• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
https://doi.org/10.11606/D.12.2020.tde-15102020-095619
Documento
Autor
Nome completo
Rodrigo Toneto
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2020
Orientador
Banca examinadora
Carvalho, Laura Barbosa de (Presidente)
Júnior, Frederico Gonzaga Jayme
Nakane, Márcio Issao
Zilberman, Eduardo
Título em português
Uma investigação sobre a autonomia de política monetária em países emergentes
Palavras-chave em português
Economias emergentes
Finanças internacionais
Política monetária
Resumo em português
A capacidade de economias domésticas de acomodarem choque externos motiva extenso debate na literatura econômica. O discurso convencional atribuí ao câmbio flutuante o papel de assegurar a autonomia da política monetária em face da mobilidade de capitais, especialmente após a consolidação do arcabouço de Mundell-Fleming. A ciclicidade dos fluxos de capitais e o caráter potencialmente contracionista de uma desvalorização cambial - seja por conta de seu impacto inflacionário ou por meio de efeitos financeiros nos balanços das firmas - motivaram, recentemente, esforços empíricos e teóricos para compreender em que medida os resultados do modelo canônico se sustentam, particularmente em economias emergentes. A partir de uma reconstrução histórica do conceito, define-se autonomia de política monetária como a capacidade de determinada economia em minimizar a volatilidade de variáveis domésticas diante de choques externos. Em um modelo agregado para uma pequena economia aberta, evidencia-se que o ciclo financeiro global, o repasse cambial para inflação e a existência de transbordamentos financeiros diminuem a capacidade do câmbio flutuante de absorver mudanças externas. Posteriormente, essa análise é aprofundada utilizando um modelo Novo Keynesiano para uma economia aberta com setor financeiro. Mostra-se que diante da não internalização por meio dos agentes financeiros das externalidades associadas ao risco cambial do financiamento externo, a adoção de políticas macroprudenciais aumentam a independência da autoridade monetária. Adicionalmente, por conta do repasse cambial significativo decorrente de choques externos, uma maior leniência com a inflação eleva a efetividade da política monetária doméstica.
Título em inglês
An inquiry into the emerging markets monetary policy autonomy
Palavras-chave em inglês
Emerging markets
International finance
Monetary policy
Resumo em inglês
The ability of domestic economies to accommodate external shocks instigates extensive debate in the economic literature. Conventional wisdom attributed to the floating exchange rate the capacity of ensuring monetary policy autonomy when capital mobility is assured, especially after the widespread adoption of the Mundell-Fleming framework. The cyclical behavior of capital flows and the potentially contractionary nature of currency devaluations - either because of its inflationary impact or its financial effects on firms' balance sheets - have recently motivated empirical and theoretical efforts to verify to which extent the canonical results hold, particularly in emerging economies. Grounded on a historical perspective, we define monetary policy autonomy as the capacity of a given economy to minimize domestic variables' volatility when facing foreign shocks. In an aggregated model for a small open economy, we show that the global financial cycle, the exchange rate pass-through to inflation, and the existence of financial spillovers diminish the floating exchange rate ability to insulate domestic economies.To further expand this analysis, we develop a New Keynesian model for an open economy with a financial sector. Once bankers do not incorporate the aggregate risk of exchange rate fluctuation in their leverage and indebtedness decisions, macroprudential policies widen policy autonomy. Additionally, because of the significant exchange rate pass trough that worsen the monetary policy trade-offs, greater leniency with inflation would enhance better accommodation of external shocks.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2020-12-10
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2022. Todos os direitos reservados.