• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.44.1992.tde-24092013-094556
Documento
Autor
Nome completo
Luiz Alberto Fernandes
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 1992
Orientador
Banca examinadora
Coimbra, Armando Marcio (Presidente)
Chang, Maria Rita Caetano
Santos, Paulo Roberto dos
Título em português
A cobertura cretácea suprabasaltica no Paraná e Pontal do Paranapanema (SP): os grupos Bauru e Caiua
Palavras-chave em português
Brasil
Estratigrafia
Geologia
Paraná
Pontal do Paranapanema(SP)
Resumo em português
O estudo apresenta a reconstituição paleogeográfica e evolução geológica da cobertura sedimentar cretácea suprabasáltica no Estado do Paraná e Pontal do Paranapanema (SP), alcançadas mediante aplicação de conceitos de fácies e de sistemas deposicionais. A cobertura é constituída por rochas sedimentares de origem continental (e ígneas associadas) acumuladas sobre a porção setentrional da Bacia Sedimentar do Paraná. Com base em características litológicas, relações estratigráficas e distribuição geográfica das associações faciológicas identificadas, a Formação Caiuá foi dividida nas unidades Goio Erê e Rio Paraná. Neste estudo lhes é proposto status de formação, com conseqüente elevação da unidade Caiuá à categoria de grupo. Ao mesmo tempo, apresenta-se revisão estratigráfica da cobertura cretácea suprabasáltica, que passa a ser composta pelos grupos, cronocorrelatos: Caiuá (formações Goio Erô e Rio Paraná) e Bauru (formações Santo Anastácio, Adamantina, aflorantes na área; formações Uberaba, Marília, e os Analcimitos Taiúva). Constituem uma seqüência única acumulada na Bacia Bauru, entidade tectônica evoluída no Cretáceo Superior (Turoniano-Maastrichtiano), na porção centro-sul da Plataforma Sul-Americana. Na área estudada, a Formação Rio Paraná é constituída por quartzo-arenitos finos a médios, de cor marrom-avermelhado a arroxeado, com estratificação cruzada tabular de média a grande porte, tangencial na base, dispostos em corpos de geometria cuneiforme (algumas vezes seccionadas por superfícies de truncamento de baixa inclinação). Caracterizam-se por boa seleção, grãos arredondados, de textura superficial fosca. Na sua porção basal, logo acima do contato com basaltos ocorre uma brecha sustentada por matriz areno-argilosa, com fragmentos de basálticos centimétricos e/ou nódulos de carbonato e esmectita, com espessura de 0,25 a 1,3m, acima da qual ocorre, com freqüência, arenito silto-argiloso, maciço, mal selecionado, quase sempre cimentado por carbonato de cálcio. Localmente observam-se dobras convolutas de dimensões métricas, entre porções não perturbadas da rocha atribuídas a instabilizações de origem tectônica (sismitos), ocorridas durante a sedimentação. A Formação Goio Erê é composta por quartzo-arenitos finos a médios, de cor marrom-arroxeado a avermelhado, com estratificação cruzada acanalada (padrão "festonado") ou tabular tangencial na base, de médio a pequeno porte, com mergulhos predominantemente médios a baixos. Caracterizam-se por seleção boa a moderada, grãos arredondados, foscos. Apresenta freqüente cimentação carbonática, localmente associada a concreções com diâmetro centimétrico e crostas duras (calcretes), tanto acompanhando a estratificação cruzada, como em posição subhorizontal, paralela aos diastemas que