• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Mémoire de Maîtrise
DOI
https://doi.org/10.11606/D.17.2020.tde-23082020-102231
Document
Auteur
Nom complet
Caroline Caetano Pena
Adresse Mail
Unité de l'USP
Domain de Connaissance
Date de Soutenance
Editeur
Ribeirão Preto, 2020
Directeur
Jury
Ferreira, Cristine Homsi Jorge (Président)
Barbosa, Angélica Mércia Pascon
Ferreira, Elizabeth Alves Gonçalves
Guirro, Elaine Caldeira de Oliveira
Titre en portugais
Reprodutibilidade intraexaminador da inspeção visual e da palpação vaginal na aferição da capacidade de contração voluntária dos músculos do assoalho pélvico em mulheres
Mots-clés en portugais
Assoalho pélvico
Fisioterapia
Reprodutibilidade dos testes
Saúde da mulher
Resumé en portugais
A inspeção visual e a palpação vaginal são métodos comumente usados por fisioterapeutas na avaliação da capacidade de contração voluntária dos músculos do assoalho pélvico (MAP), entretanto em alguns casos a palpação vaginal não é tolerada por algumas mulheres, tornando a inspeção visual uma opção para identificação da capacidade de contração dos MAP. A capacidade de contração dos MAP é um pré-requisito essencial para o treinamento dos músculos do assoalho pélvico (TMAP) que representa primeira linha de tratamento da incontinência urinária em mulheres. Entretanto, não há consenso na literatura quanto à reprodutibilidade intraexaminador da inspeção visual e da palpação vaginal na aferição da capacidade de contração voluntária dos MAP. Trata-se de um estudo de teste-reteste que tem como objetivo avaliar a reprodutibilidade intraexaminador da inspeção visual, palpação vaginal e manometria vaginal na aferição da capacidade de contração voluntária dos MAP, verificar a associação entre inspeção visual e palpação vaginal e avaliar correlação entre manometria vaginal e inspeção visual e palpação vaginal. As participantes do estudo foram avaliadas duas vezes, com um intervalo de sete dias entre as avaliações, pela mesma avaliadora. A capacidade de contração voluntária dos MAP foi avaliada pela inspeção visual e a palpação vaginal seguindo a definição da Sociedade Internacional de Continência e em relação à manometria vaginal foram solicitadas três contrações voluntárias máximas e o valor em cmH2O foi registrado. O coeficiente de Kappa foi utilizado para verificar a reprodutibilidade intraexaminador da inspeção visual e da palpação vaginal, o coeficiente de correlação intraclasse foi utilizado para verificar a reprodutibilidade intraexaminador da manometria vaginal, o teste Qui-quadrado foi utilizado para comparar os achados da inspeção visual e palpação vaginal nas duas avaliações e o coeficiente de correlação ponto biserial foi utilizado para comparar os valores obtidos pela manometria vaginal e inspeção visual e palpação vaginal. Em todos os testes estatísticos foi adotado um nível de significância de p< 0,05. Foram incluídas no estudo 44 mulheres cuja média de idade foi de 40,4 (±16,92) anos e IMC médio de 27,8 (±5,60) kg/m2. Foi encontrada reprodutibilidade intraexaminador substancial para a inspeção visual (k=0,73; p=<0,001) e palpação vaginal (k= 0,74; p=<0,001) e excelente reprodutibilidade intraexaminador para a manometria vaginal (ICC3,3= 0,93; p= <0,001). Além disso, foi encontrada associação significativa entre a inspeção visual e a palpação vaginal nas duas avaliações (X2=27,01; X2= 16,36; p=<0,001) e correlação positiva moderada entre os valores obtidos pela manometria vaginal e inspeção visual (rpd= 0,46 e 0,42 na primeira e segunda avaliação, respectivamente; p=<0,001) e palpação vaginal (rpd= 0,53 e 0,67 na primeira e segunda avaliação, respectivamente; p=<0,001).
Titre en anglais
Intra-examiner reproducibility of visual inspection and vaginal palpation to measure the ability of voluntary contraction of pelvic floor muscles in women
Mots-clés en anglais
Pelvic floor
Physiotherapy
Reproducibility of results
Women's health
Resumé en anglais
Visual inspection and vaginal palpation are methods commonly used by physical therapists to assess the ability of voluntary contraction of the pelvic floor muscles (PFM), however in some cases, vaginal palpation is not tolerated by some women, making visual inspection an option for identifying the ability to perform a voluntary PFM contraction. The ability to perform a PFM contraction is an essential prerequisite for pelvic floor muscle training (PFMT), which represents the first line of treatment for urinary incontinence in women. However, there is no consensus in the literature regarding the intra-examiner reproducibility of visual inspection and vaginal palpation in assessing the ability to perform a voluntary PFM contraction. This is a test-retest study that aims to evaluate the intra-examiner reproducibility of visual inspection, vaginal palpation and vaginal manometry to measure the ability to perform a voluntary PFM contraction, to verify the association between visual inspection and vaginal palpation and to evaluate the correlation between vaginal manometry and visual inspection and vaginal palpation. Study participants were assessed twice, with an interval of 7 days between assessments, by the same examiner. The ability to perfom a voluntary PFM was assessed by visual inspection and vaginal palpation following the definition of the International Continence Society and in relation to vaginal manometry, three maximum voluntary contractions were requested and the value in cmH2O was recorded. The Kappa coefficient was used to verify the intra-examiner reproducibility of the visual inspection and vaginal palpation, the intraclass correlation coefficient was used to check the intra-examiner reproducibility of the vaginal manometry values, the Chi-square test was used to compare the findings of the visual inspection and vaginal palpation in both evaluations and the biserial point correlation coefficient was used to compare the values obtained by vaginal manometry and visual inspection and vaginal palpation. In all statistical tests, a significance level of p <0.05 was adopted. The study included 44 women whose average age was 40,4 (± 16.92) years and average BMI of 27.8 (± 5.60) kg/m2. Substantial reproducibility was found for visual inspection (k = 0.73; p = <0.001) and vaginal palpation (k = 0.74; p = <0.001) and excellent intra-examiner reproducibility for vaginal manometry (ICC3.3 = 0. 93; p = <0.001). In addition, a significant association was found between visual inspection and vaginal palpation in the two assessments (X2 = 27.01; X2 = 16.36; p = <0.001) and a moderate positive correlation between the values obtained by vaginal manometry and visual inspection (rpd = 0.46 and 0.42 in the first and second assessment, respectively; p = <0.001) and vaginal palpation (rpd = 0.53 and 0.67 in the first and second assessment, respectively; p = <0.001).
 
AVERTISSEMENT - Regarde ce document est soumise à votre acceptation des conditions d'utilisation suivantes:
Ce document est uniquement à des fins privées pour la recherche et l'enseignement. Reproduction à des fins commerciales est interdite. Cette droits couvrent l'ensemble des données sur ce document ainsi que son contenu. Toute utilisation ou de copie de ce document, en totalité ou en partie, doit inclure le nom de l'auteur.
Date de Publication
2020-10-22
 
AVERTISSEMENT: Apprenez ce que sont des œvres dérivées cliquant ici.
Tous droits de la thèse/dissertation appartiennent aux auteurs
CeTI-SC/STI
Bibliothèque Numérique de Thèses et Mémoires de l'USP. Copyright © 2001-2021. Tous droits réservés.