• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.41.2010.tde-15082010-115548
Documento
Autor
Nome completo
Marcelo Garrone Esteves
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2010
Orientador
Banca examinadora
Rodrigues, Miguel Trefaut Urbano (Presidente)
Antoniazzi, Marta Maria
Silveira, Luis Fábio
Título em português
Análise morfológica da sínfise mandibular no clado Squamata
Palavras-chave em português
Mandíbula
Sinfíse
Squamata
Resumo em português
A mandíbula dos Squamata é composta por duas hemimandíbulas cada uma composta por diversos ossos. Na região posterior, as hemimandíbulas se conectam ao crânio através do osso quadrado e na região anterior se encontram conectas pela sínfise mandibular, que tem um importante papel anatômico, limitando o movimento independente das hemimandíbulas influenciando assim o grau de cinese da mandíbula. A existência de variação morfológica na sínfise mandibular já foi apontada por diversos autores, no entanto somente alguns estudos detalhados foram feitos sobre esta estrutura, a grande maioria deles em Serpentes. Segundo estes autores os lagartos e as serpentes Scolecophidia apresentariam a sínfise mandibular rígida, enquanto que os mosassaurídeos e as demais serpentes possuiriam uma sínfise mandibular livre. A sínfise livre é um dos caracteres utilizados por diversos autores para unir as Serpentes e os mosassauros no clado Pythonomorpha, esta hipótese foi questionada por alguns autores que acreditam que a sínfise mandibular livre é uma convergência evolutiva nestes dois clados. Diversas famílias de lagartos não apresentaram as cartilagens de Meckel fundidas como era esperado e somente uma das famílias de Scolecophidia apresentava a fusão das cartilagens de Meckel na região sinfisial. A perda da conexão das cartilagens de Meckel seria o primeiro passo para a formação de uma sínfise livre, sua ocorrência em diversas famílias reforça a hipótese de que a sínfise mandibular livre presente nos mossasauros e serpentes Alethinophidia seria uma convergência evolutiva. Também foi possível estabelecer, com base nas morfologias observadas, as transformações necessárias para o surgimento de uma sínfise livre como a das serpentes Alethinophidia.
Título em inglês
Morphological analysis of the mandibular symphysis in the Squamata clade
Palavras-chave em inglês
Jaw
Squamata
Symphysis
Resumo em inglês
The Squamate mandible is formed by two hemimandibles each one composed of several bones. In the posterior region, the hemimandibles are connected to the skull by the quadrate bone. In the anterior region these are connected to each other by the mandibular symphysis, which has an important anatomical role, limiting the independent movement of the hemimandibles. Several authors noted the existence of morphological variation in the mandibular symphysis, but only a few detailed studies were made about this structure, the majority of them focusing on Serpentes. These authors claim the lizards and the Scolecophidia snakes possess a rigid mandibular symphysis while the mosasaurs and the rest of the snakes would possess a free mandibular symphysis. The free symphysis is one of the characters used by several authors to support the existence of the Pythonomorpha clade formed by the mosasaurs and the snakes, the existence of this clade is questioned by several authors that believe the presence o the free symphysis to be a convergence in this two groups. Contrary to what was expected, the connection of Meckels cartilages were absent in several lizards families while it was present in only one scolecophidian family. The loss of Meckels cartilages connection would be the first step to the formation of a free symphysis, its occurrence in several families reinforces the hypothesis that the free symphysis could have evolved independently in the mosasaurs and the Alethinopidia snakes. Based on the morphologies observed in this study it was also possible determinate the steps necessary for the evolution of a free symphysis.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
errata.pdf (2.94 Mbytes)
MarceloEsteves.pdf (10.81 Mbytes)
Data de Publicação
2010-10-14
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.