• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.10.2017.tde-19042017-154014
Documento
Autor
Nome completo
Nairleia dos Santos Silva
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Ferreira Neto, José Soares (Presidente)
Ferreira, Fernando
Godoy, Silvia Neri
Gonçales, Amane Paldês
Heinemann, Marcos Bryan
Título em português
Situação epidemiológica da brucelose bovina após a implementação do programa de vacinação no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil
Palavras-chave em português
Brucella abortus
Fatores de risco
Imunização bovina
Prevalência
Resumo em português
O estudo objetivou avaliar a eficácia do programa de vacinação contra brucelose bovina no estado do Rio Grande do Sul tendo como indicador a prevalência e individualizar os fatores de risco para a doença. O Estado foi dividido em sete regiões. Para cada região foram amostradas aleatoriamente um número preestabelecido de propriedades nas quais foi testado um número também preestabelecido de fêmeas com idade igual ou superior a 24 meses, aleatoriamente selecionadas. O protocolo do sorodiagnóstico foi composto de triagem com o teste do antígeno acidificado tamponado, seguido de teste confirmatório dos sororreagentes com o teste 2-Mercaptoetanol. Nas propriedades foi aplicado um questionário epidemiológico sobre possíveis fatores de riscos associados à brucelose bovina. No estado do Rio Grande do Sul, a prevalência de focos foi de 3,54% [2,49 4,88] e a de animais 0,98% [0,57 1,57]. Nas regiões, as prevalências de focos variaram de 0,66% a 9,03% e a de animais de 0,06% a 2,03%. Rebanhos com 15 ou mais vacas, tipologia corte e compartilhamento de pastagens emergiram como fatores de risco para brucelose bovina no estado. A situação epidemiológica da brucelose bovina no Rio Grande do Sul manteve-se estável desde 2004, a despeito de boas coberturas vacinais terem sido registradas a partir de 2009. Assim, o estado deve continuar seu programa de vacinação, dando ênfase para a qualidade do processo e estimulando a utilização da vacina não indutora de anticorpos. Adicionalmente, o estado deve realizar um grande esforço de educação para que os produtores testem os animais de reprodução para brucelose antes de introduzi-los em suas propriedades e evitem o compartilhamento de pastagens entre rebanhos de condição sanitária desconhecida.
Título em inglês
Epidemiological situation of bovine brucellosis after implementation of a vaccination program in Rio Grande do Sul State, Brazil
Palavras-chave em inglês
Brucella abortus
Bovine immunization
Prevalence
Risk factors
Resumo em inglês
This study aimed to evaluate the effectiveness of a bovine brucellosis vaccination program in Rio Grande do Sul, with prevalence as the indicator, and to identify risk factors for the disease. The state was divided into seven regions. For each region, a predetermined number of properties were randomly sampled, in which a pre-established number of randomly selected females aged over 24 months were tested. The serodiagnosis protocol consisted of a screening test using buffered acidified antigen, followed by a confirmatory test using 2-mercaptoethanol. An epidemiological questionnaire was utilized to identify possible risk factors associated with bovine brucellosis. In the state of Rio Grande do Sul, the prevalence of infected herds was found to be 3.54% [2.49-4.88], and the prevalence of infected animals was 0.98% [0.57-1.57]. In assessments of specific regions, the infected herd prevalence ranged from 0.66% to 3.09%, and among the animals, from 0.06% to 2.03%. In herds comprising 15 or more cows, beef type and pasture sharing emerged as risk factors for bovine brucellosis in the state. The epidemiological status of bovine brucellosis in Rio Grande do Sul has remained unchanged since 2004, even though adequate vaccination coverage has been recorded since 2009. Thus, the state should continue its vaccination program, with emphasis on the quality of the process and on encouraging the use of non-antibody inducing vaccines. In addition, the state must make a greater effort to educate producers on the importance of testing for brucellosis in breeding animals before introducing them onto their properties, and on the importance of avoiding shared grazing among herds whose health conditions are unknown.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2017-05-16
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.