• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
https://doi.org/10.11606/D.100.2020.tde-24062020-170358
Documento
Autor
Nome completo
Bruna Lavinas Jardim Falleiros
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2020
Orientador
Banca examinadora
Cazetta, Valéria (Presidente)
Ambra, Pedro Eduardo Silva
Caponi, Sandra Noemi Cucurullo de
Marcello, Fabiana de Amorim
Título em português
Sexo designado antes de nascer: imagens fetais como tecnologia de produção de gênero
Palavras-chave em português
Corpos fetais
Gênero
Georges Didi-Huberman
Michel Foucault
Ultrassonografia obstétrica
Resumo em português
Provocadas pelo fenômeno do Chá Revelação, possibilitado pela designação do sexo fetal via ultrassonografia, nossa indagação inicial foi: tal tecnologia biomédica estaria relacionada a uma ruptura discursiva de marcadores de gênero? A hipótese é a de que, após a emergência da fotografia do feto astronauta na capa da revista Life de 1965 seguida de larga difusão de imagens de embriões e fetos operando para humanizá-los, a ampliação do uso ultrassonografia obstétrica a partir da década de 1990 no Brasil generificou-os. Nosso objetivo, portanto, foi o de indicar a relevância das tecnologias de visualidade na objetivação e subjetivação dos corpos fetais e infantis relativas ao gênero. Para tanto, inspiramo-nos nos procedimentos arqueogenealógico foucaultiano e na arqueologia da imagem didi-hubermaniana com o propósito de analisar imagens e textos das publicações periódicas brasileiras A Cigarra, Revista Feminina, Vida Domestica e Pais & Filhos em um recorte temporal de 100 anos até os dias atuais, numa tentativa de diagnosticar o presente. Por meio dessas quatro revistas, identificamos a construção da maternidade científica e do pré-natal como a priori histórico da humanização e consequente generificação fetal. Forjamos, para dar conta de nossa proposta, a noção de imagem-acontecimento que, somada a marcadores de gênero em corpos infantis encontrados nas revistas cortes de cabelo, furos nas orelhas, roupas, cores rosa e azul , possibilitou-nos demonstrar que as imagens produzidas pela ciência e as imagens que circulam nos meios de comunicação sobre corpos fetais e infantis compõem os jogos de saber e poder constituidores do regime de verdade que os generificam cada vez mais precocemente. Nesse embate discursivo, frente à prevalência de forças conservadoras, tal qual o movimento que cunhou a expressão ideologia de gênero, compreendemos a urgência de provocar uma circulação discursiva desgenerificadora dos corpos
Título em inglês
Sex assigned before birth: fetal images as technology of gender production
Palavras-chave em inglês
Fetal bodies
Gender
Georges Didi-Huberman
Michel Foucault
Obstetric ultrasound
Resumo em inglês
Triggered with the phenomenon of Gender Reveal Party made possible because of fetal sex assignment via ultrasound, our initial question was: would this biomedical technology be related to a discursive rupture of gender markers? The hypothesis is that after the emergence of the photograph of the astronaut fetus on the cover of the 1965 Life magazine followed by a wide diffusion of embryos and fetuses images operating to humanize them, the increased use of obstetric ultrasound in the 1990s genderificated them. Our objective, therefore, was to indicate the relevance of visual technologies in objectifying and subjectifying fetal and infantile bodies in relation to gender. To do so, we were inspired by the Foucaultian archeogenealogical procedure and didi-hubermenian images archeology procedure for analyzing images and texts from the Brazilian periodicals A Cigarra, Revista Feminina, Vida Domestica and Pais & Filhos over a period of 100 years until the present day, in an attempt to diagnose the present. Through these four magazines, we identified the construction of scientific maternity and prenatal care as an historical a priori of humanization and consequent fetal gererification. We forged, to give an account of our proposal, the notion of image-event that added with gender markers in children's bodies that were found in the magazines haircuts, ears perfurations, clothes, pink and blue colors enabled us to demonstrate that the images produced by science and the circulating images in the media about fetal and infant bodies assemble the games of knowledge and power that constitute the regime of truth that genderificates them more precociously. In this discursive clash, against the prevalence of conservative forces, such as the movement that coined the expression gender ideology, we believe to be urgent to produce a discursive circulation that would desgendered bodies
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2021-07-06
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.