• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
https://doi.org/10.11606/T.17.2003.tde-28062021-154452
Documento
Autor
Nome completo
Marcello Henrique Nogueira Barbosa
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2003
Orientador
Banca examinadora
Defino, Helton Luiz Aparecido (Presidente)
Fernandes, Artur da Rocha Correa
Landim, Elcio
Santos, Antonio Carlos dos
Volpon, José Batista
Título em português
Reconstruções multiplanares da tomografia computadorizada no estudo da artrodese atlanto-axial transarticular
Palavras-chave em português
Articulação atlanto-axial
Artrodese
Tomografia computadorizada por raios-x
Resumo em português
A artrodese transarticular por meio de parafusos proporciona fixação atlanto axial rígida com vantagens biomecânicas em relação às outras técnicas de artrodese, podendo ser utilizada inclusive nos casos em que o arco posterior do atlas estiver ausente, fraturado ou destruído. Há entretanto risco de lesão da artéria vertebral e de outras estruturas vásculo-nervosas, em parte relacionado a variações da normalidade na anatomia regional. O objetivo desse estudo foi realizar uma descrição morfométrica das estruturas ósseas do segmento atlanto-axial relacionadas com a execução dessa técnica cirúrgica. O eixo de colocação do parafuso foi o referencial para a seleção dos planos axial oblíquo e parassagital oblíquo obtidos por meio de reconstruções multiplanares da tomografia computadorizada helicoidal. Foram utilizados 100 exames de tomografia computadorizada helicoidal com aquisição volumétrica que incluía o atlas e o áxis. As mensurações foram realizadas nos segmentos atlanto-axiais nos lados direito e esquerdo. Os parâmetros selecionados para mensuração foram a largura e a altura do istmo da parte interarticular de C2, o comprimento ideal do parafuso, os ângulos sagital e mediai do trajeto do parafuso através do istmo de C2 e a distância do trajeto do implante ao sulco da artéria vertebral. Os valores obtidos para cada parâmetro estudado foram: largura do istmo da parte interarticular, 7,75mm ± 1,27mm; altura do istmo da parte interarticular, 7,94mm ± 1,72mm; comprimento ideal do parafuso, 39,03mm ± 2,81 mm; ângulo sagital do trajeto do parafuso, 57,54° ± 5,28° e ângulo mediai do trajeto do parafuso, 7,90° ± 4,05°. Em 5% dos istmos de C2 estudados a espessura do istmo mediu abaixo de 5mm, seja em altura ou largura. Os valores das variáveis lineares no sexo masculino foram estatisticamente superiores, não havendo diferença significativa entre os sexos para as variáveis angulares. A avaliação das imagens no plano parassagital oblíquo obtidos no trajeto do parafuso mostraram o sulco da artéria vertebral em 23% das vértebras de forma unilateral e em 7% das vértebras de forma bilateral. Nos casos em que o sulco da artéria vertebral estava presente foi mensurada a distância do sulco até o trajeto ideal do parafuso. Em 7,5% dos complexos istmo-massa lateral estudados essa distancia mediu menos do que 2,5mm. Com base nos resultados obtidos foi proposta uma classificação do áxis em dois tipos básicos segundo a morfologia do istmo da parte interarticular e da massa lateral de C2, conforme as reconstruções multiplanares selecionadas. Os complexos istmo-massa lateral nos quais não foi identificada variação anatômica predispondo a lesões da artéria vertebral foram classificados como tipo I. Os casos nos quais a técnica de fixação transarticular C1- C2 podería colocar em risco a integridade da artéria vertebral devido a alguma alteração anatômica óssea foram classificados como tipo II. Na amostra estudada foram identificados 11% de complexos istmo - massa lateral de C2 do tipo II. A avaliação pré-operatória é muito importante para identificar esses casos.
Título em inglês
Multiplanar computed tomography reconstructions in the study of transarticular atlanto-axial arthrodesis
Palavras-chave em inglês
Arthrodesis
Atlanto-axial joint
X-ray computed tomography
Resumo em inglês
Transarticular screw arthrodesis provides rigid atlanto-axial fixation and it has biomecanical advantages when compared to other techniques. Transarticular C1-C2 screw fixation could be performed even with fracture, destruction or absence of the atlas posterior arch. Nevertheless, there is a danger of injury to the vertebral artery or to other neurovascular structures, that could be related to anatomic variations. The objective of this study was to determine atlanto-axial bone morphometric measurements related to screw transarticular arthrodesis technique. One hundred helical computerized tomography (helical CT) scans with volumetric acquisition including the axis and the atlas were studied. The screw insertion axis was the referencial to select the correct oblique axial and oblique parasagital planes obtained with multi planar reconstruction (MPR) on helical CT. The measured parameters on each side of the vertebrae were C2 interarticularis isthmus height and width, optimal screw length, optimal screw trajectory sagital and axial angles, and distance between the ideal screw trajectory and the vertebral artery groove. C2 interarticularis isthmus height measured 7.75mm ± 1.27mm, C2 interarticularis isthmus width 7.94mm ± 1.72mm, optimal screw length 39.03mm ± 2.81 mm, optimal screw trajectory sagital angle 57.54° + 5.28°, optimal screw trajectory mediai angle 7.90° ± 4.05°. Isthmus narrowing in height and/or widht under 5mm was seen in 5% of cases. Reconstructed parasagital images showed unilateral vertebral artery groove in 23% and bilateral vertebral artery groove in 7% of vertebrae. In those cases the distance between the arterial groove and the ideal screw path was measured. This distance measured under 2,5mm in 7,5% of isthmuslateral mass complexes. Based on the results a classification of C2 isthmus and lateral mass morfology was proposed. C2 isthmus-lateral mass complexes without anatomic variations predisposing to vertebral artery injury were considered Tipe I. The C2 isthmus-lateral mass complexes potencially associated to neurovascular injury were classified as tipe II. In this sample 11,5% of C2 isthmus-lateral mass complexes were tipe II. Pre operative CT scans are important to identify those cases.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
001349556.pdf (2.53 Mbytes)
Data de Publicação
2021-06-28
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.