• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.41.2016.tde-14012016-151309
Documento
Autor
Nome completo
Vania Regina de Assis
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Gomes, Fernando Ribeiro (Presidente)
Castrucci, Ana Maria de Lauro
Cruz Neto, Ariovaldo Pereira da
Fernandes, Pedro Augusto Carlos Magno
Gomes, Cristina de Oliveira Massoco Salles
Título em português
Níveis plasmáticos de corticosterona, testosterona e imunocompetência em Bufonídeos
Palavras-chave em português
Corticosterona
Estresse
Resposta imune
Testosterona
Resumo em português
Glicocorticóides modulam a resposta imune de forma complexa em vertebrados expostos a diferentes estressores. Dado que as populações naturais têm estado expostas a uma multiplicidade de estressores, uma melhor compreensão da associação funcional entre a duração e a intensidade da resposta ao estresse, as mudanças resultantes nos níveis dos hormônios esteróides e seu impacto sobre os diferentes aspectos da imunocompetência emergem como um ponto chave para as estratégias de conservação dos vertebrados. Nós investigamos as relações entre os níveis plasmáticos de hormônios esteróides e a imunocompetência inata em anfíbios anuros, incorporando as metodologias de desafio de contenção, elevação experimental dos níveis de corticosterona por aplicação transdérmica, capacidade bactericida por espectrofotometria e o desafio imunológico com fitohemaglutinina. Nossos resultados demonstram que a capacidade bactericida plasmática (CBP) medida por espectrofotometria é um método confiável e preciso para estimar a imunocompetência de anfíbios anuros, além disso, mostramos a existência de uma grande diversidade interespecífica na CBP de anuros machos. Quando quatro diferentes espécies de Bufonídeos foram submetidas a um desafio de contenção, as respostas gerais incluíram aumento dos níveis plasmáticos de corticosterona (CORT) e da relação neutrófilo/linfócito (N:L) e diminuição dos níveis plasmáticos de testosterona (T). As respostas da CBP à contenção foram muito mais variáveis, com R. ictérica mostrando diminuição e R. marina mostrando aumento dos valores de CBP. Adicionalmente, CORT e N:L tenderam a aumentar mais em resposta à contenção com restrição de movimento do que à contenção sem restrição de movimento, indicando que os sapos demostraram um aumento da resposta ao estresse quando submetidos ao estressor mais intenso. Todas as variáveis estudadas mostraram variação interespecífica. Rhinella ornata apresentou os maiores níveis basais de CORT quando comparado com as outras espécies, enquanto R. ornata e R. ictérica mostraram os maiores valores basais de CBP. Entretanto, as mudanças na relação N:L, nos níveis de T e na CBP, não foram correlacionadas com o aumento em CORT, dentro ou entre espécies. A aplicação transdérmica de corticosterona eficientemente simulou eventos repetidos de resposta ao estresse agudo em Rhinella ictérica, sem alterar os parâmetros imunitários, mesmo após treze dias de tratamento. Curiosamente, o cativeiro a longo prazo não atenuou a resposta ao estresse, uma vez que estes sapos mantiveram um aumento de três vezes em CORT mesmo depois de três meses sob estas mesmas condições. Além disso, a manutenção em cativeiro a longo prazo, nas mesmas condições, aumentou a contagem total de leucócitos (TLC) e gerou uma diminuição ainda maior na CBP, sugerindo que as consequências da resposta ao estresse podem ser agravadas pelo tempo em cativeiro. Com base em nossos resultados, consideramos que uma avaliação cuidadosa é necessária para compreender a modulação da resposta imunitária pelo estresse a nível intra e interespecífico. A inclusão de diferentes segmentos da resposta imune é desejável, e a padronização da coleta de dados para todas as espécies sob o mesmo período (em geral, dentro ou fora da época reprodutiva) e mesma atividade (em geral, vocalizando ou forrageando) se faz obrigatória
Título em inglês
Plasma levels of corticosterone, testosterone and immunocompetence in Bufonids
Palavras-chave em inglês
Corticosterone
Immune response
Stress
Testosterone
Resumo em inglês
Glucocorticoids modulate the immune response in complex ways in vertebrates exposed to different stressors. Given that natural populations have been exposed to a multitude of stressors, a better understanding of the functional association between duration and intensity of the stress response, the resulting changes in steroid hormone levels and their impact on different aspects of immunocompetence emerges as a cornerstone for vertebrate conservation strategies. We investigated the relationships between steroids levels and innate immunocompetence in anuran amphibians, incorporating the methodology of restraint challenge, experimental elevation of corticosterone levels by transdermal application, bacterial killing ability by spectrophotometry and the immune challenge with phytohemagglutinin. Our results demonstrate that the bacterial killing ability (BKA) measured by spectrophotometry is a reliable and accurate method to estimate the immunocompetence of anuran amphibians, additionally showed the existence of a large interspecific diversity in BKA from male anurans. When four different species of Bufonids were submitted to a restraint challenge, the general responses included increased in corticosterone plasma levels (CORT) and neutrophil/lymphocyte ratio (N:L) and decreased in testosterone plasma levels (T). The responses of BKA to restraint were much more variable, with R. icterica showing decreased and R. marina showing increased values. Additionally, CORT and N:L tended to increase more in response to restraint with movement restriction than to restraint without movement restriction, indicating that toads showed an increased stress response to the more intense stressor. All variables studied show interspecific variation. Rhinella ornate showed higher baseline CORT when compared to other species, while R. ornate and R. icterica showed the highest baseline BKA values. However, changes in N:L ratio, T levels and BKA, were not correlated to increased CORT within or between species. Transdermal application of corticosterone efficiently mimics repeated acute stress response events in Rhinella icterica, without changing the immune parameters even after thirteen days of treatment. Interestingly, long-term captivity did not mitigate the stress response, since the toads maintained three fold increased CORT even after three months under these conditions. Moreover, long-term captivity in the same condition increased total leukocyte count (TLC) and generated an even greater decrease in BKA, suggesting that consequences of the stress response can be aggravated by time in captivity. Based on our results, we consider that a careful evaluation is necessary in order to understand the modulation of the immune response by stress at intra and interspecific levels. The inclusion of different segments of the immune response is desirable, and a standardized data collection for all the species under the same period (e.g. inside or outside of breeding season) and same activity (e.g. calling or foraging) is mandatory
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Vania_Assis.pdf (4.52 Mbytes)
Vania_Assis_SIMPL.pdf (475.21 Kbytes)
Data de Liberação
2018-01-13
Data de Publicação
2016-02-02
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2022. Todos os direitos reservados.