• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
Documento
Autor
Nome completo
Anderson Gregorio Joaquim
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2019
Orientador
Banca examinadora
Suen, Vivian Marques Miguel (Presidente)
Cesar, Thais Borges
Marchini, Julio Sérgio
Moraes, Camila de
Título em português
Treinamento intervalado de alta intensidade e contínuo de moderada intensidade reduzem interleucina-6, mas exercem limitadas mudanças cardiometabólicas em mulheres obesas: estudo randomizado e controlado
Palavras-chave em português
Exercício físico
Inflamação
Obesidade
Síndrome metabólica
Treinamento intervalado de alta intensidade
Resumo em português
A obesidade acarreta alterações metabólicas e inflamatórias do organismo, elevando o risco de morte por doenças cardiovasculares. A prática de exercício aeróbio em moderada ou alta intensidade, tem se mostrado benéfica para melhora do perfil cardiometabólico e inflamatório, atenuando as complicações da obesidade. Entretanto, há controvérsia sobre a dose ótima de exercício a favor desses benefícios. Diante disto, o objetivo deste estudo foi comparar os efeitos do treinamento intervalado de alta intensidade (TIAI) com o treinamento contínuo de moderada intensidade (TCONT), sobre marcadores inflamatórios e cardiometabólicos de mulheres sedentárias com obesidade. Hipotetizamos que o TIAI com esforços executados próximo a frequência cardíaca máxima (FCmáx), porém com a metade do tempo e metade do défict calórico gerados no TCONT, promoveria semelhantes respostas nos parâmetros inflamatórios e cardiometabólicos de mulheres obesas. 48 mulheres obesas [32,8 ± 5,2 anos] foram alocadas aleatoriamente em grupo controle (CTR) [não realizaram treinamento], grupo TCONT [50 min á 65-75% da frequência cardíaca máxima (FCmáx)] e grupo TIAI [25 min compostos por 10 X 1 min a 90-95% FCmáx, separados por 1 min de recuperação ativa a 50% da FCmáx]. Durante 8 semanas, os grupos TCONT e TIAI se exercitaram com 3 sessões na semana. O défitc calórico total estimado por cada sessão, foi de ~380 kcal para o MICT e ~200 kcal para o HIIT. Completaram o estudo 23 mulheres (10 no CTR, 6 no TCONT e 7 no TIAI) e não houveram diferenças estatísticas entre os grupos nas características iniciais. O principal achado foi que ambos os TCONT e TIAI diminuiram significativamente e similarmente a interleucina-6 (IL-6) (~40%). Não se observou o mesmo para proteína C-reativa, leptina e TNF-?. Ambos os TCONT e TIAI promoveram significativamente maior recuperação da FC (RFC), pressão arterial sistólica (RPAS) e diastólica (RPAD) após teste ergométrico. Apenas a RPAS em 2 min foi superior no TIAI comparado ao TCONT (-16 vs. 2 mmHg). Apenas o TCONT reduziu significativamente a insulinemia (~7 µU/ml), colesterol total (~13%), LDL-colesterol (~13,5%) e PAD de repouso (~10 mmHg), porém, tais mudanças não diferiram estatisticamente na comparação com o CTR e TIAI. O aumento no consumo pico de oxigênio foi significativamente maior no TCONT comparado ao TIAI (16% vs. 6%). Nas análises de glicemia, HOMA-IR, triglicerídeos, gasto energético de repouso, oxidação de carboidrato e gordura, antropometria e composição corporal, ambos TIAI e TCONT não se diferiram do CTR e falharam em exercer modificações clínicas significativas. Sendo assim, concluímos que o TCONT e TIAI oferecem reduções similares de IL-6, RFC, RPAS e RPAD, apesar de não modificarem significativamente outros fatores de risco cardiometabólico em mulheres obesas. Destacamos que o TIAI utilizou 50% menos tempo total de exercício e gerou ~48% menos déficit calórico comparado ao TCONT e os achados corroboram com a nossa hipótese. Com isso, sugerimos que o TIAI é uma estratégia tempo-eficiente e sua prescrição mostra ser segura para populações de alto risco cardiometabólico
Título em inglês
High-intensity interval training and moderate-intensity continuous training decrease interleukin-6 but exert limited cardiometabolic changes in obese women: randomized controlled trial
Palavras-chave em inglês
Exercise
High-intensity interval training
Inflammation
Metabolic syndrome
Obesity
Resumo em inglês
The obesity results in metabolic and inflammation body changes and increase the risk of death from cardiovascular disease. Both moderate and high intensity aerobic training improve inflammatory and cardiometabolic profile, attenuating the complications of obesity. However, there are controversies about the optimal dose of exercise in favor of these benefits. Therefore, the aim of this study was to compare the effects of high-intensity interval training (HIIT) and moderate-intensity continuous training (MICT) on inflammatory and cardiometabolic profile in sedentary obese women. We hypothesized that HIIT perfomed close to maximum heart rate (HRmax), but with half of time and half of total energy expended on MICT, would promote similar improvements on inflammatory and cardiometabolic parameters in obese women. Forty-eight obese women [32,8 ± 5,2 (SD) yr] were randomly assigned to a control group (CTR) [did not perform training], MICT group [50 min, 65-75% maximum heart rate (HRmax)] or HIIT group [25 min compound by 10 X 1 min at 90-95% HRmax, interspersed 1-min active recovery at 50% HRmax]. MICT and HIIT were performed 3 times/wk, for 8 weeks, totalizing 24 sessions each. The estimated total energy expenditure for each training session was ~380 kcal for MICT and ~200 kcal for HIIT. Twenty-three women completed the study (10 on CTR, 6 on MICT and 7 on HIIT) and there were no statistical differences between groups for any variable at baseline. The main finding were that both MICT and HIIT decresead significantly and similarly the interleukin-6 (IL-6) (~40%). C-reactive protein, leptin and TNF-? were unchanged after MICT and HIIT. Both MICT and HIIT incresead significantly the heart rate recovery (HRR), systolic and diastolic blood pressure recovery (SBPR and DBPR) after exercise ergometer test. Only SBPR at 2 min was superior on HIIT as compared to MICT (-16 vs. 2 mmHg). Only MICT decresead significantly blood insulin (~7 µU/ml), total cholesterol (~13,5%) and resting DBP (~10 mmHg), however these changes did not differ statistically in comparison with CTR and TIAI. There was significantly increase on peak oxygen uptake for MICT as compared to HIIT (16% vs. 6%). Regarding glycemia, HOMA-IR, triglycerides, resting energy expenditure, carbohydrate and fat oxidation, anthropometric and body composition, both MICT and HIIT did not differ from CTR and failed to exert significant clinical changes. Taken together, we conclude that MICT and HIIT offer similar reductions in IL-6, HRR, SBPR and DBPR, although they do not significantly modify other cardiometabolic risk factors in obese women. We emphasize that HIIT required 50% less total exercise time and ~48% less energy expenditure than MICT and these findings corroborate with our hypothesis. Thus, we suggest that HIIT is a time-efficient strategy and its prescription proves to be safe for for women with grade I and II obesity. Keywords: High-intensity interval training. Exercise. Inflammation. Obesity. Metabolic Syndrome
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2019-11-06
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.