separam os bancos. A Formação Santo Anastácio é constituída, de forma monótona, por quartzo-arenitos muito finos a finos, de cor marrom-arroxeado a claro, com fração síltica subordinada, em bancos tabulares maciços de espessura métrica, às vezes com estratificação mal definida (plano-paralela ou cruzada) de baixo ângulo de mergulho. É comum a presença de cimentação carbonática, e orifícios irregulares de forma tubular, com diâmetro milimétrico e comprimento centimétrico (prováveis risolitos). Localmente apresentam arenitos conglomeráticos imaturos, com intercalações lenticulares de arenitos com estratificação cruzada e bancos de conglomerados de espessura decimétrica, com ventifactos (Litofácies Mairá). A Formação Adamantina é constituída por estratos tabulares de quartzo-arenitos finos a muito finos, surbordinadamente médios, de cor marrom-claro, bege a rosado, de espessuras decimétricas (até 1 m), com intercalações de corpos lenticulares de lamitos (siltitos areno-argilosos) marrom-escuros a rosados, de espessura média em torno de 20 a 30cm. De modo geral, as transformações diagenéticas a que se submeteram as rochas de todas as unidades estudadas foram pouco intensas, tendo-se atingido estágios iniciais da mesodiagênese. A silicificação teve caráter pontual, afetando indiscriminadamente as unidades Rio Paraná, Goio Erê, Santo Anastácio e Adamantina. Sua maior intensidade, responsável pela sustentação de elevações com até 200m acima do nível regional (morros dos Três Irmãos e do Diabo), registra-se segundo faixa de direção nordeste, no cruzamento com estruturas noroeste (associadas ao Arco de Ponta Grossa). A Bacia Bauru comportou-se como unidade tectônica distinta da Bacia do Paraná, instalada sobre sua porção setentrional, a partir do Turoniano (Ks). Pode ser classificada como do tipo cratônico continental interior, de subsidência simples, com reativação de estruturas marginais (acompanhadas de magmatismo alcalino), por reflexos da Orogenia Andina, que teriam promovido modificações de caráter dominantemente direcional (Neocretáceo-Paleoceno). A sedimentação na Bacia Bauru desenvolveu-se em ambiente desértico, sob clima com características de semi-árido a árido. Atualmente encontram-se preservados depósitos de: -sistema de leques aluviais marginais, nas porções leste e norte da bacia (bordas), representados pela Formação Marília (os membros Serra da Galga, Echaporã, e Ponte Alta constituem fácies de leques proximais, leques distais e lagos salinos, respectivamente); -sistema fluvial entrelaçado (braided) representado pela Formação Adamantina (centro/nordeste da bacia) e pela Formação Uberaba (no extremo nordeste, com contribuição de material vulcânico); -sistema eólico central (centro/sudoeste da bacia), representado pela Formação Santo Anastácio (depósitos de lençóis de areia e extradunas) e Grupo Caiuá (depósitos de campo de dunas: Formação Rio Paraná, área central; Formação Goio Erê, periferia). Os tipos de fósseis conhecidos, bem como sua distribuição, atestam o clima vigente, inóspito na porção central da bacia (formações Rio Paraná, Goio Erê e Santo Anastácio), mais propício à vida, em faixa semicircular aproximadamente coincidente com a área de exposição da Formação Adamantina (principalmente), Marília e Uberaba.
Palavras-chave em inglês
Not available.
