• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Livre Docencia
Documento
Autor
Nome completo
Alcyone Artioli Machado
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2007
Banca examinadora
Martinez, Roberto (Presidente)
Branchini, Maria Luiza Moretti
Diaz, Ricardo Sobhie
Gir, Elucir
Segurado, Aluisio Augusto Cotrim
Título em português
Fatores relacionados à adesão em trabalhadores da área da saúde que sofreram acidente ocupacional com risco biológico.
Palavras-chave em português
Acidente ocupacional
Adesão
Hepatite B
HIV
Risco biológico
Resumo em português
Introdução: As infecções de transmissão sangüínea causadas por vírus são reconhecidas, de longa data, como os principais riscos para os trabalhadores da área da saúde expostos a sangue e outros materiais biológicos. Porém, somente após a descoberta do Vírus da Imunodeficiência Humana tipo 1 (HIV) e o conhecimento do seu principal modo de transmissão, que os acidentes ocupacionais com material biológico potencialmente contaminado passaram a ser tratados como problema de saúde pública. Durante os cuidados dispensados aos pacientes infectados, os trabalhadores da área da saúde entram em contato com diferentes fluidos corporais e em especial, com o sangue, principal fluido infectante para o HIV, vírus da hepatite B (HBV) e vírus da hepatite C (HCV), entre outros agentes. O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, situado na cidade de Ribeirão Preto-SP, possui o Ambulatório de Acidente Ocupacional em Profissionais da Saúde (AOPS), aonde é realizado o atendimento aos trabalhadores da área da saúde que tenham sofrido acidente ocupacional com material potencialmente contaminado. As condutas dispensadas aos acidentados seguem o protocolo do Ministério da Saúde do Brasil e do CDC. Nesse local são atendidos os trabalhadores das duas unidades do hospital, os procedentes das unidades de saúde da região, alunos e funcionários das várias faculdades do Campus da Universidade de São Paulo, da Universidade de Ribeirão Preto e da Faculdade Barão de Mauá. Objetivos: Caracterizar a população de trabalhadores da área da saúde, que procuram o AOPS, quanto à idade, sexo, função, local de trabalho e tempo de função; identificar e caracterizar os acidentes ocorridos com pacientes fonte positivos para HIV, HBV e HCV; verificar a adesão dos trabalhadores acidentados às condutas instituídas pós-acidente em relação ao HCV, ao HBV e ao HIV, observando a realização dos retornos necessários, o número de retornos, uso dos anti-retrovirais, vacina e/ou imunoglobulina específica para vírus B e o recebimento da alta do ambulatório; identificar a realização de vacinação prévia ao acidente, nível de anticorpos e presença de imunidade para hepatite B; identificar a freqüência de acidentes anteriores e durante o período de estudo e sua influência na adesão. População e Metodologia: A população de estudo foi composta por trabalhadores da área da saúde que deram entrada para atendimento no AOPS, no período de maio de 2004 a maio de 2005. Os dados foram transcritos dos prontuários médicos e compilados em formulário construído especialmente para esse fim. Para análise da adesão ao seguimento foram anotados os números de retornos e o registro de alta para cada caso. Considerou-se como: Abandono - caso que realizou apenas uma consulta não voltando a nenhum retorno marcado; Retorno Incompleto - caso que realizou alguns retornos, não comparecendo aos demais e não recebendo alta do ambulatório, registrada em prontuário; Retorno Completo - caso que realizou todos retornos marcados recebendo alta do ambulatório, registrada em prontuário. As variáveis foram codificadas e digitadas em banco de dados formatado no programa Excel. Procedeu-se a análise dos dados no programa EpiInfo versão 3.3.2. Os dados foram tabulados e decodificados. A análise foi descritiva utilizando-se porcentagens. Resultados: Houve predomínio das mulheres, com média de idade de 30 anos, auxiliares de enfermagem (31,2%), com tempo de função menor do que cinco anos; os médicos representaram a segunda categoria em porcentagem de acidentes (23,4%) e os estudantes a terceira (19%), com predomínio de alunos do curso de odontologia; maior número de ocorrências foi registrada no período diurno; o paciente fonte foi identificado em 86,4% dos casos de acidentes, sendo positivo para HIV em 8%, para HCV em 6,5% e para HBV em 2,3%; o retorno ocorreu em 75,5% dos casos e o registro da alta em 63,1% dos casos; encontrou-se 22,4% de abandono e 14% de retornos incompletos; maior porcentagem de abandono foi encontrada quando o paciente fonte era positivo para HBV e a maior porcentagem de retorno incompleto quando o paciente fonte era positivo para HCV; as categorias que menos registraram a alta foram os médicos residentes e os auxiliares, técnicos e atendentes de enfermagem; houve 38% de indicação de profilaxia com anti-retrovirais, Zidovudina associada a Lamivudina em 85% dos casos; o uso de profilaxia para o HIV aumentou a possibilidade de seguimento, porém não influenciou a alta; 93% relataram vacinação para hepatite B, destes 85% possuíam três doses ou mais; positividade para anti HBsAg foi encontrada em 70,6% dos casos que realizaram o teste; acidentes anteriores predispuzeram ao abandono e ao retorno incompleto. Conclusões: Os dados apontam a necessidade de maior vigilância do risco biológico na Instituição, em especial em relação à população de acidentados com paciente fonte positiva para HCV e ou HBV.
