• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.11.2013.tde-23052013-144815
Documento
Autor
Nome completo
Ricardo da Silva Surjus
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Piracicaba, 2013
Orientador
Banca examinadora
Sartori Filho, Roberto (Presidente)
Pires, Alexandre Vaz
Sales, José Nélio de Sousa
Título em português
Produção de embriões e fisiologia ovariana em vacas nelore sob diferentes níveis nutricionais
Palavras-chave em português
Embrião - Produção
Insulina
Metabolismo animal
Nutrição animal
Ovário - Fisiologia
Vacas Nelore
Resumo em português
A nutrição está intimamente relacionada com a reprodução nos animais e ainda há muito a se estudar sobre essa inter-relação, principalmente porque ainda há muita controvérsia na literatura sobre este tema. Por exemplo, alguns estudos sugerem ser benéfico o uso do "flushing" nutricional na produção de embriões em ruminantes. Entretanto, a maioria dos trabalhos mostra resultados negativos da alta ingestão de matéria seca (IMS). Dessa forma, existe a necessidade em se avançar nos estudos comparando a fisiologia reprodutiva e produção de embriões em fêmeas sob diferentes níveis nutricionais. Foram utilizadas 33 vacas Nelores não lactantes recebendo um dos quatro tratamentos a seguir: Os grupos Mantença (M), Restrição (0,7M) e Alta IMS (1,5M) receberam a mesma dieta padrão variando a quantidade oferecida. O grupo Alta ingestão de energia (E), recebeu uma dieta com alto teor de amido, com a mesma energia do grupo 1,5M, porém, com a mesma IMS do grupo M. Todas as vacas passaram por todos os tratamentos, em um modelo crossover. Estes animais tiveram o ciclo estral sincronizado e acompanhamento ovariano diário, por meio de ultrassonografia até confirmação da ovulação. Posteriormente, nos dias 7 e 10 do ciclo estral foi avaliado o volume do corpo lúteo (CL). Concentrações circulantes de hormônios esteróides (progesterona [P4] e estradiol [E2]) foram mensuradas em dias estratégicos. Os animais foram submetidos à aspiração intrafolicular (OPU) por volta do dia 12 do ciclo estral e dois dias após a OPU, os animais foram superestimulados e avaliou-se a resposta superovulatória e a qualidade embrionária entre os grupos, assim como a taxa de prenhez de 273 receptoras após transferência em tempo fixo dos embriões vitrificados. As análises foram realizadas de acordo com o Proc GLIMMIX do SAS, com nível de significância de P < 0,05. Os resultados estão apresentados na forma de média dos quadrados mínimos ± erro padrão. Este estudo englobou duas áreas principais: fisiologia e concentrações hormonais (Experimento 1) e produção in vivo de embriões (Experimento 2). Apesar de, no Experimento 1, terem sido avaliadas 33 vacas nas quatro repetições, totalizando 132 sincronizações, houve apenas 75 ovulações, as quais foram consideradas para as análises subsequentes. A taxa de ovulação não variou entre os tratamentos (~57%). O folículo ovulatório foi maior conforme a IMS aumentou para a dieta padrão nos grupos 1,5M, M, 0,7M (14,4 ± 0,3a vs 12,8 ± 0,3b vs 12,0 ± 0,3c nos grupos 1,5M, M e 0,7M, respectivamente). Apesar disso, o E2 circulante não diferiu entre os grupos. O volume do CL no Dia 7 do ciclo estral foi semelhante entre os grupos, todavia o grupo 1,5M apresentou menor concentração de P4 circulante (2,4 ± 0,2 ng/mL) em relação aos grupos M e 0,7M (2,9 ± 0,2 vs 3,0 ± 0,3 ng/mL, respectivamente). No Experimento 2, a concentração de insulina plasmática foi maior no grupo E (8,7 ± 0,86 ?UI/mL) comparado com os grupos 0,7M (4,6 ± 0,87) e M (5,3 ± 0,85), não diferindo do grupo 1,5M (6,6 ± 0,9). Houve maior resposta superovulatória (CL) nas doadoras que receberam a dieta padrão, 0,7M (13,0 ± 1,3a); M (14,2 ± 1,2ª) e 1,5M (13,9 ± 1,2ª) comparado às alimentadas com alta energia (9,7 ± 1,2b), devido à correlação negativa entre resposta superovulatória e insulina (r = -0,32). Apesar disso, não houve diferença entre os grupos para o número total de ovócitos/embriões colhidos (~6 estruturas), embriões viáveis (~3 embriões), ou congeláveis (~2,7 embriões). Independente de tratamento, a insulina circulante ao início da superovulação, apresentou correlação negativa com o número de embriões viáveis (r = -0,22). A prenhez aos 23 e 53 dias após a transferência dos embriões não diferiu entre os tratamentos, entretanto, a insulina circulante das doadoras teve correlação negativa com a prenhez das receptoras aos 60 dias de gestação (r = -0,16). Em conclusão, diferentes níveis de IMS alteraram o tamanho das estruturas ovarianas e/ou as concentrações circulantes de hormônios esteróides. Apesar disso, houve um efeito muito discreto de dieta na resposta superovulatória e qualidade embrionária das vacas. Independente de tratamento, alta insulina circulante das doadoras foi associada a menor resposta superovulatória, número de embriões viáveis e prenhez das receptoras aos 60 dias de gestação.