Resumo em inglês
Analysis of facies and depositional systems of supra-basaltic continental sedimentary rock units in the State of Paraná and Pontal do Paranapanema region (State of São Paulo) in southern Brazil has provided the basis for reconstructing the paleogeography and geological evolution of the Late Cretaceous in this area. Lithological characteristics, stratigraphic relations and geographic distribution of faciological associations permit the subdivision of the Caiuá Formation into two new litostratigraphic units, the Goio Erê and Rio Paraná formations. The Caiuá Formation is thus promoted to group status making it necessary to also revise the stratygraphy of the Bauru Group (Santo Anastácio and Adamantina formations, exposed in the studied area; Uberaba, Marília formations and Taiúva Analcimites, exposed elsewhere) which is here considered to be chrono-correlative with the Caiuá Group. These groups comprise a sequence that accumulated in the Bauru Basin, a tectonic depression that developed during the Late Cretaceous (Turonian-Maastrichtian) in the south-central portion of the South American Platform. The Rio Paraná Formation is made up of fine to medium quartz sandstones with medium- to large-scale tabular cross-bedding (tangential foresets), in wedge-shaped cosets occasionally bounded by third order surfaces of low inclination. At the base of this formation, directly upon basalts, there is a breccia, 0.25 to 1.3m thick, supported by a sandy-argillaceous matrix, with centimetric basaltic fragments and carbonate and smectite nodules. Frequently overlying this breccia, is massive, poorly sorted, almost always calcite-cemented silty-argillaceous sandstone. Convolute folds (seismites) of metrical dimensions can be observed locally between undisturbed portions of the cross-bedded sediments. These features are interpreted as induced by earthquakes occoured during the sedimentation. The Goio Erê Formation is composed of fine to medium quartz sandstones, with medium- to small-scale trough cross-bedding (festooned pattern), with prevailing medium to low dips. It frequently exhibis calcite cement and occasionally associated calcitic concretions of centimetric diameter. Calcitic duricrusts (calcrets) may be parallel cross-strata or cut them subhorizontally. The Santo Anastácio Formation is formed by fine to very fine quartz sandstones, with subordinate silt. That occour in tabular beds of metric thickness, occasionally with poorly defined stratification (plane-parallel or cross-bedded) with low dips. Carbonate as cement and possibly cilindrical rhizoliths of millimetric diameter and centimetric length is common. Locally, the formation also exhibits immature conglomeratic sandstones of decimetric thickness, as lenticular intercalations of cross-bedded sandstones and conglomeratic beds of decimetric thickness with ventifacts (Mairá Litofacies). The Adamantina Formation consists of tabular, decitmetric (up to 1m thick) beds of fine to very fine and subordinately medium quartz sandstones with intercalations of lenticular mudstones (sandy-argillaceous siltstones), 20-30cm thick. Diagenesis was not generally very intense and reached only the inicial stages of mesodiagenesis. Silicification affected the Rio Paraná, Goio Erê, Santo Anastácio and Adamantina formations and is locally most important at the intersection of regional NE-SW lineaments with the NW-SE Ponta Grossa Arch structural trend. Here, some prominent hills of silicified sediments rise 200m above the regional topographic level (Três Irmãos and Diabo hills). The Bauru Basin is a tectonic depression that developed upon the northern portion of the Paleozoic-Mesozoic Paraná Basin. It can be classified as an interior cratonic continental-type basin with simple subsidence and reactivation of marginal structures (followed by alkaline magmatism). Some of the reactivations events (mainly Late Cretaceous-Paleocene strike-slip movements) probably reflect events of the Andean Orogeny. The environment of the Bauru Basin was desertic with semi-arid to arid chraracteristics, as evidenced by preserved deposits of: - marginal alluvial fan system, in the northern and eastern portion of the basin (borders), represented by the three members of the Marília Formation (Serra da Galga, Echaporã and Ponte Alta members), which correspond to proximal fans, distal fans and saline lake facies, respectively; - braided fluvial system represented by the Adamantina Formation (in the central and northeastern parts of the basin) and by the Uberaba Formation (sediments with a volcanic contribution in the far northeastern part); and - central aeolian system (central and southeastern parts of the basin) represented by sand sheets and extradune deposits of the Santo Anastácio Formation and by dune field deposits of the Caiuá Group (Rio Paraná Formation, in the central area and Goio Erê Formation, to the southeast). The fossils are practically unknown in the central portion of the basin (Rio Paraná, Goio Erê and Santo Anastácio formations), which is coherent with the paleoclimatic and faiological interpretations presented here. The semicircular area coincident with the outcrops of the Adamantina (mainly), Marília and Uberaba formations was much more hospitable to life, as showm by the types and distribution of fossil records.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Fernandes_mestrado.pdf (29.94 Mbytes)
Data de Publicação
2013-09-27
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.