• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tesis Doctoral
DOI
Documento
Autor
Nombre completo
Cláudia Maria Iannelli Servin
Dirección Electrónica
Instituto/Escuela/Facultad
Área de Conocimiento
Fecha de Defensa
Publicación
Piracicaba, 2007
Director
Tribunal
Stape, Jose Luiz (Presidente)
Barbosa, Luiz Mauro
Barreira, Sybelle
Gandolfi, Sergius
Poggiani, Fabio
Título en portugués
Caracterização ecofisiológica de espécies nativas da Mata Atlântica sob dois níveis de estresse induzidos pelo manejo florestal em área de restauração florestal no Estado de São Paulo
Palabras clave en portugués
Ecofisiologia
Manejo florestal
Mata Atlântica
Plantas nativas
Reflorestamento
Sucessão florestal
Resumen en portugués
Com o objetivo de estudar o desenvolvimento de espécies florestais nativas em área de restauração florestal e sob diferentes condições de estresse, foi avaliado o desempenho e respostas de 20 espécies florestais nativas crescidas sob duas diferentes condições de manejo, que resultam em maior (manejo usual) e menor nível de estresse (manejo máximo, com maiores doses de fertilizantes e sempre livre de matocompetição). As parcelas foram selecionadas em experimento instalado na Estação Experimental de Anhembi, da USP (latitude 22°47' S e longitude 48°09' W), implantado em área de pastagem degradada em março de 2004, e avaliado aos 2,5 anos. As parcelas experimentais selecionadas estavam no espaçamento de 3 m x 2 m, possuindo 1270 m2 de área total e 792 m2 de área útil, com 132 plantas mensuráveis, com quatro repetições. As variáveis de crescimento estudadas foram: altura, diâmetro a 30 cm do solo, volume e área foliar específica) e as fisiológicas foram: fotossíntese, clorofila a, clorofila b, clorofila total, proteínas totais solúveis, teores foliares de macronutrientes. Mediram-se todas as plantas para as variáveis dendrométricas e três plantas médias, para as análises fisiológicas. Os resultados foram analisados como um fatorial 2x2, sendo os fatores grupo sucessional (pioneiras e não pioneiras) e manejo (usual e máximo). As espécies pioneiras apresentaram maiores valores de crescimento e sobrevivência que as espécies não pioneiras, independentemente do manejo utilizado. Os volumes das espécies pioneiras foram 27 maiores que as não pioneiras sob manejo usual e de 5 vezes maiores sob manejo máximo. O manejo silvicultural máximo, que propicia menor estresse ambiental, apresentou maiores valores de crescimento e sobrevivência que o manejo usual, com maior estresse ambiental, independentemente do grupo sucessional. O volume do manejo máximo foi de 4,6 vezes maior que no manejo usual para as pioneiras e de 25,5 vezes maior para as não pioneiras. As espécies pioneiras apresentaram maiores atividades fotossintéticas (fotossíntese, clorofila a e proteínas solúveis totais) que as espécies não pioneiras, independentemente do manejo utilizado. As taxas de fotossíntese das espécies pioneiras foram 52% maiores que as não pioneiras sob manejo usual e de 40% maiores sob manejo máximo. O manejo silvicultural máximo apresentou maiores valores das variáveis fisiológicas do que o manejo usual, independentemente do grupo sucessional. A taxa de fotossíntese do manejo máximo foi 18% maior que o manejo usual para as pioneiras e de 30% maior para as não pioneiras. As não pioneiras apresentaram, em média, maior flexibilidade que as espécies pioneiras, apesar de não significativo, dada a alta variabilidade da flexibilidade das espécies dentro dos grupos. Com base nos resultados, e para fins de orientação na escolha das espécies para plantio de acordo com as práticas silviculturais a serem utilizadas (com maior ou menor aliviação dos estresses), propôs-se que as espécies nativas sejam agrupadas em 4 classes, de acordo com o seu ritmo de crescimento e nível de flexibilidade volumétrica.
Título en inglés
Ecophysiology of native species of the atlantic forest under two environmental stress levels induced by silvicultural practices in a restored area of Sao Paulo State
Palabras clave en inglés
Flexibility
Forest recovering
Restoration
Stress
Resumen en inglés
The study purpose is to evaluate the development of 20 native species in a area under restoration and submitted to two levels of environmental stress according to silvicultural practices. The usual practices has a higher level of stress and the maximum practices resulted in a lower level of stress, due to a higher fertilization regime and a complete weed-control. The experimental plots were selected from a experiment located on the Experimental station of USP in Anhembi (22°47' S and 48°09' W), planted in a pasture in march 2004, and evaluated at 2,5 years-old. The plots were planted in a 3 m x 2 m spacing, with 1270 m2 of total area and 792 m2 of usable area, with 132 trees, with four replications. The variables measured were high, diameter at 30 cm and volume. Physiological variables included photosynthesis, a b and total chlorophyll, total soluble proteins and leaf macronutrients, besides specific leaf area. All trees of each plot were measure for growth estimates and three trees per species and management for the physiological variables. The analysis were done considering a 2 x 2 factorial design with the factors ecological group (pioneers and non pioneer) and silviculture (usual and maximum). The pioneer species had a better growth than non pioneer. The volume of the pioneer species were 27-fold larger than non pioneers under usual silviculture and 5- fold larger under maximum silviculture. The maximum silviculture showed a 4,6-fold larger volumetric growth compared with the usual silviculture dor pioneers species, and 25,5-fold larger growth for non pioneer ones. Pioneer species also showed larger physiological metabolisms than non pioneer ones. Photosynthesis of the pioneers were 52% larger than the non pioneer under usual silviculture and 40% under maximum silviculture. Photosynthesis were also enlarged by maximum silviculture between 18 and 30%. In general, non pioneer species were more flexible (larger responses to the alliviation of stress) than pioneer species, although there were a large variability. The results allowed the establishment of 4 classes of species, classified by growth rate and flexibility, with can be used to better recommendation of species to different restoration conditions.
 
ADVERTENCIA - La consulta de este documento queda condicionada a la aceptación de las siguientes condiciones de uso:
Este documento es únicamente para usos privados enmarcados en actividades de investigación y docencia. No se autoriza su reproducción con finalidades de lucro. Esta reserva de derechos afecta tanto los datos del documento como a sus contenidos. En la utilización o cita de partes del documento es obligado indicar el nombre de la persona autora.
ClaudiaServin.pdf (381.83 Kbytes)
Fecha de Publicación
2007-10-05
 
ADVERTENCIA: Aprenda que son los trabajos derivados haciendo clic aquí.
Todos los derechos de la tesis/disertación pertenecen a los autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Tesis y Disertaciones de la USP. Copyright © 2001-2021. Todos los derechos reservados.