• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.42.2009.tde-27012010-122426
Documento
Autor
Nome completo
Danielle Diniz Atayde
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2009
Orientador
Banca examinadora
Correa, Benedito (Presidente)
Ferreira Júnior, José Ribamar dos Santos
Godoy, Ignácio José de
Título em português
Microbiota fúngica e determinação de aflatoxinas em cultivar de amendoim plantado em diferentes regiões produtoras no estado de São Paulo.
Palavras-chave em português
Aspergillus flavus
Aflatoxinas
Amendoim
Micotoxinas
Solos
Resumo em português
Os objetivos foram: identificar a microbiota fúngica e a ocorrência de aflatoxinas em cultivar de amendoim, identificar a microbiota fúngica do solo e correlacionar os resultados obtidos com os níveis de atividade de água encontrados. As amostras (solo e amendoim) foram provenientes de: Jaboticabal, Rosália, Tupã e Cafelândia (SP). A microbiota fúngica do solo revelou que o fungo do gênero Penicillium foi o mais frequente (52,1 %) nas quatro regiões durante as duas coletas (após a emergência das plantas e duas semanas antes do arranquio). Dentro do gênero Aspergillus, A. flavus foi a espécie mais frequente (13,5 %). A microbiota fúngica dos grãos e das cascas, das quatro regiões, nas duas coletas (duas semanas antes do arranquio e após o arranquio), demonstrou maior frequência de isolamento do fungo do gênero Fusarium (70,2 %). Do gênero Aspergillus, a espécie A. flavus foi a mais frequente (9,8 %). A análise de aflatoxinas revelou a presença de aflatoxinas em 5 % das amostras de grãos analisadas. Nas cascas, 13,75 % das amostras apresentaram contaminação por aflatoxinas.
Título em inglês
Mycoflora and determination of aflatoxins in peanut variety grown in differents producing regions in the state of São Paulo.
Palavras-chave em inglês
Aspergillus flavus
Aflatoxins
Mycotoxins
Peanut
Soil
Resumo em inglês
The objectives were: to identify the mycoflora and the occurrence of aflatoxins in a peanut variety, identify the soil mycoflora and compare the acquired results with the levels of water activity found. The samples (peanut and soil) were collected from: Jaboticabal, Rosália, Tupã and Cafelândia (SP/Brazil). The mycoflora of the soil revealed that the genus Penicillium was the most frequent (52.1 %) in the four regions during the two trials (after the emergence of the plants and two weeks before the uprooting). Within the genus Aspergillus, A. flavus was the most frequent specie (13.5 %). The mycoflora of the kernels and peanut hulls, from the four regions in the two trials (two weeks before the uprooting and after the uprooting), demonstrated greater frequency of isolation of the genus Fusarium (70.2 %). Within the genus Aspergillus, A. flavus was the most frequent specie (9.8 %). The analysis of aflatoxins revealed the presence of aflatoxins in 5 % of the kernels samples analyzed. In peanut hulls, 13.75 % of the samples presented aflatoxin contamination.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2010-02-26
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.