• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.25.2009.tde-28052009-142343
Documento
Autor
Nome completo
Fabio Cesar Lorenzoni
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Bauru, 2009
Orientador
Banca examinadora
Bonfante, Gerson (Presidente)
Cruz, Carlos Alberto dos Santos
Oliveira, Pedro Cesar Garcia de
Título em português
Avaliação do modo de falha de coroas cerâmicas com e sem alteração do desenho das infraestruturas
Palavras-chave em português
Cerâmica
Coroas dentárias
Fadiga
Planejamento de prótese Dentária
Resumo em português
Coroas cerâmicas têm sido amplamente utilizadas, entretanto, problemas relacionados com a fratura destes materiais persistem principalmente nos sistemas ceramocerâmicos na região de molar. As hipóteses nulas testadas foram que o desenho da infraestrutura e o tipo de material não terão efeito significante na resistência à fadiga. Coroas metalocerâmicas e ceramocerâmicas foram fabricadas sobre o preparo de um molar superior, o qual reproduzia a complexa morfologia dos preparos dentários. Quatro grupos foram estabelecidos (n=10 por grupo) baseados no desenho das infraestruturas (padrão ou alterada) das coroas metalocerâmicas (MC) e das ceramocerâmicas (CC), denominadas de MCSA e CCSA para as I.E. com desenho padrão e MCCA e CCCA para as com alteração no seu desenho. As infraestruturas com desenho padrão apresentaram espessura de 0,5mm em todas as suas paredes e as com alteração no desenho apresentaram a cinta lingual com 2,0mm de altura e postes proximais com 3,5mm de altura e as demais áreas com 0,5mm de espessura. As coroas ceramocerâmicas consistiam do sistema à base de alumina (In-Ceram Alumina slip cast) e as infraestruturas das coroas metalocerâmicas foram fabricadas com metal não nobre (Ni-Cr). Todas as coroas foram cimentadas com cimento resinoso Rely X ARC sobre uma réplica do preparo de resina composta, a qual teve a proposta de simular o módulo de elasticidade encontrado na dentina. Estas coroas foram submetidas ao teste de resistência à fadiga, ciclagem dinâmica, por 106 ciclos ou até que qualquer tipo de fratura fosse observada, com carga variando entre 30-300N. A força foi aplicada axialmente entre as vertentes palatina e vestibular, com endentador metálico esférico. Em intervalos de 125.000 as coroas eram verificadas à procura de danos com auxílio de estereomicroscopia. As coroas que não sofreram fraturas foram polidas sequencialmente e cada corpo de prova recebeu escores de acordo com o tipo de falha apresentada. O teste Kruskal Wallis foi utilizado para verificar se houve diferença estatisticamente significante entre os materiais e o teste de Student-Newman-Keusl foi utilizado para as comparações múltiplas. Diferenças estatisticamente significante foi encontrada entre materiais e desenhos, entretanto, os grupos com I.E. metálica (MCCA e MCSA) não apresentaram diferença estatisticamente significante. O grupo CCCA mostrou diferença estatisticamente significante em relação ao grupo CCSA. A presença do metal na infraestrutura foi preponderante na resistência à fadiga. A alteração no desenho da infraestrutura cerâmica provou ser superior em relação ao desenho sem alteração.
Título em inglês
Evaluation of failure mode of ceramic crowns with and without framework design modification.
Palavras-chave em inglês
Ceramic
Dental crowns
Dental prostheses design
Fatigue
Resumo em inglês
Ceramic crowns have been widely used, however, problems related to brittle fracture of these materials persist, especially in the posterior area. The present study tested the null hypothesis that there were no differences in fatigue resistance related to the framework design as well as to the materials used. One maxillary molar was prepared, reproducing the complex morphology of a dental preparation, to receive metal-ceramic and all-ceramic crowns. Four groups (n=10) were established based on framework designs (standard and modified) for metal-ceramic (MC) and all-ceramic (CC) crowns, named as MCSA and CCSA for standard framework designs and MCCA and CCCA for the proposed framework design modifications. On the standard design, frameworks presented 0.5mm thick walls and those with design modification a 0.5mm thick framework with a vertical increase of 2.0mm lingual and 3.5mm proximal walls. All-ceramic frameworks were made with In-Ceram Alumina slip cast and the metal-ceramic frameworks were made with nickel-chromium alloy. All crowns were cemented with resin cement (Rely X ARC) on resin composite replicas, witch have an elastic modulus similar to dentin. They were subjected to dynamic cycling fatigue test (106 cycles or until fracture), at ranging load of 30-300N. Load was located between the buccal and lingual cuspals of the crowns. At 125.000 cycles intervals, crowns were analysed under a stereomicroscopy to search for damages. Crowns without fracture were polished sequentially and received scores according to the failure mode. Kruskal Wallis test was used to check if there were a significant differences between the framework design and materials (metal and ceramic) and the Student-Newman-Keuls was used for multiple comparisons. Significant differences were found between materials and designs, however, both metal frameworks (MCCA e MCSA) were similar. CCCA group showed higher survival than CCSA group. The metal presence in the framework seemed to improve the resistance to fatigue test. However, the design modification in ceramics achieved better results than the standard design.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2009-06-02
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.