• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.17.2009.tde-27092013-102551
Documento
Autor
Nome completo
Carolina Oliveira Nastri
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2009
Orientador
Banca examinadora
Reis, Francisco José Cândido dos (Presidente)
Murta, Eddie Fernando Candido
Ferriani, Rui Alberto
Título em português
Avaliação ultra-sonográfica da função endotelial em usuárias de letrozol e tamoxifeno
Palavras-chave em português
Antineoplásicos hormonais
Marcadores biológicos
Neoplasia da Mama
Resumo em português
Entre as mulheres brasileiras, a principal causa de mortalidade são as doenças cardiovasculares, seguida em freqüência pelo câncer, sendo o mais comum o de mama. É bastante conhecida a associação de câncer com eventos tromboembólicos, mas pouco estabelecida sua relação com os demais eventos cardiovasculares. Para estudar estes eventos desde suas alterações primordiais, como a lesão e disfunção endotelial e a formação da placa aterosclerótica, vários métodos têm sido utilizados. É clara a associação entre câncer, em especial o de mama, com lesão endotelial e risco cardiovascular. A terapia endócrina para tumores de mama com receptores hormonais positivos é amplamente usada tanto de forma paliativa no câncer de mama metastático, quanto na adjuvância, para tumores iniciais. O tamoxifeno (TMX) tem sido usado como droga de escolha com este propósito há cerca de 30 anos com boa eficácia e perfil razoavelmente seguro. O desenvolvimento do os inibidores de aromatase (IAs) de terceira geração promoveu estudos comparativos que têm demonstrado superioridade dos IAs em relação ao TMX na adjuvância, favorecendo seu uso tanto em substituição, quanto de forma seqüencial. Em geral, os IAs são tão bem tolerados quanto o TMX, preocupando ainda questões como aumento de risco cardiovascular, de osteoporose e alterações no perfil lipídico. Neste cenário temos alguns estudos demonstrando um menor número de eventos cardiovasculares em mulheres previamente tratadas de câncer de mama, o que indica um possível efeito protetor do tratamento com tamoxifeno. O efeito cardiovascular dos inibidores da aromatase permanece controverso. O objetivo deste estudo foi comparar alguns marcadores de risco cardiovascular entre mulheres sobreviventes do câncer de mama após tratamento com tamoxifeno, letrozol ou sem tratamento endócrino. Para isso, avaliamos o total de 103 sobreviventes de câncer de mama: 35 em uso de tamoxifeno (TMXg), 34 em uso de letrozol (LTZg) e 34 sem tratamento endócrino (STEg). Os parâmetros estudados foram: a dilatação da artéria braquial mediada por fluxo (DMF), a espessura da íntima-média (EIM) e o índice de rigidez (?) da artéria carótida, colesterol total, HDL e triglicérides. Observamos que os três grupos apresentaram valores semelhantes de HDL e EIM. No TMXg foi encontrado o menor valor de colesterol total (219,29±36,31mg/dL vs. 250,59±38,37mg/dL vs. 245,09±35,35mg/dL; TMXg vs. LTZg vs. STEg respectivamente; p<0,01 -ANOVA), o maior valor de triglicérides (139,34±41,82mg/dL vs. 111,35±28,22mg/dL vs. 122,09±33,42mg/dL; p<0,01), o maior valor de DMF (6,32±2,33% vs. 4,10±2,06% vs. 4,66±2,52%; p<0,01) e o valor mais baixo do índice de rigidez (?) (5,08±1,68 vs. 6,28±1,75 vs. 5,99±1,86; p=0,01). O LTZg não diferiu significantemente do STEg em nenhum dos parâmetros estudados. Nós não observamos nenhuma diferença entre o LTZg e o STEg em nenhum dos parâmetros de risco cardiovascular avaliados. Desta forma, a diferença observada nos valores dos lipídios séricos, no índice de rigidez (?) e na DMF entre as mulheres em tratamento com tamoxifeno e letrozol pode ser mais bem atribuída a um efeito benéfico do tamoxifeno do que a um efeito prejudicial do letrozol.
Título em inglês
Ultrasound assessment of endothelial function in users of letrozole and tamoxifen
Palavras-chave em inglês
Antineoplastic hormonal
Breast cancer
markers biological
Resumo em inglês
The main cause of death among Brazilian women is cardiovascular disease followed by cancer; breast cancer is the most incident in this population. The relationship between cancer and thrombosis is well known, although its association with other cardiovascular events is poorly understood. In order to study these events since its primordial findings, as endothelial injury and dysfunction and the evolving atherosclerotic plaque, many methods are currently being used. There is a clear association between cancer, meanly breast cancer with endothelial injury and cardiovascular risk. Endocrine therapy for breast cancer with positive receptors has been widely applied either for advanced metastatic cancer as for initial tumors. For more than 30 years tamoxifen (TMX) has been the first choice for this purpose with an acceptable safety profile. The emerging third generation aromatase inhibitors (IA) promoted comparative trials which have proved the IA to be superior to TMX in the adjuvant setting - what supported its use both in substitution and in a sequential manner. Broadly, the IA are as well tolerated as TMX, still concerning issues as cardiovascular risk and osteoporosis increase and lipid profile changes. In this scenario, studies have shown that women previously treated for breast cancer present fewer cardiovascular events, indicating a possible protective effect of tamoxifen treatment. The effects of the aromatase inhibitors on cardiovascular protection remain controversial. The aim of this study was to compare some cardiovascular risk markers among breast cancer survivors following treatment with tamoxifen, letrozole or no endocrine treatment. So a total of 103 breast cancer survivors: 35 using tamoxifen (TMXg), 34 using letrozole (LTZg) and 34 using no endocrine treatment (NETg) were evaluated. Ultrasonographic evaluation of brachial artery flow-mediated dilation (FMD), carotid intima-media thickness (IMT) and stiffness index (?); and blood total cholesterol, HDL and triglycerides were assessed. All three groups presented similar values of HDL and IMT. TMXg showed the lowest total cholesterol (219.29±36.31mg/dL vs. 250.59±38.37mg/dL vs. 245.09±35.35mg/dL; TMXg vs. LTZg vs. NETg respectively; p<0.01 - ANOVA), the highest triglycerides (139.34±41.82mg/dL vs. 111.35±28.22mg/dL vs. 122.0933±42mg/dL; p<0.01), the highest FMD (6.32±2.33% vs. 4.10±2.06% vs. 4.66±2.52%; p<0.01) and the lowest stiffness index (?) (5.08±1.68 vs. 6.28±1.75 vs. 5.99±1.86; p=0.01). LTZg did not differ significantly from NETg on any evaluated parameter. We did not observe any difference of LTZg on the evaluated cardiovascular risk parameters compared to NETg. As such, the observed difference on lipid values, stiffness index (?) and FMD between women receiving tamoxifen and letrozole might be best attributed to the beneficial effect of tamoxifen than to a detrimental effect of letrozole.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2013-10-31
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.