Título em inglês
The factors compliance in health care workers who suffer occupational exposure to biological risk
Palavras-chave em inglês
Biological risk
Compliance
Hepatitis B
HIV
Occupational exposure
Resumo em inglês
Introduction: Blood-borne viral infections have long been recognized as the main risk for the health care workers (HCW) exposed to blood and to other biological fluids. However, it was only after the discovery of HIV type 1 and of its main route of transmission that occupational exposure to potentially contaminated biological material started to be treated as a public health problem. When caring for infected patients, HCW may have contact with different body fluids and especially with blood, the main infecting fluid for HIV, hepatitis B virus (HBV) and hepatitis C virus (HCV), among other pathogens. The University Hospital of the Faculty of Medicine of Ribeirão Preto, located in the city of Ribeirão Preto, São Paulo state, Brazil, has a special outpatient clinic for Occupational Accidents among Health Care Workers (OAHCW), where the medical staff gives complete clinical support to health workers who suffer occupational exposure to potentially contaminated material, following the CDC and Brazilian Ministry of Health guidelines. The clinic cares for HCW from the two units of the hospital, as well as for health-care students and employees of the different faculties of the University of São Paulo Campus, of the University of Ribeirão Preto and of University Center Barão de Mauá. Objective: The objectives were: 1. to characterize the age, sex, function, work place and time of function of the HCW seen at OAHCW; 2. to describe the exposures whose source patients were positive for HIV, HBV and HCV; 3. to verify the compliance of HCW to the medical conducts instituted regarding HCV, HBV and HIV exposure, observing the completion of the necessary number of medical visits, use of anti-retroviral drugs, vaccine or specific immunoglobulin against HBV, and discharge from the clinic; 4. to identify the vaccination record before occupational exposure, level of antibodies and presence of immune response for hepatitis B; 5. to identify the frequency of previous accidents, to determine if they occurred during the study period and their influence on adhesion to he treatment. Population and Methodology: Study population consisted of HCW admitted to the OAHCW during the period from May 2004 to May 2005. Data obtained from the medical records were added to forms especially elaborated for this study. For analysis of patient adhesion to follow-up, the number of return visits and the discharge record were recorded for each case. The following categories were established: Abandonment - subjects who attended only one visit and did not return for scheduled visits; Incomplete return - subjects who attended some visits but not all of them and whose records didn't registered a formal end of follow-up; Complete return - subjects who attended all scheduled visits and were discharged from the outpatient clinic. The variables were coded and typed in an Excel database. Data were tabulated and decoded and analyzed using the EpiInfo program (version 3.3.2.). Study analysis was descriptive, based on frequencies and percentages. Results: The prevalence of biological occupational exposure was highest among women, on average age of 30 years, which worked as technical nurses (31.2%), with a time on the job of less than five years; doctors represented the second most frequent category (23.4%), and health care students the third one (19%), with a predominance among dental students; a greater number of occurrences was recorded during the daytime shift; the source patient was identified in 86.4% of the cases (8% of them were positive for HIV; 6.5% for HCV and 2.3% for HBV); a return visit occurred in 75.5% of the cases and complete schedule was followed by 63.1% of cases; the rate of abandonment was 22.4% and the rate of incomplete visits was 14%; the highest percentage of abandonment was found when the source patient was positive for HBV, and the highest percentage of incomplete attendance when the source patient had positive HCV serology; the categories that least received formal discharge from the program were resident doctors and auxiliary ones, technicians and nurse attendants; rate of indication of post-exposure prophylaxis with anti-retroviral drugs was 38%, with Zidovudine plus Lamivudine being prescribed in 85% of the cases; the prescription of anti-HIV drugs increased adherence to the program, but did not influence the rate of discharge; 93% of all cases reported vaccination against hepatitis B, 85% had received three doses or more; positive serology for anti-HBsAg was found in 70.6% of the cases that took the test; previous accidents predisposed to abandonment and to incomplete returns. Conclusions: The data indicate the need for better surveillance of the biological risk at the Institution, especially regarding the subjects occupationally exposed to source patients positive for HCV or HBV.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2007-05-04
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.