Título em inglês
Embryo production and ovarian physiology in cows under different levels nutritional nellore
Palavras-chave em inglês
Animal metabolism
Animal nutrition
Embryo - Production
Insulin
Nelore cows
Ovary - Physiology
Resumo em inglês
Nutrition is closely related to reproduction and there is still much to learn about this relationship, mainly because there is so much controversy in the literature on this topic. For example, some studies propose beneficial use of nutritional "flushing" on embryo production in ruminants. However, most studies show negative results of high dry matter intake (DMI). Thus, there is a need to advance in studies comparing reproductive physiology and embryo production in females under different nutritional levels. A total of 33 non-lactating Nelore cows received one of the following treatments: Groups maintenance (M), Restriction (0.7M) and High DMI (1.5M) received the same standard diet with variations in the amount offered. The group High intake of energy (E) received a diet with high starch content, but the same amount of energy as group 1.5M, however, with the same DMI as Group M. All cows underwent all treatments in a crossover model. These animals had their estrus synchronized and ovarian dynamics was monitored daily by ultrasound until confirmation of ovulation. Subsequently, on days 7 and 10 of the estrous cycle the volume of the corpus luteum (CL) was estimated. Circulating concentrations of steroid hormones (progesterone [P4] and estradiol [E2]) were measured in strategic days. The cows underwent intrafollicular aspiration (OPU) on day 12 of the estrous cycle, and two days after OPU, the cows ovaries were supererstimulated. The superovulatory response and embryo quality was compared among groups, as well as pregnancy rate of 273 recipients after receiving fixed-time transfer of vitrified embryos. Analyses were performed according to the Proc GLIMMIX of SAS, with a significance level of P < 0.05. Results are presented as least squares means ± standard error. This study included two main areas: physiology and hormone concentrations (Experiment 1) and in vivo embryo production and pregnancy rate (Experiment 2). Although, in Experiment 1, 33 cows were evaluated in four repetitions, totaling 132 synchronizations, there were only 75 ovulations, which were considered for subsequent analyzes. The ovulation rate did not vary between treatments (~57%). The size of the ovulatory follicle incresed as the DMI of the standard diet increased (14.4 ± 0.3a vs 12.8 ± 0.3b vs 12.0 ± 0.3c for groups 1.5 M, M and 0.7M, respectively). Nevertheless, the circulating E2 did not differ between groups. The volume of the CL on Day 7 of the estrous cycle increased as the DMI of the standard diet increased, but the 1.5M group had lower circulating concentrations of P4 (2.4 ± 0.2 ng/mL) than groups M and 0.7M (2.9 ± 0.2 and 3.0 ± 0.3 ng/mL, respectively). In Experiment 2, plasma insulin concentration was higher in the E group (8.7 ± 0.86 ?IU/mL) compared with groups 0.7 M (4.6 ± 0.87) and M (5.3 ± 0.85) not differing from group 1.5M (6.6 ± 0.9). There was a higher superovulatory response (CL) in donors receiving the standard diet [0.7M (13.0 ± 1.3), M (14.2 ± 1.2) and 1.5M (13.9 ± 1.2)] compared with those fed high energy (9.7 ± 1.2 CL) due to the negative correlation between superovulatory response and circulating insulin (r = - 0.32). Nevertheless, there was no difference between groups for the total number of oocytes/embryos collected (~6 structures), viable embryos (~3 embryos), or freezable (~2.7 embryos). Regardless of treatment, circulating insulin at the beginning of superovulation, was negatively correlated with the number of viable embryos (r = -0.22). Pregnancies at 23 and 53 days after embryo transfer did not differ between treatments, however, circulating insulin of the donor cows had a negative correlation with pregnancy of recipients at 60 days of gestation (r = -0.16). In conclusion, different levels of DMI changed the size of ovarian structures and/or the concentrations of circulating steroid hormones. Nevertheless, there was a very minor effect of diet on superovulatory response and embryo quality in cows. Regardless of treatment, high circulating insulin of the donors was associated with lower superovulatory response, lower number of viable embryos and less pregnancies of recipients at 60 days of gestation.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2013-06-10
 
AVISO: O material descrito abaixo refere-se a trabalhos decorrentes desta tese ou dissertação. O conteúdo desses trabalhos é de inteira responsabilidade do autor da tese ou dissertação.
  • SURJUS, R. S., et al. In vivo embryo production in cows superovulated 1 or 2 days after OPU. Reproduction, Fertility and Development, 2013.
  • SURJUS, R. S., et al. INFLUENCE OF HIGH OR LOW INTAKE OF DRY MATTER AND ENERGY ON IN VIVO PRODUCTION OF BOVINE EMBRYOS. In 2012 IETS Annual Meeting, Phoenix, 2012. Reproduction, Fertility and Development.COLLINGWOOD : CSIRO PUBLISHING, 2012. Abstract.
  • SURJUS, R. S., et al. Produção in vivo de embriões em vacas superovuladas 1 ou 2 dias após aspiração folicular. In XXV Reunião Annual da SBTE, Cumbuco, 2011. Anais da XXV Reunião Annual da SBTE., 2011. Resumo.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.