• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
https://doi.org/10.11606/D.17.2020.tde-20082020-114653
Documento
Autor
Nome completo
Karolina Murakami
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2020
Orientador
Banca examinadora
Troncon, Luiz Ernesto de Almeida (Presidente)
Colares, Maria de Fátima Aveiro
Paula, Jayter Silva de
Título em português
Estratégias de enfrentamento das dificuldades ("coping") utilizadas por estudantes do ensino superior na área da saúde
Palavras-chave em português
Coping
Estratégias de enfrentamento
Estudante universitário
Graduação em saúde
Resumo em português
Estratégias de enfrentamento das dificuldades (coping) são competências cognitivas e comportamentais que permitem ao indivíduo lidar com estressores que ameaçam seu bemestar. As exigências do ensino superior na área de saúde fazem com que os estudantes tenham que se ajustar a mudanças, tornando-os vulneráveis ao estresse emocional. Este estudo visou identificar as estratégias de coping utilizadas por estudantes em diferentes etapas de vários cursos da área de saúde de uma mesma instituição pública, frente às dificuldades que encontram, e bem como identificar a ocorrência de estresse emocional, buscando estabelecer a relação entre coping e estresse. Foi um estudo quantitativo empregando questionário estruturado para caracterização social e demográfica e dois inventários psicométricos validados: a escala COPE Breve e o inventário de sintomas de estresse ISS. Participaram 162 estudantes das etapas inicial, intermediária e final de cinco cursos: Fisioterapia, Fonoaudiologia, Medicina, Nutrição e Terapia Ocupacional. Os resultados foram submetidos a análise estatística univariada, para diferenças entre grupos e associações entre variáveis, e a análise multivariada por regressão logística para identificar variáveis independentes determinantes de estresse. Os estudantes relataram encontrar grande número de dificuldades, tanto acadêmicas como não acadêmicas, não havendo diferenças importantes entre cursos e suas etapas. Os participantes relataram a utilização de variadas estratégias de coping, mas não houve também diferenças importantes entre cursos e etapas quanto ao número de estratégias utilizadas, tanto as voltadas ao "problema" quanto as voltadas à "emoção". A presença de estresse foi identificada em proporções entre 45% e 100% dos estudantes, conforme o curso e a etapa considerada, sem diferenças significativas entre eles. Houve correlação significativa entre o número total de dificuldades e o número de estratégias de coping mobilizadas, sendo que o número de dificuldades não acadêmicas se associou com a utilização de estratégias de coping voltadas à emoção e a presença de estresse. Houve associação estatisticamente significativa entre presença de estresse de qualquer tipo e também do estresse patológico com o uso de estratégias de coping voltadas a emoção, o que não ocorreu com a utilização de estratégias voltadas ao problema. Aanálise multivariada permitiu identificar cinco variáveis independentes como determinantes da ocorrência de estresse: sexo feminino, renda familiar baixa, números de dificuldades acadêmicas e não acadêmicas e número de estratégias de coping voltadas à "emoção" utilizadas. Esta análise também revelou que somente uma variável, o número de dificuldades não acadêmicas, pode ser determinante de estresse patológico. Os resultados obtidos indicam que os estudantes, independentemente do curso ou das suas etapas, encontram elevado número de dificuldades, utilizam grande número de estratégias de coping, sem contudo conseguir evitar o estresse. Este parece ser determinado por variáveis de caracterização, como sexo feminino e baixa renda familiar, dificuldades acadêmicas e não acadêmicas e utilização de estratégias de coping voltadas à emoção. Estes achados reforçam a necessidade de manter e aperfeiçoar as ações institucionais de assistência social, apoio à permanência estudantil no ensino superior e apoio psicológico ao estudante, o que permitirá planejamento mais adequado e maior eficácia de medidas de promoção da saúde mental dos estudantes.
Título em inglês
Coping strategies among undergraduate students in health professions
Palavras-chave em inglês
Coping strategies
Health professions
University students
Resumo em inglês
Coping strategies are cognitive and behavioral skills that allow individuals to deal with stressors that can affect their physical, psychological and social well-being. Higher education requirements, especially in the healthcare field, imply that students have to adjust to changes, which makes them vulnerable to emotional stress. This study aimed at identifying the coping strategies utilized by students in different stages of the various health courses of a single public higher education institution, in relation to the difficulties they encounter, as well as identifying the occurrence of emotional stress among them. This study also aimed at determining the relationship between coping strategies and the presence of stress. This was a quantitative study employing a structured questionnaire for social and demographic characterization and two different validated psychometric inventories: the Brief COPE scale and the ISS stress symptoms inventory. The study involved 162 students from initial, intermediate and final stages of five undergraduate programs: Physiotherapy, Speech Therapy, Medicine, Nutrition and Occupational Therapy. Data were subjected to univariate statistical analysis for differences between groups and associations between variables, and to multivariate logistic regression analysis to identify independent variables related to the presence of stress. Students reported that the face numerous difficulties, both from academic and non-academic nature, with no significant differences between courses and their stages. Participants reported the use of various coping strategies, but there were also no significant differences between courses and their stages regarding both the number of strategies used and their focus (either on the "problem" or on the "emotion" elicited). The presence of stress was identified in proportions ranging 45% to 100% of the students, according to the course and the stage considered, without significant differences between them. There was a significant correlation between the total number of difficulties and the number of coping strategies mobilized. The number of non-academic difficulties was associated with the use of emotion-focused coping strategies and the presence of stress. There was a statistically significant association between stress and the use of emotion-oriented coping strategies, which did not occur with the use of problem-oriented strategies. Multivariate, stepwise logistic regression analyzes identified five independent variables as determinants of stress: female gender, low family income, number of academic and non-academic difficulties and number of coping strategies focused on "emotion" used. This analysis also revealed that only one variable, the number of non-academic difficulties, may determine pathological stress. These results indicate that students, regardless of the course or its stages, face numerous difficulties, use a large number of coping strategies, without being able to avoid stress. This seems to be determined by variables such as female gender and low family income, as well as the number of both academic and non-academic difficulties and the use of emotionoriented coping strategies. These findings reinforce the need to maintain and refine the institutional actions of social assistance, support for student permanence in higher education and psychological support to the student, which will allow more appropriate planning and greater effectiveness of measures to promote students' mental health.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
KAROLINAMURAKAMI.pdf (2.40 Mbytes)
Data de Publicação
2020-10-21
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2022. Todos os direitos reservados.