-seated high temperature quartz veins which are enclosed in the feldspathizied schists. The ore minerals are molybdenite, chalcopyrite, pyrite, gold, hornite, copper and magnetite. The gangue is mainly quartz, fluorite, epidot, calcite, limonite and malachite occur locally. The viens, certainly formed at considerable depths, and classified as hipo-mesothermal veins, according to the Lindgren's classification, are connected to the granitic intrusion. Molybdenite occurs either in veins or disseminated in the country-rock. The writer is of the opinion that the fluorin had played an important part regarding to the precipitation of molybdenite, which should be present as a volatile constituent - MoF6 - in the granitic magma. Finally the authoor concludes that the first mineral to be formed was molybdenite, which was succeeded by others
 
WARNING - Viewing this document is conditioned on your acceptance of the following terms of use:
This document is only for private use for research and teaching activities. Reproduction for commercial use is forbidden. This rights cover the whole data about this document as well as its contents. Any uses or copies of this document in whole or in part must include the author's name.
Camargo_Doutorado.pdf (20.22 Mbytes)
Publishing Date
2016-07-29
 
WARNING: Learn what derived works are clicking here.
All rights of the thesis/dissertation are from the authors
CeTI-SC/STI
Digital Library of Theses and Dissertations of USP. Copyright © 2001-2021. All rights reserved.