• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Disertación de Maestría
DOI
10.11606/D.17.2017.tde-20072016-141707
Documento
Autor
Nombre completo
Manoela Maria Pereira Soares
Dirección Electrónica
Instituto/Escuela/Facultad
Área de Conocimiento
Fecha de Defensa
Publicación
Ribeirão Preto, 2015
Director
Tribunal
Tamashiro, Edwin (Presidente)
Ferriani, Virginia Paes Leme
Romano, Fábio Lourenço
Título en portugués
Avaliação da influência da gravidade da SAOS nas alterações craniofaciais no posicionamento do hioide
Palabras clave en portugués
Cefalometria
Criança
Osso hioide
Ossos faciais
Respiração bucal
Síndrome da apneia do sono
Resumen en portugués
Objetivo: O estudo avaliou, cefalometricamente, crianças na faixa etária de sete a dez anos, entre as diferentes estratificações da SAOS e o grupo controle, com relação às alterações esqueléticas e faciais e o posicionamento do osso hioide. Casuística e Método: Foram avaliadas 76 crianças, com idades entre sete e dez anos, em fase de dentição mista, sem histórico de tratamento ortodôntico, fonoaudiológico ou cirúrgico otorrinolaringológico. Todas as crianças foram submetidas à avaliação otorrinolaringológica e polissonográfica em laboratório do sono, além da realização do exame cefalométrico. Os participantes foram, também subdivididos em grupos, de acordo com a gravidade da SAOS. Das 76 crianças, 14 constituíram o grupo controle; 62 apresentavam SAOS, sendo 46 classificadas como SAOS leve e 16 SAOS moderada ou grave. Todas as crianças foram submetidas à cefalometria lateral para obtenção de medidas lineares craniofaciais e medidas específicas do osso hioide. Essas medidas foram comparadas entre si dentro dos diferentes grupos pelo teste t de Student (correlação de Welch) e correlacionadas com o valor do Índice de apneias obstrutivas + hiponeias (IAOH) do paciente por meio do teste de correlação de Pearson. O nível de significância estabelecido foi p<0,05. Resultados: Observouse maior distância do osso hioide em relação ao plano mandibular no grupo SAOS, quando comparado ao controle (p=0,03). Entre os dois subgrupos da SAOS, os pacientes com doença moderada ou grave apresentaram significativa menor distância horizontal entre o hioide e a parede posterior da faringe (p=0,03), quando comparados aos com SAOS leve. Na correlação entre as medidas cefalométricas e o IAOH, essas mesmas duas medidas apresentaram relação significativa, sendo a correlação positiva para distância do hioide para o plano mandibular (p=0,04) e negativa para distância horizontal do hioide com a faringe (p=0,006). Para as variáveis cefalométricas faciais, não se observou diferença significativa entre os grupos. Conclusão: A posição do osso hioide, em crianças de sete a dez anos, foi caracterizada pela inferiorização naquelas com a doença e posteriorização em pacientes com maior gravidade da SAOS. Para as medidas craniofaciais lineares não houve diferença estatística
Título en inglés
Evaluation of the influence the severity of OSA in craniofacial changes in the positioning of the hyoid
Palabras clave en inglés
Cephalometry
Child
Facial Bones
Hyoid Bone
Oral Breathing
Sleep Apnea Syndrome
Resumen en inglés
Objective: The study evaluated cephalometric children aged 7-10 years between the different strata of OSA and control groups, with the skeletal and facial changes and the position of the hyoid bone. Casuistic and Method: This study included 76 children, aged between 7 and 10 years in mixed dentition phase, with no history of orthodontic treatment, speech therapy or surgical otorhinolaryngological. All children were submitted to otorhinolaryngological examination and polysomnography in a sleep laboratory, as well as holding the cephalometric examination. The participants were then divided into groups according to the severity of OSA. Of the 76 children of research, 14 constitute the control group; 62 children are affected of OSAS, 46 classified as mild OSA and 16 moderate or severe OSA. All children underwent lateral cephalometric, to obtain craniofacial linear measurements and specific measurements of the hyoid bone. The measurements were compared to each other within the different groups by Student's t-test (Welch correlation) and correlated with the OAHI value of the patient through the Pearson correlation test. The level of significance was set at p<0.05. Results: There was a greater distance from the hyoid bone to the mandibular plane in the OSA group when compared to control (p = 0.03). Between the two subgroups of OSAS, patients with moderate or severe impairment had significant lower horizontal distance between the hyoid and the posterior pharyngeal wall (p=0.03) when compared to patients with mild OSA. The correlation between the cephalometric and OAHI measures, these same two measures had a significant relationship with the positive correlation to distance from the hyoid to the mandibular plane (p=0.04) and negative for the horizontal distance from the hyoid to the throat (p=0.006). For facial cephalometric variables, there was no significant difference between groups. Conclusion: The position of the hyoid bone in children 7-10 years was characterized by inferiority in children with the disease and posteriorization in patients with more gravity of OSA. For craniofacial linear measurements showed no statistical difference
 
ADVERTENCIA - La consulta de este documento queda condicionada a la aceptación de las siguientes condiciones de uso:
Este documento es únicamente para usos privados enmarcados en actividades de investigación y docencia. No se autoriza su reproducción con finalidades de lucro. Esta reserva de derechos afecta tanto los datos del documento como a sus contenidos. En la utilización o cita de partes del documento es obligado indicar el nombre de la persona autora.
MANOELASOARESFINALOrig.pdf (1,009.52 Kbytes)
Fecha de Publicación
2017-04-17
 
ADVERTENCIA: Aprenda que son los trabajos derivados haciendo clic aquí.
Todos los derechos de la tesis/disertación pertenecen a los autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Tesis y Disertaciones de la USP. Copyright © 2001-2022. Todos los derechos reservados.