• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Doctoral Thesis
DOI
10.11606/T.10.2016.tde-26012016-154446
Document
Author
Full name
Marcelo Arthur Cavalli
E-mail
Institute/School/College
Knowledge Area
Date of Defense
Published
São Paulo, 2015
Supervisor
Committee
Liberti, Edson Aparecido (President)
Costa, Claudio
Fontes, Ricardo Bragança de Vasconcellos
Marsola, Thelma Renata Parada Simão
Picosse, Luis Ronaldo
Title in Portuguese
Avaliação topográfica, estrutural e tomográfica da região interforame mentual da mandíbula humana adulta
Keywords in Portuguese
Alça mentual
Canal incisivo
Forame lingual
Implante dentário
TCFC
Abstract in Portuguese
A região da mandíbula compreendida entre os forames mentuais é determinante no contorno facial e considerada pelos cirurgiões como uma região segura, tanto sob o aspecto anatômico, quanto à quantidade óssea remanescente do processo de reab-sorção. Desse modo, é considerada doadora de enxertos ósseos, receptora de implantes e é manipulada nos casos de remodelamento facial através de distrações ósseas e mentoplastias. Apesar da região interforame mentual ter fácil acesso cirúrgico, existem estruturas anatômicas importantes que devem ser avaliadas, sendo que o risco de complicações cirúrgicas neurosensoriais é de: 73% em mentoplastias, 30% em enxertos ósseos realizados em pacientes dentados, 57% em pacientes desdentados e de 10% em instalações de implantes na região. Sob o aspecto vascular, há vasos que penetram na face interna da mandíbula que, uma vez rompidos, causam hemorragias intensas nos espaços sublingual e submandibular, podendo levar à obstrução da via aérea superior e até a morte. Objetivou-se avaliar os detalhes anatômicos da região interforame mentual da mandíbula (RIFM) através de estudo topográfico, estrutural e tomográfico em mandíbulas dentadas (GDen) e desdentadas (GDes). A microscopia eletrônica de varredura evidenciou: um forame lingual (FL) de calibre acentuado no plano sagital mediano, forames acessórios espalhados na face interna da RIFM, o trajeto do canal lingual dentro da compacta óssea lingual, o canal incisivo (CI) e a alça mentual (AM) e, através da criofratura, a disposição difusa de canais ósseos na sínfise. A avaliação histológica constatou a presença do CI, AM, FM e FL na RIFM, inclusive com os constituintes vasculo-nervosos. O CI não apresentou contorno ósseo completo em todas as secções sagitais realizadas e a injeção de Red Mercox evidenciou o CI mais delimitado em GDes. A avaliação tomográfica da RIFM revelou a prevalência de densidade D2 e a presença de Fóvea Sublingual em 86 (44,1%) dos pacientes, com diferença estatisticamente significante entre GDen (2,06±0,66mm) e GDes (1,49±0,28mm) do lado esquerdo. Foi detectada diferença estatística significante entre os gêneros tanto para o lado D (p=0,032) como para o lado E (p=0,007) para a espessura vestibular nas regiões posteriores. A espessura da Cortical óssea Vestibular Anterior (região de sínfise) foi diferente entre GDen F (1,90±0,48 mm) e GDen M (2,60±0,59 mm) e entre GDes F (2,62±0,92 mm). A AM D esteve presente em 107 (54,9%) e em 113 (57,9%) pacientes do lado E, independe do Grupo e do Gênero. O comprimento anterior médio da AM E foi de 1,61 (±0,71) mm. O CI está presente em 86 (44,1%) pacientes e na região de sínfise só foi visualizado em 12 (6%) pacientes, 10 (10%) em GDen e 2 (2,1%) em GDes. Ao menos um Forame Lingual (FL) esteve presente em 134 (68,7%) pacientes. Encontrou-se 10 (7,5%) pacientes que apresentaram forame lingual em iGen, 86 (64,2%) pacientes em sGen e 38 (28,4%) em FLim e FLsm concomitantemente. A comparação entre os FL avaliados em tomografias e em mandíbulas secas através de lupa constatou maior presença de FL em Mandíbulas secas 198 (99%) do que em tomografias 134 (68,7%), independente dos Grupos (p<0,001). Respeitados os detalhes anatômicos, a RIFM pode ser abordada cirurgicamente com segurança, considerando-se as possíveis variações apresentadas por cada paciente
Title in English
Topographic, structural and tomography evaluation of the mental inter foramen adult human jaw
Keywords in English
CBCT
Dental implants
Incisive canal
Lingual foramen
Mental loop
Abstract in English
The mental interforaminal region (MIFR) is determinant in facial contouring and considered a safe region by surgeons, from aspects of anatomy and bone quantity and quality. It is considered a bone graft donor, implant receptor region and is manipulated in bone distractions and mentoplasties. However, important anatomic structures in the region must be evaluated, because the risk of neurosensory surgical complications is: 73% in mentoplasties; 30% in bone grafts in dentate, and 57% in edentulous patients; 10% in implant placements. Accidental rupture of blood vessels that penetrate into the internal mandibular surface will cause intense hemorrhages in sublingual and submandibular spaces, capable of inducing upper airway obstruction and/or death. The aim was to evaluate anatomic details of the MIFR, from a surgical approach, by topographic, structural and tomographic study of dentate (GDent) and edentulous (GEdent) mandibles. Scanning electron microscopy showed: large caliber lingual foramen (LF) in the median plane; scattered accessory foramina on internal surface of MIFR; intraosseous trajectory of lingual canal; incisive canal (IC); mental loop (ML), and cryofracture showed diffuse disposition of bony canals in the symphysis. Histologically, the authors visualized the ML; IC, with incomplete bone contour in sagittal sections of GDent; LF and neurovascular components of MIFR. Tomography showed the Right ML in 107 (54.9%) and Left ML in 113 (57.9%) patients. Mean anterior length of Left ML was 1.61 (±0.71) mm. The authors found IC in 86 (44.1%) patients; in the symphysis, IC was only visualized in 12 (6%) patients, 10 (10%) in GDent and 2 (2.1%) in GEdent. At least one LF was present in 134 (68.7%) patients. Dry mandibles showed higher prevalence of LF, 198 (99%) than tomographs, 134 (68.7%) (p<0.001). Respected the anatomical details, the MIFR can be safely surgically approached, considering possible changes of each patient
 
WARNING - Viewing this document is conditioned on your acceptance of the following terms of use:
This document is only for private use for research and teaching activities. Reproduction for commercial use is forbidden. This rights cover the whole data about this document as well as its contents. Any uses or copies of this document in whole or in part must include the author's name.
Publishing Date
2016-04-18
 
WARNING: Learn what derived works are clicking here.
All rights of the thesis/dissertation are from the authors
CeTI-SC/STI
Digital Library of Theses and Dissertations of USP. Copyright © 2001-2021. All rights reserved.