• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Mémoire de Maîtrise
DOI
10.11606/D.11.2015.tde-16112015-154743
Document
Auteur
Nom complet
Camila Melani Neves Costa
Adresse Mail
Unité de l'USP
Domain de Connaissance
Date de Soutenance
Editeur
Piracicaba, 2015
Directeur
Jury
Silva Filho, Demóstenes Ferreira da (Président)
Costa, Francisca Pinheiro da Silveira
Couto, Hilton Thadeu Zarate do
Titre en portugais
Gestão da arborização urbana no Estado de São Paulo
Mots-clés en portugais
Manejo de árvores urbanas
Planejamento urbano
Programa Município VerdeAzul
Resumé en portugais
A arborização nos espaços urbanos, mesmo que ainda pouco valorizada, veio como uma tentativa de reaproximar o homem da natureza e atenuar os efeitos da urbanização. Entretanto, a má gestão destas árvores, além de não cumprir o objetivo principal, pode oferecer riscos à população. Pouco se sabe sobre a situação geral da arborização de cidades brasileiras e o diagnóstico é o primeiro passo para o direcionamento de esforços financeiros e de políticas públicas nos pontos mais deficitários. O objetivo desta pesquisa foi explorar o cenário atual da gestão da arborização dos municípios paulistas, verificando possíveis relações de dependência com fatores socioeconômicos. Os dados foram coletados por meio de questionário eletrônico quali-quantitativo elaborado no Google Docs e enviado aos representantes (Interlocutores do Programa Município VerdeAzul - PMVA) dos municípios paulistas, com o apoio da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Os mapas temáticos foram elaborados por meio da ferramenta livre Quantum GIS versão 2.4 e da malha geométrica dos municípios do Estado de São Paulo, obtida no sítio do IBGE. Utilizou-se o Teste Exato de Fisher para verificar relações de dependência entre os dados obtidos nos questionários e os fatores socioeconômicos municipais adotados nesta pesquisa (IDH, classe populacional, renda per capita, notas gerais do PMVA, notas específicas da Diretiva de Arborização Urbana dentro do PMVA e mesorregiões). O questionário obteve um retorno de 375 municípios (64% dos inscritos no PMVA em 2013, do total de 645 municípios). O diagnóstico da gestão de árvores acusou deficiências, tanto em questões políticas, relativas a instrumentos legislativos, estruturais e orçamentários, quanto em questões técnicas, referentes a padrões de seleção de espécies, coleta de sementes, podas, remoções e outros. De maneira geral, os fatores IDH, renda per capita e notas gerais do PMVA e da Diretiva de Arborização Urbana (AU) interferem positivamente na gestão de árvores no município. Além disso, quanto maior o número de habitantes, melhor a gestão. As notas da Diretiva de AU não foram sensíveis a alguns itens importantes, como a existência de Lei e de viveiros, e muitas vezes os itens de gestão apresentaram relação de dependência com as notas do PMVA, mas não apresentaram relação com as notas da Diretiva de AU, sugerindo que tais itens não estejam sendo bem abordados nos critérios da Diretiva. A Arborização Urbana é uma das Diretivas com o menor peso no PMVA desde 2013, portanto, sugere-se que esta Diretiva tenha maior representatividade e que os critérios mais deficientes tenham mais peso dentro da Diretiva. A mesorregião de São José do Rio Preto foi a que mais apresentou relações de dependência, tanto positivas quanto negativas. As mesorregiões que necessitam de maior atenção são a do Vale do Paraíba Paulista e a de Presidente Prudente. As mesorregiões de Ribeirão Preto e Macro Metropolitana Paulista aparentam dispor de gestão de maior qualidade. Ainda que com alguns pontos a serem melhorados, o Programa Município VerdeAzul se mostrou fundamental por estimular o envolvimento dos municípios na implementação de políticas públicas e ações de gestão de arborização urbana.
Titre en anglais
Urban forest management in State of São Paulo
Mots-clés en anglais
Management of urban
Município VerdeAzul Program
urban planning
Resumé en anglais
The afforestation in the urban areas, although still undervalued, came as an attempt to reconnect mankind and nature and mitigate the urbanization effects. Meanwhile, poor management of these trees, besides not even serving its role, can offer risks to the population. It is known very little about the general situation of afforestation in Brazilian cities and the diagnosis is the first step to focus financial efforts as well as public politics in the most deficit points. The objective of this research was to explore the current scenario of the afforestation management of São Paulo cities, checking possible dependency relationships with socioeconomic factors. The data was gathered through a qualitative and quantitative electronic survey developed in Google Docs and sent to the representatives (Interlocutors from Município VerdeAzul Program - MVAP) of São Paulo cities, with the full support of the Secretariat for the Environment of the State of São Paulo. Thematic maps were elaborated using the free tool Quantum GIS version 4.2 and the geometric grid of the cities of São Paulo obtained in the IBGE site. It was used the Fisher's Exact Test to verify dependency relationships between the information gathered from survey and city socioeconomic factors adopted in this research (HDI, population class, per capita income, general grades from MVAP, specific grades from Urban Forestry Policy inside MVAP and mesoregions. The survey had a returned answer from 375 cities (64% of the total subscribed cities on MVAP in 2013, out of 645 cities). The diagnosis of trees management accused deficiencies in political issues related to legislative, structural and budgetary instruments, as in technical issues referring to species selection standards, seed collection, pruning, removals and others. In general, the HDI, per capita income and general grades from MVAP and specific grades from Urban Forestry Policy (UFP) showed a positive interference in the management of trees in the city. Furthermore, the greater the number of inhabitants, the better tree management. The UFP grades were not sensitive to some important items such as existence of law or nurseries, and often the management items showed a dependent relationship with the MVAP grades but did not show any dependent relationship with the UFP grades, suggesting that such items are not being well covered in the criteria of the Policy. Urban Forestry is one of the Policies with the lowest weight inside MVAP since 2013, so it is suggested that this Policy has greater representation and that the weakest criteria have more weight within the UFP. The mesoregion of São José do Rio Preto was the one that most presented dependency relationships, either positive or negative. The mesoregions that need more attention are the Vale do Paraíba Paulista and Presidente Prudente. The mesoregions of Ribeirão Preto and Macro Metropolitana Paulista appeared to have a higher quality management. Although with some points to be improved, the Municipio VerdeAzul Program shows itself crucial to stimulate the involvement of cities in the implementation of public polices and urban forestry management actions.
 
AVERTISSEMENT - Regarde ce document est soumise à votre acceptation des conditions d'utilisation suivantes:
Ce document est uniquement à des fins privées pour la recherche et l'enseignement. Reproduction à des fins commerciales est interdite. Cette droits couvrent l'ensemble des données sur ce document ainsi que son contenu. Toute utilisation ou de copie de ce document, en totalité ou en partie, doit inclure le nom de l'auteur.
Date de Publication
2015-11-23
 
AVERTISSEMENT: Apprenez ce que sont des œvres dérivées cliquant ici.
Tous droits de la thèse/dissertation appartiennent aux auteurs
Centro de Informática de São Carlos
Bibliothèque Numérique de Thèses et Mémoires de l'USP. Copyright © 2001-2022. Tous droits réservés.