• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.14.2004.tde-01052006-182521
Documento
Autor
Nome completo
Silvia Ribeiro Calbo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2004
Orientador
Banca examinadora
Costa, Roberto Dell Aglio Dias da (Presidente)
Damineli Neto, Augusto
Pereira, Cláudio Bastos
Título em português
"Determinação de abundâncias químicas em simbióticas amarelas austrais"
Palavras-chave em português
abundância química
austral
espectroscopia
estrela simbiótica
Resumo em português
Com o presente trabalho contribuiu-se para o estudo das composições químicas das estrelas simbióticas do hemisfério sul, muito pouco exploradas na literatura. Apresenta-se um conjunto completo de simbióticas amarelas austrais extraído do catálogo de Belczynski [Belczynski]. Alguns dos objetos analisados não possuem nem sequer dados espectroscópicos na literatura. Obtém-se os dados deste trabalho com o telescópio de 1.6 m do LNA e da base de dados do satélite I.U.E. Calcula-se o avermelhamento a partir das linhas de recombinação do H, aplicando os valores de extinção interestelar obtidos dos espectros no visível aos do U.V. A partir das razões entre as linhas do [OIII] e [NII] e supondo uma temperatura eletrônica de 12 000 K (Nussbaumer [NussbuamerNP]) encontra-se as densidade eletrônicas presentes nas nebulosas dos sistemas simbióticos. Com estes dados, mais os os fluxos das linhas derivam-se as abundâncias químicas das nebulosas dos sistemas simbióticos; C, N, O no U.V. e He, Ar, S, O e N no visível. Comparam-se as abundâncias no visível com as das simbióticas na direção do bojo (Luna [Luna]) e com nebulosas planetárias (Escudero [Escudero]). Nota-se que em geral as simbióticas são mais enriquecidas em N e He do que as planetárias isto ocorre provavelmente porque as progenitoras das estrelas simbióticas são mais massivas do que a das planetárias. No entanto, para elementos como O, Ar e S encontram-se abundâncias muito próximas entre simbióticas e planetárias. Comparam-se também, as abundâncias das simbióticas amarelas desta amostra com a de planetárias do disco extraídas do trabalho de Pottasch [Pottasch84] , cefeidas de Luck e Lambert [Luck], abundâncias das gigantes G,K e M obtidas a partir de Lambert e Ries[Lambert], as anãs G e K de Reddy et al [Reddy], as gigantes M de Smith e Lambert[Smith90], abundâncias das estrelas Ba extraídas de Smith [Smith84], as estrelas mild Ba dos tipos espectrais G8 a K3 de Berdyugina [Berdyugina] , as early R de Dominy [Dominy], estrelas C de Lambert et al [Lambert86] e por fim as estrelas M e S (MS) de Smith & Lambert [Smith90]. Pode-se distinguir dois grupos de simbióticas amarelas a partir dos diagramas C/N-O/N. Um grupo apresenta produtos do ciclo CN e situa-se próximo à curva de baixa metalicidade e metalicidade solar. O outro grupo, encontra-se próximo da curva C/O=1, que consiste de objetos enriquecidos em carbono (Schmid & Nussbaumer[Nussbaumer01]). As estrelas simbióticas amarelas enriquecidas em C não estão univocamente associadas as estrelas Ba ou early R. Estes dois grupos representam as simbióticas amarelas tipo s e d' respectivamente. Por fim, conclui-se que os sistemas simbióticos amarelos analisados neste trabalho confirmam o modelo de que seriam estrelas AGBs iluminadas por alguma fonte quente de radiação.
Título em inglês
Determination of chemical abundances in yellow symbiotic stars from the southern hemsiphere
Palavras-chave em inglês
chemical abundance
southern hemisphere
spectroscopy
symbiotic stars
Resumo em inglês
The present work is a contribution to the study of chemical composition of southern symbiotic stars, scarcely studied in literature. We present a complete set of yellow southern symbiotic stars extracted from Belczynski. Some of the objects analyzed had no spectroscopic data in literature. The data were obtained using 1.6m telescope in LNA, Brazil and the IUE satelite database. The reddening was calculated from Hydrogen recombination lines. From the ratio fluxes of the lines of [OIII] and [NII] and a hypothetical electronic temperature of 12 000K (Nussbaumer) we estimated the eletronic density of the nebulae present in the symbiotic system. With this data plus the fluxes of lines observed we obtained the chemical abundances in symbiotic nebulae; C,N,O in U.V. and He, Ar, S, O and N in visible. The abundances of the yellow symbiotic stars were compared to planetary disc nebulae extracted from Pottasch, cefeids form Luck & Lambert, G, K and M giant abundances from Lambert & Ries, G and K dwarfs from Reddy et. al., M giants from Smith & Lambert, Ba star abundances from Smith, mild Ba stars type G8 and K3 from Berdygina, early R from Dominy, C stars form Lambert et. al. and M and S (MS)stars from Smith & Lambert. We can distinguish two types of yellow symbiotic groups. One group presents CN cycle products and is situated near the low metalicity and solar metalicity curve. The other group is found near the C/O=1 curve that is made of rich carbon objects (Schmid & Nussbaumer).The yellow symbiotic stars enriched in carbon are not univically asociated with Ba or early R stars. These two groups represent respectively the yellow s and d' symbiotics. The yellow symbiotic stars analyzed in this work confirm the model in which they would be AGB stars iluminated by some hot source radiation.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
final.pdf (2.04 Mbytes)
Data de Publicação
2006-05-13
 
AVISO: O material descrito abaixo refere-se a trabalhos decorrentes desta tese ou dissertação. O conteúdo desses trabalhos é de inteira responsabilidade do autor da tese ou dissertação.
  • COSTA, R. D. D., e CALBO, S. R. Abundâncias espectroscópicas de simbióticas amarelas. In XXIX Reuniao Anual da SAB, São Pedro/SP, 2003. Boletim da SAB., 2003. Resumo.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.