• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.22.2017.tde-09012017-161245
Documento
Autor
Nome completo
Mayara Fálico Faria
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2016
Orientador
Banca examinadora
Monroe, Aline Aparecida (Presidente)
Brunello, Maria Eugenia Firmino
Neves, Lis Aparecida de Souza
Ruffino Netto, Antonio
Título em português
Internações por HIV/aids no município de Ribeirão Preto-SP
Palavras-chave em português
Hospitalização
Saúde Pública
Síndrome da Imunodeficiência Adquirida
Resumo em português
Apesar dos avanços tecnológicos e terapêuticos para o manejo do HIV/aids, os desfechos desfavoráveis da doença, como é o caso das internações, se mantém com um desafio para a saúde pública. Nesse sentido, objetivou-se analisar as internações hospitalares por aids ocorridas em 2013 em um hospital de grande porte de um município do interior de São Paulo. Trata-se de estudo descritivo, exploratório, do tipo levantamento, quantitativo. Foram incluídos indivíduos com idade igual ou superior a 18 anos, hospitalizados no período de janeiro a dezembro/2013, cujas causas de internação principal ou secundárias estivessem relacionadas ao HIV/aids, considerando os seguintes códigos, segundo a Classificação Internacional de Doenças (CID-10): B20.0 ao B24, Z20, Z20.6, Z21 e R75. Elaborou-se um formulário específico para a coleta de dados, cujas fontes secundárias de informação utilizadas foram: Sistema de Internação Hospitalar, prontuário clínico, Sistema de Informação de Agravos de Notificação, HygiaWeb, Sistema de Controle Logístico de Medicamentos. Os dados foram analisados por meio de técnicas exploratórias, incluindo proporções, medidas de tendência central e variabilidade. Foram identificadas 259 internações relacionadas a 179 pessoas que viviam com aids, com reinternações no período (42,5%). O perfil dos sujeitos constitui-se por homens (62,1%); faixa etária entre 40 e 50 anos (38%); cor branca (62,1%); solteiros (50,8%); baixa escolaridade (40,2%); alguma fonte de renda (36,3%); histórico de uso de álcool (49,2%), tabaco (63,1%) e outras drogas ilícitas (46,3%) e de má adesão à terapia antirretroviral (TARV) (49,7%). A duração média das internações foi de 14,1 dias (DP± 12,6) e o desfecho predominante foi a alta médica (83,4%. Na maioria dos casos havia alguma manifestação clínica no momento da internação (55,2%), bem como a presença de doenças oportunistas (71,8%) e condições crônicas associadas (55,2%). Das pessoas internadas, a maioria possuía baixa contagem de células T CD4+ (83,8%) e carga viral detectável (71%). Quanto aos antecedentes assistenciais, 49,7% dos sujeitos tinham algum histórico de tratamento em serviços de assistência especializada em HIV/aids (SAE) da rede pública municipal. Considerando o período de 12 meses antes da internação, 35,8% dos sujeitos passaram em pelo menos uma consulta no SAE municipal; 46,9% nunca utilizaram serviços de atenção básica; 64,8% utilizaram pronto atendimento; 67,6% procederam a alguma retirada da TARV e 29% realizaram 80% ou mais das possíveis retiradas da TARV. Apesar do aprimoramento de testes diagnósticos e a disponibilização da TARV em larga escala, a hospitalização por HIV/aids mantém relação com grupos minoritários desfavorecidos, os quais possuem o status imunológico agravado em decorrência da ação viral no organismo, sugerindo disparidades que perpassam o acesso ao diagnóstico precoce, tratamento oportuno e profilaxia de infecções oportunistas. Urge a necessidade de ações intra e intersetoriais que visem a focalização de sujeitos mais vulneráveis para superar as barreiras assistenciais de modo que os benefícios da TARV sejam disponíveis a todas as pessoas que vivem com a doença
Título em inglês
Hospitalization for HIV/AIDS in Ribeirão Preto-SP
Palavras-chave em inglês
Acquired Immunodeficiency Syndrome
Hospitalization
Public Health
Resumo em inglês
Despite technological and therapeutic advances in the HIV/ADS management unfavorable outcomes of the disease, as the case of hospitalization, remains a challenge to public health. In this sense, this study aimed to analyze hospital admissions due to AIDS in 2013 occurred in a large hospital in a city of São Paulo. This is a descriptive, exploratory study, type survey, quantitative. Were included individuals aged over 18 years, hospitalized in the period of January-December/2013 whose main or secondary causes of hospitalization were related to HIV/AIDS, considering the following codes according to the International Classification of Diseases (ICD 10) the B20.0 to B24, Z20, Z20.6, Z21 and R75. A specific form was elaborated for data collection, whose secondary sources of information were used: System Hospitalization, clinical record, System for Notifiable Diseases, HygiaWeb, Logistics Management System of Medicines. Data were analyzed using exploratory techniques, including proportions, measures of central tendency and variability. Were identified 259 hospitalizations related to 179 people living with AIDS, with readmissions in the period (42.5%). The profile of the individuals is constituted by men (62.1%); aged between 40 and 50 years (38%); white color skin (62.1%); single (50.8%); low education (40.2%); some source of income (36.3%); history of alcohol use (49.2%), tobacco (63.1%) and other illicit drugs (46.3%) and poor adherence to antiretroviral therapy (ART) (49.7%). The average length of hospitalization was 14.1 days (SD ± 12.6) and the predominant outcome was medical discharge (83.4%. In most cases there was any clinical signs at admission (55.2%) as well as the presence of opportunistic infections (71.8%) and chronic conditions associated (55.2%). of hospitalized persons, the majority had low CD4+ T cell count (83.8%) and detectable viral load (71 %). As for healthcare background, 49.7% of subjects had a history of treatment in specialized care services on HIV/AIDS (SHS) of the municipal public network. Considering the 12 months prior to admission, 35.8% the subjects passed in at least one visit in the municipal SHS; 46.9% never used primary care services; 64.8% used emergency care; 67.6% have carried out any withdrawal of antiretroviral therapy and 29% had 80% or more of possible withdrawn from ART. Despite the improvement of diagnostic tests and the availability of HAART on a large scale, hospitalization for HIV/AIDS remains relation to disadvantaged minority groups, which have the immune status worsened due to the viral action in the body, suggesting disparities that pervade the access to early diagnosis, timely treatment and prophylaxis of opportunistic infections. There is an urgent need for intra and inter-sectoral actions aimed at targeting vulnerable individuals to overcome barriers assistance so that the benefits of ART are available to all people living with the disease
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
MAYARAFALICOFARIA.pdf (2.30 Mbytes)
Data de Publicação
2017-02-06
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.