• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.17.2017.tde-06012017-154047
Documento
Autor
Nome completo
Priscila Alves Balista
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2016
Orientador
Banca examinadora
Hallak, Jaime Eduardo Cecilio (Presidente)
Zuardi, Antonio Waldo
Lacerda, Acioly Luiz Tavares de
Leite, João Pereira
Oliveira, João Paulo Maia de
Título em português
Modelo animal de epilepsia e psicose comórbida: aspectos neuropatológicos, corportamentais e modulação pelo tratamento com nitroprussiato de sódio
Palavras-chave em português
comorbidade psiquiátrica
epilepsia
modelo animal
nitroprussiato de sódio
pilocarpina
psicose
quetamina
Resumo em português
Introdução: A esquizofrenia é um dos principais transtornos mentais e promove distúrbios comportamentais e cognitivos. Apesar do grande impacto social, pouco se conhece sobre a patofisiologia e etiologia da esquizofrenia. Pacientes com desordens psicóticas têm aumentado risco de desenvolver epilepsia, e pacientes com epilepsia do lobo temporal tem alta frequência de psicoses. A utilização de modelos experimentais animais de esquizofrenia e epilepsia pode ajudar a entender a neurobiologia dessas doenças e ter papel importante no desenvolvimento de novas estratégias terapêuticas. As interações complexas das crises epilépticas e quadros psicóticos tem sido aos poucos desvendadas. O óxido nítrico (NO) é um importante modulador da neurotransmissão e doadores de NO como o nitroprussiato de sódio (NPS) tem efeitos promissores em pacientes com esquizofrenia. Em modelos animais de epilepsia, NO pode ter efeito pró ou anticonvulsivante, sugerindo que o uso de NPS em pacientes com epilepsia e psicose pode não ser tão simples. Objetivos: Desenvolver um modelo animal de epilepsia e psicose comórbida, e compará-lo do ponto de vista comportamental e neuropatológico com modelos animais puros de epilepsia e esquizofrenia. Além disso, verificar a possível modulação desencadeada pelo tratamento com NPS nos modelos citados. Metodologia: Ratos Wistar machos (260-300g) foram divididos em grupos controle (SAL+SAL), epilepsia puro (PILO+SAL), esquizofrenia (SAL+QUET), epilepsia e psicose comórbida (PILO+QUET) e suas versões tratadas com NPS (SAL+SAL+NPS, PILO+SAL+NPS, SAL+QUET+NPS e PILO+QUET+NPS). Esses animais foram avaliados em diferentes aspectos comportamentais (campo aberto, teste de inibição pré- pulso, memória de reconhecimento de objeto e memória de trabalho), e filmados ao longo de 71 dias para o monitoramento de crises epilépticas espontâneas recorrentes. Também foram avaliadas a perda neuronal e a expressão de nNOS em diferentes regiões cerebrais. Resultados: NPS reduziu a frequência de crises nos animais com epilepsia e psicose comórbida quando comparados a animais não tratados. NPS também teve efeito ansiolítico no modelo animal de epilepsia com e sem psicose, e diminuiu os correlatos comportamentais de sintomas positivos dos animais no modelo de psicose e no de epilepsia + psicose, além de reverter o prejuízo no filtro sensório motor nos animais que receberam pilocarpina e quetamina. No reconhecimento de objeto o modelo de epilepsia e epilepsia+psicose o tratamento com NPS não interferiu no desempenho de memória de curto prazo, porém NPS melhorou a memória de longo prazo no modelo de psicose. NPS preservou regiões como o córtex entorrinal e subiculum nos animais epilépticos, mas a camada granular e córtex pré-límbico revelaram perda significativa nos animais controles. Alta expressão de nNOS em diferentes regiões cerebrais foram visualizadas nos animais com epilepsia, com destaque para aqueles que receberam tratamento com NPS. Conclusão: O tratamento com NPS foi efetivo na amenização de sintomas correlatos comportamentais de psicose no modelo puro de esquizofrenia e no comórbido VIII com epilepsia. Além disso, não exacerbou crises e contribuiu para diminuição delas nos animais do modelo de epilepsia e psicose, que apresentou grandes similaridades com o que é encontrado em casos clínicos. Nossos resultados sugerem que o uso do NPS pode ter resultados na melhoria dos sintomas da psicose interictal humana, assim como já observado para a esquizofrenia.
Título em inglês
Animal models of epilepsy and comorbid psychosis: neuropathological features, behavioural aspects and modulation by treatment with sodium nitroprusside
Palavras-chave em inglês
animal model
epilepsy
ketamine
pilocarpine
psychiatric comorbidity
psychosis
sodium nitroprusside
Resumo em inglês
Introdution: Schizophrenia is a major mental disorder that affects 1% of young adults and has a great impact on quality of life, behavior, and cognition. Despite the high social burden, little is known about the pathophysiology and etiology of schizophrenia. Patients with psychotic disorders have increased risk of developing epilepsy, and patients with temporal lobe epilepsy have a high frequency of psychoses. The use of experimental animal models of epilepsy and schizophrenia may help to better understand the neurobiology of these diseases and play an important role in the development of potential new therapeutic strategies. The complex interactions of seizures and psychotic symptoms are being unveiled. Nitric oxide (NO) is an important modulator of neurotransmission and NO donors such as sodium nitroprusside (SNP) have shown promising effects in schizophrenic patients. In animal models of epilepsy, NO may exert pro- or anticonvulsant effects, suggesting that the use of SNP in patients with epilepsy and psychosis may not be so straightforward. Objectives: To develop an animal model of epilepsy and comorbid psychosis, and compare it from the behavioral and neuropathological point of view with pure animal models of epilepsy and schizophrenia. It was hoped, to verify the possible modulation triggered by the treatment with SNP. Metodology: Males Wistar rats weighing 260-300g were divided in controls group (SAL+SAL), pure epilepsy (PILO+SAL), schizophrenia (SAL+QUET), comorbid psychosis (PILO+KET) and their versions treated with SNP (SAL+SAL+SNP, PILO+SAL+SNP, SAL+KET+SNP and PILO+KET+SNP). These animals were evaluated in a variety of behavioral tests (open field, prepulse inhibition startle reflex, object recognition and working memory), and were filmed over 71 days to monitor spontaneous recurrent seizures. We also evaluated neuronal loss and nNOS expression in different brain regions. Results: SNP reduced seizure frequency in animals with epilepsy and psychosis when compared to those not treated with SNP. SNP also showed anxiolytic effects in the animal model of epilepsy with or without psychosis, decreased behavioral correlates of positive symptoms in the animal model of epilepsy + psychosis, and prevented sensorimotor gating deficits in epilepsy + psychosis IX model, The object recognition test showed that in epilepsy and epilepsy + psychosis models the treatment with SNP did not interfere with short-term memory performance, but SNP improved long-term memory in the psychosis model. SNP preserved brain regions like entorhinal cortex and subiculum in epileptic animals, but the granular layer and prelimbic cortex revealed significant loss in controls animals. High expression of NOS in same brain regions was observed in the animal model of epilepsy, especially in the animals receiving SNP. Conclusion: Treatment with SNP was effective in ameliorating symptoms of behavioral correlates of psychosis in the pure model of schizophrenia and the model comorbid with epilepsy. Moreover, SNP did not exacerbate seizures and reduced seizure frequency in the animal model of epilepsy + psychosis, which showed striking similarities to clinical cases. Our results suggest that the use of SNP could ameliorate symptoms of human interictal psychosis, such as those observed in schizophrenia.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2017-03-02
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.