• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
https://doi.org/10.11606/D.100.2020.tde-16012020-120827
Documento
Autor
Nome completo
Juliana Duarte Arraes
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2019
Orientador
Banca examinadora
Schavelzon, Salvador Andrés (Presidente)
Oliveira, Cynthia Bisinoto Evangelista de
Oliveira, Régia Cristina
Paiva, Ilana Lemos de
Título em português
Por uma práxis do fazer socioeducativo: reflexões sobre o movimento de (re)construção metodológica da UAMA-Paranoá e suas contribuições para a política de atendimento em meio aberto no DF
Palavras-chave em português
Fazer socioeducativo
Metodologia de atendimento socioeducativo
Práxis
Trabalho burocrático
Resumo em português
Este estudo apresenta e traz reflexões sobre o movimento de (re)construção metodológica do atendimento socioeducativo feito com adolescentes e jovens em cumprimento das medidas de prestação de serviços à comunidade e liberdade assistida na Unidade de Atendimento em Meio Aberto (UAMA) do Paranoá. Para tanto, realizou-se entre 2016 e 2018 uma pesquisa etnográfica de natureza interpretativa crítica, por meio de observação participante e entrevistas semiestruturadas, além de revisão bibliográfica. Para a análise dos dados obtidos, a categoria utilizada foi a práxis, segundo a qual o trabalho (ação humana) é determinado pelo contexto material, histórico e cultural em que é realizado, ao mesmo tempo que também o modifica, em uma relação dialética entre indivíduo e sociedade e subjetividade e objetividade. No caso do Sistema Socioeducativo do DF, esse contexto expressa um conjunto de contradições inerentes às "questões sociais", raciais e criminais, relacionadas entre si e próprias das relações de produção do estado capitalista. Tais questões, na verdade, que estão na gênese da política pública da socioeducação no Brasil, atravessaram o último século e fazem parte das instituições que a operam. Essas, por sua vez, são marcadas hegemonicamente por culturas e práticas que impõem ao cotidiano das(os) profissionais a racionalização de processos de trabalho que tende a naturalizar as contradições das questões sociais, raciais e criminais por meio da burocracia. É, então, pela práxis que enfrentamentos a esses contextos contraditórios e burocráticos são possíveis. Isso exige, no caso das(os) trabalhadoras(es) da política socioeducativa, uma compreensão reflexiva, teórica e crítica sobre a realidade, a fim de orientar novas práticas. E também lhes gera, por consequência, novos processos de subjetivação. Assim, durante a pesquisa, coloquei em diálogo as observações que fiz e as reflexões das(os) participantes sobre suas práticas na UAMA-Paranoá, com elementos estruturantes do contexto histórico, material e cultural do cotidiano de trabalho em que estavam inseridas(os). Como consequência, compreendeu-se que a (re)construção metodológica que realizavam estava implicada num movimento contra-hegemônico e propositivo que se optou por chamar de práxis do fazer socioeducativo. Esse movimento partiu da mudança da cultura de atendimento dispensada aos(às) adolescentes, jovens e famílias, mas foi além e apontou para possibilidades de enfrentamento à cultura punitivista e desumanizante do Sistema Socioeducativo, herança do sistema penal que, em especial para as medidas de meio aberto, pode ser verificada pela burocratização das relações humanas
Título em inglês
For a socio-educational doing praxis: reflections regarding the methodologic (re)construction movement of UAMA-Paranoá and its contributions to the politics of attendance in an Open Environment in DF
Palavras-chave em inglês
Bureaucratic work
Praxis
Socio-educational attendance methodology
Socio-educational doing
Resumo em inglês
This study presents reflections regarding the methodologic (re)construction movement of socio-educational attendance produced with teenagers and young people in fulfillment with the measures of community service and probation at the Unidade de Atendimento em Meio Aberto 1 (UAMA) of Paranoá. Therefore, between 2016 and 2018 I performed an ethnographic research of critical interpretative nature and obtained the data by means of literature review, participant observation and semi-structured interviews. The data analysis main category was the praxis, whereby labor (human action) is determined by the cultural, historical and material context in which it is performed, at the same time in which it also changes it, in a dialectical relationship between subject and society, subjectivity and objectivity. In the case of the Socio-educational System of DF, I identify this context as the expressions of a set of contradictions inherent to the criminal, racial and social matters, related to each other and characteristic of the capitalist state's relations of production. Such matters belong in fact to the genesis of Brazil's Socio-educational public politics, they have permeated the last century and are a part of the institutions operating them. These institutions impose determining conditions over the worker's routine, whose contradictions are justified by the rationalization of work processes and, therefore, naturalized by bureaucracy. Thus, it is by praxis that confrontations against this conflicting context are possible. It demands, in the case of the socio-educational politics' workers, a critical, theoretical and reflexive comprehension about its reality, in order to orient new practices. Therefore, it also generates new processes of subjectivation in these people. Thereby, during the research I converted into a dialogue the observations I made and the participants' reflections regarding their practices at UAMA-Paranoá with structuring elements from the work routine and the cultural, material and historical context they were in. As a result, I comprehended that the methodological (re)construction they perform is involved in a pro-positive counter-hegemonic movement which I named socio-educational doing praxis. It comes from the changes in the attendance practices but goes on even further and points to possibilities of confrontations to the historically dehumanizing and punitive culture, which is an inheritance of the penitentiary system, still impregnated in the open environment measures, among other aspects, by the bureaucratization of human relations
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2020-01-29
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.